Está aqui

Tiago Guedes distinguido no Festival de Veneza

Realizador foi distinguido pela crítica independente com o filme "A Herdade". Curta de Leonor Teles sobre uma família forçada a abandonar a sua casa no Porto é candidata a melhor curta pela Academia Europeia de Cinema.
Tiago Guedes distinguido no Festival de Veneza
Filme de Tiago Guedes foi distinguido com o prémio Bisato d'Oro para Melhor Realização do júri da crítica independente. Foto: Internet Movie Database.

O português Tiago Guedes foi distinguido com o prémio Bisato d'Oro para Melhor Realização do júri da crítica independente com o filme "A Herdade". Trata-se de um prémio paralelo aos galardões oficiais do Festival e atribuído por um júri independente presidido por Paolo de Cesare.

Segundo o júri, "A Herdade", "embora de forma mais íntima e menos espetacular, tem reminiscências do "Novecento" de Bertolucci". Afirmam ainda que "a história é um pedaço de vida, um tempo passado com personagens que se tornam nossos companheiros numa preciosa viagem". O filme retrata a história de uma família latifundiária, traçando "o retrato da vida histórica, política, social e financeira de Portugal, dos anos 40, atravessando a revolução do 25 de Abril e até aos dias de hoje", pode ler-se na sinopse. O filme tem data de estreia nas salas de cinema para 19 de setembro.

O júri da crítica independente atribuiu também o Prémio Bisato d'Oro ao documentário “Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, de Bárbara Paz. Na entrega dos prémios oficiais a realizadora percorreu a passadeira vermelha com um cartaz que dizia "Eu sou Amazónia" e agradeceu ao cinema e cultura brasileira, gritando "Viva a liberdade de expressão". Este protesto surge pouco depois de Jair Bolsonaro ter afastado a direção da Agência Nacional de Cinema do Brasil (Ancine), órgão responsável pela regulação e fiscalização do mercado do cinema e do audiovisual. O afastamento dos responsáveis acontece na sequência de uma acusação de associação criminosa, entre outros delitos.

Já a realizadora Leonor Teles e a curta "Cães que ladram aos pássaros" concorriam à secção Horizontes da 76ª edição do festival, tendo a premiação sido atribuída à curta "Darling" do realizador Saim Sadiq. Porém, a curta da portuguesa acabou por conquistar a nomeação do júri para ser candidata ao prémio de curta-metragem da Academia Europeia de Cinema. “Cães que ladram aos pássaros”, acompanha o verão de Vicente e da sua família, forçados pela especulação imobiliária a sair da sua casa no centro do Porto.

A 76ª edição do festival de cinema de Veneza viu o filme "Joker", do realizador norte-americano Todd Phillips, sair com o Leão de Ouro. Já o Grande Prémio do Júri foi para Roman Polansky e o filme "J´Accuse", tendo o Leão de Prata de Melhor Realizador ido para o sueco Roy Anderson, com "About Endlessness".

Os prémios de Melhor Interpretação Masculina e a Melhor Interpretação Feminina foram respetivamente para Luca Marinelli ("Martin Eden" de Pietro Marcello) e Ariane Ascaride ("Gloria Mundi" de Robert Guédiguian). Ambos os atores dedicaram os seus prémios aos refugiados e imigrantes que "morrem no mar Mediterrâneo".

Os prémios da Academia Europeia de Cinema serão entregues numa cerimónia marcada para dezembro em Berlim, um mês depois de conhecidas todas as nomeações.

Termos relacionados Cultura
(...)