Está aqui

Nicarágua: Ortega reaparece em comício

Pela primeira vez desde 1979 que a FSLN não convocou uma manifestação de massas para celebrar o 41º aniversário da revolução sandinista. O presidente Daniel Ortega reapareceu, depois de 38 dias de ausência da vida pública e proferiu um discurso de uma hora. Por Matthias Schindler
19 de julho de 2020, 41 anos da revolução sandinista - Foto tomada de El 19 digital
19 de julho de 2020, 41 anos da revolução sandinista - Foto tomada de El 19 digital

Após uma ausência de 38 dias da vida pública da Nicarágua, o Presidente Ortega reapareceu a 19 de julho de 2020. No 41º aniversário da Revolução Sandinista, proferiu, em frente de uma audiência selecionada de maneira absolutamente privada, um discurso de uma hora em que falou quase exclusivamente sobre o sistema de saúde do país. Embora a sua aparência fosse muito mais dinâmica do que nas últimas vezes anteriores, não produziu nem um único pensamento novo. A sua popularidade, que ainda existe em parte da população, sofreu consideravelmente nos últimos meses devido ao facto de o seu governo ter reagido à pandemia de covid-19 principalmente com passividade, informação insuficiente e incorreta e minimizando o perigo da doença. Neste contexto, enumerou em dados e números intermináveis os serviços de saúde que tinham sido prestados sob o seu governo desde 2007. Mas para além de nomear 2.182 infeções de covid-19 oficialmente reconhecidas, incluindo 83 mortes, até fins de junho, não deu mais quaisquer informações sobre o desenvolvimento da pandemia nem sobre as medidas planeadas pelo governo para a combater.

Esta foi a primeira vez desde 1979 que a FSLN não convocou uma manifestação de massas para celebrar o aniversário da revolução. Pode ter havido várias razões para isto: o medo de não conseguir encher a praça, tendo em conta a atual perda de prestígio de Ortega; o medo do casal presidencial apanhar uma infeção de covid-19 quando deixam a sua residência; ou simplesmente a falta de dinheiro. Em vez disso, desta vez teve lugar uma cerimónia estranha na Praça da Revolução de Manágua, indubitavelmente desenhada pela vice-presidente Murillo: sem informação ou mobilização prévia e hermeticamente isolados do público, 981 jovens rigorosamente selecionados de uniforme azul e branco, com lenços pretos e vermelhos, reuniram-se num círculo de cadeiras precisamente alinhado de cerca de 60 metros de diâmetro. No centro deste círculo estava um pentagrama de plantas e flores com um diâmetro de 35 metros, como se Murillo, com este antigo signo mitológico, pedisse ajuda às forças cósmicas para lhe mostrar uma saída do impasse pessoal e político que ela e Ortega juntos tinham manobrado. Mesmo depois de Bolsonaro e Trump se terem mostrado com máscaras protetoras, Ortega, provavelmente como o último chefe de estado do mundo, agora também apareceu publicamente com uma máscara protetora. Mas os jovens presentes tinham uma distância muito menor do que os 1,5 metros, geralmente recomendados, e durante a canção “Comandante Carlos Fonseca” todos tiveram que apertar as mãos e abanar ao ritmo do som de Carlos Mejía Godoy.

Daniel Ortega e Rosario Murillo, na comemoração do 41º aniversário da revolução sandinista - Foto tomada de el19digital

Daniel Ortega e Rosario Murillo, na comemoração do 41º aniversário da revolução sandinista - Foto tomada de el19digital

Murillo deu uma das suas típicas introduções: “Sempre livre! Somos corajosos! Somos poderosos! Somos lutadores! Somos Sandinistas! Somos cristãos, solidários, revolucionários, evolucionários! 41/19 e para sempre! 41/19 e qual é a senha? O povo está a avançar! Qual é a senha? FSLN! 41/19 e estamos a avançar! 41/19 e com amor que pode fazer tudo, com amor que vence tudo! Unidos, cheios de força, unidos, unidos, unidos, unidos, com Daniel à frente e o povo-presidente! …”

Depois Ortega apresentou durante uma hora números respeitantes ao sistema de saúde de Nicarágua: 12.100 mortes de março a julho, acidentes, afogamentos, suicídios, crimes, pneumonia, ataques cardíacos, diabetes, hipertensão, tumores malignos, insuficiência renal, insuficiência hepática, acidentes de trânsito e “exatamente 91 mortes como resultado desta epidemia”. Mas afinal, 24.899 nascimentos foram registados no mesmo período: “Graças a Deus”. Depois continuou: tratamentos de emergência, operações, vacinas, tratamentos de diálise, quimioterapia, campanhas de saúde, clínicas móveis, tratamentos dentários, campanhas de desinfeção, trabalhadores da saúde, hospitais, centros de saúde, postos de saúde ... com a conclusão de que “a pior epidemia é o capitalismo selvagem”.

Ortega não faz qualquer menção ao estado e desenvolvimento da pandemia de Covid-19, nem uma palavra sobre as mortes entre os trabalhadores da saúde, nem uma palavra sobre o uso de máscaras de proteção, nem uma palavra sobre as regras de distância social. Ele resume tudo com a observação: “Conseguimos enfrentar esta pandemia com sucesso”.

No seu discurso, segue o método de distrair a atenção do fracasso catastrófico do governo face à pandemia de corona, apontando para as melhorias que realmente conseguiram fazer no sector da saúde nos últimos anos. Ortega-Murillo têm desrespeitado sistematicamente e em muitas dimensões as orientações da OMS. Mas o pior foi que, em aberto contraste com estas recomendações, exigiram e continuam a exigir atividades públicas em massa, nas quais milhares de pessoas foram infetadas com o vírus e continuam a ser infetadas. Isto levou a que houvesse um elevado número de pessoas infetadas e mortas, especialmente entre os seguidores de Ortega.

Embora os dados atuais do ministério da saúde sobre a covid-19 indiquem um total de 3.147 pessoas infetadas e 99 mortes, existem atualmente, de acordo com o grupo de observadores independentes Observatorio Ciudadano, pelo menos 8.508 casos suspeitos de infeção na Nicarágua, dos quais 2.397 já tiveram um resultado fatal.

Artigo de Matthias Schindler

Sobre o/a autor(a)

Técnico de construção de máquinas reformado. Politógo.
Termos relacionados Internacional
(...)