Está aqui

As mulheres de Maria Lamas

Para “As Mulheres do Meu País” e, na falta de fotografias de todas as situações que queria ilustrar, Maria Lamas decidiu ser ela própria a fotografar. São estas fotografias que estão expostas, até 28 de maio na Fundação Calouste Gulbenkian (entrada livre, 10h-18h). Artigo de Nuno Pinheiro.
Exposição As Mulheres de Maria Lamas até 28 de maio na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa (entrada livre, 10h-18h) – Foto de Nuno Pinheiro
Exposição As Mulheres de Maria Lamas até 28 de maio na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa (entrada livre, 10h-18h) – Foto de Nuno Pinheiro

Entre os livros que por serem grandes e com belas encadernações que havia em casa dos meus pais e me mereciam alguma reverência, contam-se “As Mulheres do Meus País” e “A Mulher no Mundo”. Maria Lamas estava presente também no cartão do Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas de minha mãe, que tinha a sua assinatura e na compra mensal das “Modas e Bordados” que dirigiu. Tudo se justifica, Maria Lamas é uma figura cimeira do Século XX português.

Maria Lamas decidiu lançar-se nesta obra, “As Mulheres do Meu País”, depois de o salazarismo ter revertido a sua breve abertura a seguir à guerra e ter proibido o Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas. Para “As Mulheres do Meu País” e, na falta de fotografias de todas as situações que queria ilustrar, decidiu ser ela própria a fotografar. São estas fotografias que estão expostas, até 28 de maio (raio de data) na Fundação Calouste Gulbenkian (entrada livre, 10h-18h). A escolha de Jorge Calado (curador da exposição), foi expor preferencialmente as impressões originais que são, geralmente de pequeno formato. Ganha-se em autenticidade, talvez se perca em visibilidade.

Maria Lamas não era fotógrafa e vi algumas pessoas perturbadas com a qualidade das fotografias. Já o curador da exposição compara, de forma completamente oposta, algumas fotografias a obras maiores da história da fotografia, como “Migrant Mother” de Dorothea Lange, ou o retrato da sociedade alemã anterior ao nazismo por August Sander. A fazer alguma comparação fá-la-ia com a Spanish Village de W. Eugene Smith que é contemporânea do trabalho de Maria Lamas e também reflete a realidade ibérica. Acho que estas visões são exageradas, e, apesar de o interesse ser sobretudo documental, e não cheguem ao estatuto de obras-primas (que Calado sugere), são imagens esteticamente bem conseguidas.

As fotografias mostram a vida dura das mulheres sobretudo no campo em Portugal de meados do século XX. As expostas são, sobretudo da Serra da Estrela, região de Aveiro, Porto e algumas do Sul. São cruas e realistas numa declaração política contra o Estado Novo. É uma abordagem oposta à tentativa de romancear, como fazia a tradição da fotografia portuguesa de tipos populares desde Carlos Relvas, ou à da da mulher vestida de preto em que até Cartier-Bresson caiu, nas fotografias que fez em Portugal em 1955.

Estas mulheres não são o povo que lava no rio, na aldeia da roupa branca, nem as que, pobres, mas sempre felizes, o folclore do Estado Novo apresentava. São reais, a sua vida é real, ligada ao campo, aos seus trabalhos, duros e primitivos, com pouca mecanização. Puxam carros, levam cestas e sacas à cabeça, não são poupadas aos trabalhos mais duros. Algumas já estão a trabalhar jovens, muito jovens, outras preparam-se para isso, desde a mais tenra infância.

Ligadas aos animais que também trabalham e que produzem a lã, o leite, a carne. Vida de sementeiras e fracas colheitas. Também não são humildes e miseráveis, olham de frente para a câmara, mesmo com a miséria e a ditadura não perdem a dignidade. Sorriem, às vezes, como se tivessem ouvido Maria Lamas falar do direito à felicidade.

Os homens estão ausentes, às vezes por estar nas fábricas (e lá estão as mulheres a levar-lhes o almoço), outras por estar na pesca que, como no bacalhau, os punha muitos meses no mar, e eram as mulheres a organizar toda a vida familiar.

Com mais pose que ação, planos relativamente próximos, já que era preciso mostrar o ambiente que as rodeava, são, por vezes semelhantes a fotografias mais antigas, à fotografia antropológica e etnográfica de finais do século XIX. Também se aproxima destas na vontade de sistematização, ausente da maior parte da fotografia sua contemporânea. Se a técnica fotográfica o permitisse, muitas destas fotografias poderiam ter sido feitas um século antes, tal é a imagem de estagnação e falta de progresso.

Ainda conheci este país. Mesmo com alguma modernização nos anos 60, em 1974 era possível encontrar cenas como as fotografadas por Maria Lamas.

A obra de Maria Lamas era um estudo, mas também uma revolta contra o regime. Pergunta-se sempre, nestas situações, se continua atual. Não, felizmente não, porém é importante conhecer o que era o Portugal rural de há 60 ou 70 anos, e esta é uma forma magnifica de o fazer.

Só espero ter convencido o/a leitor/a a visitar a exposição.

Sobre o/a autor(a)

Investigador de CIES/IUL
Termos relacionados Cultura
(...)