Está aqui

Perguntas e respostas sobre os resultados das eleições do Brasil

Um levantamento detalhado dos resultados das eleições que responde a questões como: quais foram os partidos mais derrotados? A votação tão alta em Bolsonaro tem a ver com um problema na educação do Brasil? Que aconteceu ao PSOL? Por Luis Leiria.
Bolsonaro teve 49.276.990 votos (46,03% dos válidos); o segundo lugar, Fernando Haddad, obteve 31.342.005 (29,28% dos válidos). É muito difícil reverter este resultado, mas não é impossível
Bolsonaro teve 49.276.990 votos (46,03% dos válidos); o segundo lugar, Fernando Haddad, obteve 31.342.005 (29,28% dos válidos). É muito difícil reverter este resultado, mas não é impossível

Qual a dimensão da chamada “onda bolsonarista”?

Foi muitíssimo forte. Bolsonaro teve 49.276.990 votos (46,03% dos válidos); o segundo lugar, Fernando Haddad, obteve 31.342.005 (29,28% dos válidos).

A onda bolsonarista catapultou a agremiação do candidato, o Partido Social Liberal, que tinha apenas um deputado, para a segunda maior bancada, com 52 deputados. Nas assembleias legislativas estaduais, o PSL saltou de 16 eleitos em 2014 para 76 nestas eleições. No senado, o PSL, que não tinha qualquer senador, elegeu quatro. Finalmente, o PSL lançou ou apoiou candidatos a governadores em 13 estados e surpreendeu em alguns. O caso mais marcante é o do desconhecido ex-juiz Wilson Witzel, no Rio de Janeiro, que ultrapassou todos os outros candidatos na reta de chegada e venceu o 1º turno com 3.154.752 votos (41,28%). Vai disputar o 2º com Eduardo Paes, do DEM, que teve 1.494.752 votos (19,56%).

O PT foi o maior derrotado?

Pelas notícias de alguma imprensa, e pelas opiniões publicadas, ficou a impressão que o PT foi o maior derrotado destas eleições. Não é bem assim. Vale a pena recordar que o partido manteve como candidato o ex-presidente Lula da Silva até o limite juridicamente possível, e só anunciou a substituição do ex-presidente por Fernando Haddad pouco mais de uma semana antes das eleições. A transferência de votos de Lula para Haddad, que foi feita sem que Lula pudesse aparecer em qualquer TV, rádio ou jornal, é talvez uma das mais inéditas da história. Haddad era de tal maneira desconhecido pelos eleitores, que muitos lhe chamavam “Andrade”. Ainda assim, dos 38% que as sondagens creditavam a Lula, Haddad conseguiu 29,28% dos votos válidos.

O PT elegeu 59 deputados, (tinha elegido 69 em 2014) mas esse número corresponde ainda à maior bancada na Câmara dos Deputados, sendo a segunda a do PSL, com 52. Haddad venceu em 9 estados (Bolsonaro em 17 e Ciro Gomes em um), mas o resultado cai quando se consideram apenas as capitais: o candidato do PT venceu apenas em três, contra 23 ganhas por Bolsonaro e uma por Ciro. O PT elegeu 84 deputados estaduais (tinha 110), ficando apenas atrás do MDB, com 93. O PT elegeu já na primeira volta três governadores, todos no Nordeste: na Bahia, Ceará e Piauí, e disputa o 2º turno no Rio Grande do Norte.

Então o PT saiu vitorioso?

Também não. Na verdade, o PT recuou em todas as frentes comparando com as eleições de 2014. Dilma tinha tido 41,59% dos votos na 1ª volta, Haddad teve 29,28%; o partido perdeu dez deputados federais e 26 estaduais. Mas sobretudo acumulou derrotas simbólicas ao não conseguir eleger nomes de peso para o Senado, como a ex-presidente Dilma Rousseff e os senadores Eduardo Suplicy e Lindbergh Farias. Além disso, Haddad foi buscar quase metade dos seus votos à região Nordeste (46%), sendo que das regiões sul e sudeste, mais industrializadas, veio apenas 38% da sua votação.

No ABC paulista, berço do partido, Bolsonaro ganhou com facilidade nas quatro letras: Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul e Diadema, sendo que em S. Caetano Haddad ficou no humilhante 4º lugar, atrás de Bolsonaro, Ciro e Amoedo.

Quais foram afinal os partidos mais derrotados nestas eleições?

Sem dúvida, os dois partidos que deram a base ao governo Temer: o MDB e o PSDB. A maioria dos ex-ministros de Temer que concorreram a estas eleições viu-se derrotada das urnas. Entre 18 candidatos, apenas 6 conseguiram se eleger. Helder Barbalho, candidato ao governo do Pará, disputa o segundo turno. Mas membros do “núcleo duro de Temer”, como Romero Jucá (MDB), Roberto Freire (PPS), Antonio Imbassahy (PSDB) não se reelegeram.

