Está aqui

No Dia da Terra, Climáximo abre inscrições para acampamento pela justiça climática

A associação ambientalista junta mais uma série de organizações para fazer o “acampamento 1.5” entre 6 e 10 de Julho, em Melides. 1.5 graus é o limite de aquecimento da temperatura média do planeta que permite a sustentabilidade ecológica. Para isso Portugal terá de reduzir em 70% as emissões de gases com efeito de estufa.
Acampamento 1.5. Foto de Climáximo.
Acampamento 1.5. Foto de Climáximo.

O coletivo pela justiça climática Climáximo anunciou esta sexta-feira, data em que se comemora o Dia da Terra, que estão abertas as inscrições para o “acampamento 1.5”, uma iniciativa que vai decorrer em Melides, entre 6 e 10 de Julho.

Leonor Canadas, ativista deste movimento, explica que o litoral alentejano foi escolhido “porque esta região é um dos expoentes máximos do capitalismo, em Portugal”. De acordo com ela, “são várias as frentes pelas quais os interesses e direitos das populações locais são postos em segundo plano face aos interesses do lucro: seja pelas monoculturas de alimentos e de painéis solares, pela má gestão da água e dos solos, pelo trabalho precário nas estufas ou pela falta de transportes públicos”.

Para além disso, acrescenta, “a influência do capitalismo também se reflete no encerramento de infraestruturas sem qualquer plano de transição justa para as trabalhadoras e comunidades locais, como foi o caso da central termoeléctrica a carvão”.

A ativista dá ainda o exemplo dos resorts de luxo e campos de golf que se prevê construir “em zonas protegidas do litoral alentejano, o aumento da capacidade do Porto de Sines que importa gás fóssil e transporta animais vivos por milhares de quilómetros”.

A ambientalista explica que na organização do evento estão a ser envolvidas várias associações e pessoas, “pois só juntas poderemos fazer com que Portugal cumpra a sua responsabilidade histórica de reduzir em 70% as emissões de gases com efeito de estufa, a sua parte para limitar o aquecimento da temperatura média do planeta em 1.5”.

Segundo informa o comunicado da Climáximo, já subscrevem este acampamento entidades como Academia Cidadã, CIDAC, Dunas Livres, Frente Ativa pela Libertação Animal, GEOTA, Greve Climática Estudantil Lisboa, Habita, Juntos Pelo Sudoeste, Marca – ADL, NAPA – Núcleo Académico pela Proteção Ambiental, PATAV – Plataforma Anti-Transporte de Animais Vivos, Precários Inflexíveis, SOS Racismo, STCC – Sindicato de Trabalhadores de Call Center e Plataforma TROCA.

Para além de conhecer “a realidade de quem sofre os impactos diretos do capitalismo no litoral alentejano”, anunciam-se “diversas ações diretas não violentas focadas em vários pontos do capitalismo fóssil na região”.

Termos relacionados Ambiente
(...)