Está aqui

PRR: Catarina garante “exigência” na defesa da habitação e dos transportes

A coordenadora do Bloco de Esquerda afirmou em Monte Gordo que o sucesso da vacinação se deve ao SNS, uma “pérola da nossa democracia”, aos seus profissionais e à população. Reafirmou que a forma como as autarquias utilizarem os fundos será determinante.
Comício do Bloco em Monte Gordo - Foto do Bloco de VRSA
Comício do Bloco em Monte Gordo - Foto do Bloco de VRSA

O Bloco de Esquerda realizou o último comício de verão de 2021 nesta segunda-feira, 23 de agosto, em Monte Gordo, em que intervieram Celeste Santos, candidata do Bloco à Câmara de Vila Real de Santo António, a deputada e candidata à Câmara de Lisboa, Beatriz Gomes Dias, e Catarina Martins.

Êxito da vacinação deve-se ao SNS e à população

A coordenadora do Bloco de Esquerda começou por assinalar que vê a vacinação com “entusiasmo” e sublinhou que tal se deve à “forma como o SNS e a população portuguesa, que confia no SNS, estão a fazer de Portugal um dos países em que a população mais adere à vacinação” e, “mesmo tendo as doses da vacina começado a chegar tarde”, o país tem conseguido ter um “processo de vacinação” dos “mais completos na Europa”.

“Ainda não está tudo feito, mas estamos a fazer esse trabalho e isso deve-se ao SNS, isso deve-se a uma população que sabe que pode confiar no SNS, que é solidária e faz o que pode para sair desta crise”, destacou.

Considerando que o SNS é uma “pérola da democracia”, Catarina Martins salientou também o papel dos seus profissionais. “O crédito a quem o deve ter e não esquecemos também como os profissionais do SNS, e todos aqueles que os apoiam todos os dias, estão tão cansados, estão exaustos, com um segundo verão com resposta covid, com a impotência de saberem que não conseguem chegar a todo o lado, todos os dias nos dizem como há tantos tratamentos não covid que não estão a ser feitos e que é preciso fazer”, sublinhou.

Habitação e transportes têm de ser prioridade

Catarina Martins destacou também a importância que as autarquias vão ter para a aplicação dos 60.000 milhões de euros de fundos provenientes do quadro comunitário de apoio, do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e da Política Agrícola Comum (PAC).

“E a pergunta que temos de fazer é como é que vai ser gasto este dinheiro. Vamos ter autarquias a fazer mais rotundas ou a garantir habitação pública? Vamos ter mais negociatas de PPP ou ferrovia e transportes coletivos, mais obras mirabolantes, ou creches?”

Celeste Santos, candidata à Câmara de Vila Real de Santo António, lembrou a prisão da presidente da Câmara em abril de 2021 e assinalou a importância da transparência e do combate à corrupção.

No comício interveio também a deputada e candidata à Câmara de Lisboa Beatriz Gomes Dias que falou de integração plena e do combate aos diversos fatores da discriminação e da importância da habitação pública e dos transportes públicos e gratuitos.

Termos relacionados Autárquicas 2021, Política
(...)