Está aqui

Manuela Silva (1932-2019)

Manuela Silva foi Secretária de Estado para o Planeamento no I Governo Constitucional e dinamizadora de estudos sobre a pobreza em Portugal. Foi investigadora e professora catedrática no ISEG.
Manuela Silva (1932-2019)

Manuela Silva foi uma das responsáveis pela dinamização dos estudos sobre a realidade da pobreza em Portugal. Teve um percurso profissional como investigadora e professora catedrática no Instituto Superior de Economia e Gestão entre 1970 e 1991.

Foi Secretária de Estado para o Planeamento no I Governo Constitucional (1976-77) após a implantação da democracia, em 1974, trabalhou em vários grupos de trabalho no âmbito da Comissão Europeia e do Conselho da Europa e presidiu à assembleia geral do Cesis - Centro de Estudos para a Intervenção Social.

Foi também defensora de causas nas questões de justiça, da paz, do desenvolvimento e da espiritualidade cristã. Esteve organizada no Graal, movimento internacional de mulheres católicas, na década de sessenta, e foi presidente do Movimento Internacional dos Intelectuais Católicos/Pax Romana (1983-87), da Juventude Universitária Católica Feminina (1954-1957) e da Comissão Nacional Justiça e Paz, da Igreja Católica (2006-08).

No início da década de 80, Manuela Silva coordenou, com Alfredo Bruto da Costa, o primeiro estudo que se fez sobre pobreza no país. Publicado com o título “A Pobreza em Portugal” (ed. Cáritas), a obra marcou uma etapa e uma geração de investigadores e ativistas e que teria continuação em estudos sobre a “A Pobreza Urbana em Portugal” (ed. Cáritas) e, mais recentemente, “Um Olhar Sobre a Pobreza – Vulnerabilidade e Exclusão Social no Portugal Contemporâneo” (ed. Gradiva). Também nas áreas do desenvolvimento comunitário, repartição do rendimento e retorno de emigrantes os seus estudos foram percursores.

Também António Marujo, diretor do jornal digital 7Margens, destacou o trabalho de Manuela Silva e o foco com que nos últimos anos lançou sobre as alterações climáticas. "Para ela", escreve António Marujo, "este empenhamento sintetizava muito do seu pensamento, uma vez que os problemas ambientais são reflexo da má distribuição da riqueza, da sobre-exploração de recursos, dos investimentos que continuam a destruir o planeta e o futuro das gerações mais jovens e, ao mesmo tempo, as franjas enormes de novos pobres".

O funeral de Manuela Silva terá lugar no dia 9 de outubro, com missa de corpo presente, na Igreja da Ressurreição, em Cascais.

Termos relacionados Sociedade
(...)