O MDB foi o partido que mais perdeu deputados: caiu de 66 eleitos em 2014 para 34 eleitos em 2018. Em 2014, conseguira eleger a 2ª maior bancada da Câmara dois Deputados; agora caiu para a 4ª posição. O partido elegeu um governador na 1ª volta e disputa o 2º turno em três estados.

Quanto ao PSDB, de Fernando Henrique Cardoso, José Serra e Aécio Neves, caiu de 54 deputados (3ª bancada) para 29 deputados (9ª bancada). O partido não elegeu nenhum governador na primeira volta e disputa o segundo turno em quatro estados. O resultado humilhante de Alckmin para a Presidência (4,76%) provocou ácidas recriminações na primeira reunião da direção do partido, com Alckmin a insinuar que fora traído pelo candidato ao governo de S. Paulo, João Dória. Oficialmente, o PSDB não apoia nenhum candidato ao 2º turno das Presidenciais, mas Dória já afiançou o seu apoio a Bolsonaro.

Que aconteceu com o PSOL?

A coligação PSOL/PCB, MTST e outros movimentos sociais, encabeçada por Guilherme Boulos e Sônia Guajajara teve um resultado muito abaixo do esperado, com apenas 0,58%. Mas é evidente que Boulos foi prejudicado pela pressão a favor do voto útil, perdendo votos na reta final tanto para Haddad quanto para Ciro. A campanha do partido, porém, foi muito além dos resultados para a Presidência, permitindo desenvolver uma alternativa de organização para a esquerda e mostrando o seu potencial nos resultados para cargos proporcionais. Assim, o partido duplicou a bancada na Câmara dos Deputados, passando de cinco para dez deputados eleitos, e aumentou o número de deputados estaduais, que passou de 12 para 18.

As bancadas do PSOL refletem melhor do que quaisquer outras o ascenso feminista que ocorre no país: na Câmara dos deputados há agora cinco deputadas federais do PSOL; nas bancadas estaduais, destaque para a do Rio de Janeiro, onde se elegeram três candidatas ligadas a Marielle Franco.

Existiu uma renovação do legislativo?

O índice de renovação foi 53%, contra 47% em 2014. Mas a composição da câmara ficou ainda mais conservadora, segundo o estudo do professor de Ciência Política da Unicamp Oswaldo E. do Amaral, diretor do Centro de Estudos de Opinião Pública (Cesop) da mesma instituição.

Segundo levantamento feito pelo G1, o número de deputados que declararam mais de um milhão de reais de património desceu, mas é quase metade da Câmara: 241 (eram 248).

Pelo menos 20 militares foram eleitos deputados federais (além de 50 estaduais e dois senadores). Assim, é previsível que a “bancada da bala” cresça, apesar de apenas 12 dos seus 34 integrantes terem sido eleitos. Mas deve contar com boa parte dos deputados do PSL de Bolsonaro e dos militares eleitos. É certo também o crescimento das bancadas evangélica e do agronegócio.

Bolosnaro já declarou que tem o apoio de 300 deputados, mas sem dar qualquer lista.

Com tantos partidos candidatos, a abstenção diminuiu, não?

Estas foram as eleições em que maior número de siglas partidárias concorreram (30) e em que houve uma grande polarização durante a campanha. Seria de esperar que a abstenção fosse muito baixa. Mas não foi isso que aconteceu. A abstenção foi de 29.941.265 (20,33%), a maior desde 1998, quando chegou a 21,5%. Os votos nulos somaram 7.206.205 (6,14%) e os brancos 3.106.936 (2,65%).

A votação tão alta em Bolsonaro tem a ver com um problema na educação do Brasil?

Existe uma ideia falsa circulando em Portugal que associa o voto em Bolsonaro a ignorância e baixa escolaridade. Nada mais longe da verdade. A última sondagem do DataFolha, já feita depois do 1º turno, mostra que Haddad ganha de Bolsonaro na faixa de eleitores que têm até o ensino fundamental (9º ano), por 44% contra 39%; a partir daí, a vitória é sempre de Bolsonaro, e a vantagem do candidato neofascista aumenta quanto maior a escolaridade. Entre os eleitores de nível universitário, Bolsonaro ganha por 58% contra 30%.

Com esta diferença de votos, Bolsonaro já ganhou, não?

É muito difícil reverter este resultado, mas não é impossível. Há quase 40 milhões de eleitores que não se pronunciaram (somando abstenções e votos brancos e nulos); por outro lado, o sentimento antipetista, que é o combustível em que navega a corrente pró-bolsonaro, pode ser reduzido pela tomada de consciência das ameaças concretas para as pessoas que uma vitória de Bolsonaro traria. A sequência de ações violentas já praticadas pelos bolsonaristas nos últimos dias são uma boa amostra do estará por vir, caso o neofascista tome posse da Presidência do Brasil.

Artigo de Luís Leiria, para esquerda.net

Sobre o/a autor(a)

Jornalista do Esquerda.net
(...)