Está aqui

A imagem da bruxa está no centro de uma batalha, por Silvia Federici

A coisa mais importante que as feministas podem fazer hoje é não apenas abraçar essa imagem da bruxa, mas também aprender e conhecer mais a verdadeira história das mulheres que de facto foram acusadas, presas, perseguidas e assassinadas de forma tão brutal. Por Silvia Federici.
"Mulheres e caça às bruxas" é o título do mais recente livro de Silvia Federici
"Mulheres e caça às bruxas" é o título do mais recente livro de Silvia Federici

Como muitas outras imagens e conceitos, a figura da bruxa hoje configura uma espécie de campo de batalha. Por um lado, temos novos movimentos feministas recuperando a imagem da bruxa. Havia algo disso nos anos 1970. Em Roma, por volta de 1972, houve uma grande manifestação onde as mulheres começaram a dançar cantando: “Tremei, tremei, tremei, as bruxas voltaram!”. Ou seja, muito tipicamente recuperando uma imagem que historicamente havia sido uma imagem de vilificação e condenação, mas recuperando-a com um sentido de antagonismo, da mesma forma o negro foi reivindicado pela comunidade de afrodescendentes nos EUA. Hoje vemos algo parecido. Vimos as grandes manifestações do movimento NiUnaMenos na Argentina e em muitos outros lugares, como as mulheres diziam: “Somos las nietas de las brujas que no pudisteis quemar” [Somos as netas de todas as bruxas que vocês não conseguiram queimar].

Por outro lado, por conta dessa recuperação também vemos que o “sistema” – Hollywood por exemplo – está agora a (re)apropriar-se da imagem da bruxa em filmes que apresentam a ideia de que há essas mulheres terrivelmente más. Essa é a “contrarrevolução”: eles estão a recuperar a mesma imagem da bruxa que encontramos nas caças às bruxas dos séculos XVI e XVII. Eu cheguei a ver alguns dos trailers desses filmes, eles são pavorosos. E sempre digo às jovens que elas precisam organizar protestos e piquetes nas sessões de exibição desses filmes. Porque eles estão a travar uma guerra contra nós. Eles estão a dizer às pessoas que sim, há essas mulheres dotadas desses poderes todos, e elas estão completamente decididas a destruir o mundo e destruir os homens. Precisamos ter muito cuidado porque esse tipo de iniciativa não é inocente, não podemos aceitar isso.

Silvia Federici é autora dos livros “Calibã e a bruxa” e “Mulheres e caça às bruxas” - Foto de Artur Renzo retirada do Blog da Boitempo

Silvia Federici é autora dos livros “Calibã e a bruxa” e “Mulheres e caça às bruxas” - Foto de Artur Renzo retirada do Blog da Boitempo

É por isso que digo que o conceito da bruxa se encontra no centro de uma batalha. À medida que algumas mulheres estão a recuperar a ideia da bruxa de uma maneira positiva, e também a bruxa como uma mulher dotada de conhecimentos, a bruxa como curandeira, a mulher que hoje seria considerada médica, e que por sinal era muito popular no interior da sua comunidade. Não podemos jamais esquecer que a palavra “bruxa” foi cunhada por aqueles que as perseguiram, não pelas próprias mulheres. Precisamos estar muito conscientes disso.

78% das pessoas executadas por bruxaria na Nova Inglaterra nos finais do século XVII e início do século XVIII eram mulheres
78% das pessoas executadas por bruxaria na Nova Inglaterra nos finais do século XVII e início do século XVIII eram mulheres

Assim, eu concluiria dizendo que a coisa mais importante que as feministas podem fazer hoje é não apenas abraçar esse conceito, mas também aprender mais e conhecer mais a verdadeira história das mulheres que de facto foram acusadas, presas, perseguidas e assassinadas de forma tão brutal. A bruxa não deve ser tratada simplesmente como uma imagem descolada. É uma figura que podemos recuperar para a luta, mas sem torná-la uma lenda. Por tempo demais a história da caça às bruxas foi apagada. Por tempo demais ela foi transformada em lenda a ponto de muitas pessoas hoje não saberem que, de facto, as mulheres foram acusadas de serem bruxas. A bruxa aparece como uma personagem lendária, imaginária. Não é. Houve mulheres que de facto foram presas, perseguidas e mortas. Precisamos saber dessa história, que sempre foi apagada, que só foi estudada por alguns poucos especialistas e que boa parte das pessoas sequer conhece. Precisamos saber disso porque é importante para entendermos o que está a acontecer no presente. Temos que lutar para garantir que não sejamos queimadas de novo. Violentaram brutalmente essas mulheres e tentaram sufocar essa luta, mas continuamos aqui.

Texto de Silvia Federici1, publicado no Blog da Boitempo, traduzido por Artur Renzo. Este texto integra um depoimento colhido durante a visita de Silvia Federici à sede da Boitempo em setembro de 2019, e que em breve será publicado em forma de vídeo, na TV Boitempo, canal da editora no YouTube.

1 Silvia Federici nasceu na Itália, em 1942; é investigadora e, atualmente, professora emérita na Universidade Hofstra, em Nova York.

SILVIA FEDERICI | Mulheres e caça às bruxas | USP 2019

Termos relacionados Sociedade
(...)