Está aqui

Governante transferiu para o Estado perdas dos swaps que criou no privado

As perdas dos contratos swaps associados ao financiamento do TGV somam 152.9 milhões de euros. O contrato foi feito pelo consórcio Elos e assinado pelo atual secretário de Estado dos Transportes.
O nome de Sérgio Monteiro surge associado a boa parte das PPP que pesarão no bolso dos contribuintes nas próximas décadas. Foto Manuel de Almeida/Lusa

O currículo de Sérgio Monteiro antes de chegar ao Governo pela mão de Passos Coelho confunde-se com muitos contratos ruinosos que hoje estão a ser pagos pelos contribuintes. É o caso das PPP rodoviárias, onde o atual secretário de Estado, na altura ao serviço do banco de investimento Caixa BI, assumiu um encargo financeiro de 473 milhões com a capitalização da AELO (Auto-Estradas do Litoral Oeste), num negócio que mereceu duras críticas do Tribunal de Contas por prejudicar o Estado.

Esta segunda-feira, o Jornal de Notícias revela mais um caso onde a ação de Sérgio Monteiro volta a prejudicar os contribuintes. Trata-se do contrato de financiamento para a construção da linha de TGV Poceirão-Caia, em que Ségio Monteiro atuou como administrador do consórcio privado Elos, em reprsentação da Caixa BI.

O crédito de 690 milhões negociado em abril de 2010 incluía quatro contratos swaps. No ano seguinte, quando o PSD ganha as eleições e Sérgio Monteiro entra no Governo, o projeto do TGV foi abandonado. E coube ao autor da negociação do contrato a tarefa de assumir para o Estado o financiamento destinado ao consórcio de que foi representante, incluindo os contratos swap que registam hoje perdas de 152,9 milhões de euros.

Segundo o JN, Sérgio Monteiro teve um papel ativo na transferência destes contratos que criou para a Parpública. O governante respondeu dizendo que essa transferência se revestiu de "interesse público" e vai mais longe, afirmando ter "orgulho" pelo papel que teve no cancelamento do TGV, cujo projeto financeiro ajudou a montar embora considere agora que afinal não tinha "qualquer viabilidade económica e financeira".

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Política
Comentários (3)