Está aqui

Johnny Clegg, morreu o músico que desafiou o apartheid

Desafiou o sistema de segregação da África do Sul quer com as bandas multirraciais, quer com o que cantava, quer como cantava. Por se ter inspirado na cultura zulu e nos ritmos das zonas negras, chamavam-lhe o “zulu branco”. Morreu esta terça-feira aos 66 anos.
Johnny Clegg numa atuação em 2010.
Johnny Clegg numa atuação em 2010. Foto de Damien. Flickr

“Nunca o vemos.” Em zulu diz-se “asimbonanga” e é o nome de uma canção feita por Clegg e que faz parte do imaginário cultural internacional. É uma homenagem a Nelson Mandela então preso. Aliás, Clegg instia que o seu “momento pináculo” tinha acontecido em 1997 na Alemanha enquanto cantava essa canção e foi surpreendido com a entrada de Mandela que se juntou à atuação.

Johnny Clegg nasceu nos arredores de Manchester mas passou a adolescência na África do Sul. Depois de uma passagem pelo Zimbabwe, de onde a sua mãe, música de jazz, era originária.

Em Joanesburgo aprendeu a música e as danças zulus. Segundo o próprio, foi Charlie Mzila, um músico de rua, um dos seus principais mestres na altura.

Manteve o mesmo foco na cultura zulu quando estudou antropologia na Universidade de Wits estudou antropologia e quando, depois, foi leitor na mesma instituição.

As suas bandas, Juluka e Savuka, eram multi-raciais numa altura em que a segregação racial tinha a força de lei. Assim, foi impedido de tocar em muitos sítios. Contornava as proibições tocando em universidades, igrejas, alojamentos para migrantes. Também chegou a ser preso pelo que cantava. Mas insistiu.

Juluka, que significa “doce” em zulu, é uma banda que nasce de um outro encontro com um trabalhador migrante, Sipho Mchunu. A banda lança o primeiro álbum em 1979. Sem possibilidade de obter êxito comercial na África do Sul, o disco vale contudo uma digressão pela Europa e América do Norte. Depois a banda termina com o regresso de Mchunu à sua quinta familiar em 1985.

Clegg forma outra: Savuka, que quer dizer “erguemo-nos”. O sucesso mundial chega em 1987 com Asimbonanga. O grupo chega ao fim em 1992 com o assassinato a tiro do seu companheiro Dudu Zulu.

Clegg afirmava que a sua exploração das culturas tradicionais o tinha “libertado para examinar uma outra maneira de ver o mundo” e que a “música e a dança o deixaram em paz com o mundo e comigo.” Doente há vários anos sublinhava como balanço da sua carreira “recompensadora” ter “sido capaz de unir pessoas através das canções, especialmente num tempo em que parecia impossível”.

Termos relacionados Cultura
(...)