Está aqui

A extrema-direita que vibra por Putin e a ‘Nova Ordem Internacional’

A “desnazificação” com que Putin justificou a guerra não começa em casa. Conheça um breve perfil de alguns dos grupos russos conservadores fundamentalistas, ultranacionalistas, pan-eslavistas, monárquicos e nazi-fascistas que fornecem apoio militante ao governo de Putin. Por Milton Alves.
Unidade Nacional Russa. Um dos movimentos da extrema-direita russa.
Unidade Nacional Russa. Um dos movimentos da extrema-direita russa.

Diz um velho ditado que numa guerra a primeira vítima é a verdade. No atual conflito bélico entre Rússia e Ucrânia, velhas mentiras, meias verdades, fake news e narrativas das partes em confronto são utilizadas como armas de guerra – tudo mais potencializado pelo alcance e a porosidade das redes sociais.

Pois bem, um dos argumentos da narrativa de Putin para justificar a agressão à Ucrânia é o da suposta “desnazificação” do país, governado pela extrema-direita, e comandado por Volodymyr Zelensky. É verdade que existem e atuam partidos e milícias nazistas na Ucrânia, porém são forças minoritárias, que não atingiram 5% dos votos nas últimas eleições presidenciais.

Partidos como o Svobada (União Pan-Ucraniana pela Liberdade) e o Setor Direita não contam com representação no parlamento nacional ucraniano. Há ainda milícias paramilitares que atuam no leste do país e travam combate contra as repúblicas separatistas de Donetsk e Luhansk, pró-Rússia – e o notório Batalhão Azov, que foi incorporado à Guarda Nacional da Ucrânia.

O argumento de Putin pela “desnazificação” do país vizinho tropeça num olhar mais atento sobre o mosaico de fações políticas-ideológicas que apoiam o seu governo, mostra a sólida presença de forças de extrema-direita: conservadores fundamentalistas, ultranacionalistas, pan-eslavistas, monárquicos e nazi-fascistas. São dezenas de grupos, pequenos partidos e milícias atuando no país e defendendo o ideário putinista de reconstrução da “Grande Rússia” e por uma “Nova Ordem Internacional” . Muitos desses grupos e ativistas também atuam em correntes do partido governante, o Rússia Unida (em russo Единая Россия).

Após o fim da União Soviética e o trauma de uma selvagem e mafiosa restauração capitalista, ganharam impulso na Federação Russa as teorias ultranacionalistas e pan-eslavistas, que voltaram a ter ampla audiência nas universidades, centros de pesquisas sociais, instituições culturais, na imprensa e na atividade política.

Nesse contexto, intelectuais como Sergey Karaganov (atualmente presidente honorário do Conselho Russo de Política de Relações Exteriores e Defesa, supervisor académico da Escola de Economia Internacional e Relações Exteriores da Escola Superior de Economia – HSE em Moscou) e Alexander Dugin (filósofo, cientista político, diretor do Centro de Pesquisas sobre o Conservadorismo da Faculdade de Sociologia da Universidade Estatal de Moscovo, fundador do Movimento Internacional Eurasiano e ideólogo do nacional-bolchevismo e da IV Teoria Política) exercem forte influência em camadas superiores do establishment político russo, incluindo a diplomacia e o Exército.

No quadro atual de radicalização do debate político, que divide a esquerda no Brasil e no mundo sobre a guerra russo-ucraniana, é necessário o esforço para conhecer a motivação de fundo do grupo dominante que ocupou o poder na Rússia por quase três décadas. É possível afirmar que Putin é o representante de uma agressiva vocação expansionista e de uma visão reacionária de mundo, de sectárias e perigosas ideias pan-eslavas, portanto, antagónicas de qualquer traço progressista, anti-imperialista, ou democratizante.

Conheça um breve perfil de alguns desses grupos que estão atuantes na cena política russa e que fornecem apoio militante ao governo de Putin:

– Milícias do Grupo Wagner (em russo Группа Вагнера) é uma organização paramilitar neonazista com vinculações no interior das Forças Armadas Russas. No momento, a milícia está engajada em combates nas diversas regiões da Ucrânia e tem bases na Crimeia anexada. Os milicianos da Wagner atuaram na Síria e prestam serviços para governos e empresas no Leste Europeu e na África. A milícia é conhecida por uma atuação de extrema violência contra populações civis.

– Interbrigadas (em russo: Интербригады) é um movimento criado pelo antigo partido político Nacional Bolchevique. A brigada “A Outra Rússia” participa diretamente do conflito armado no leste da Ucrânia ao lado dos defensores da República Popular de Donetsk e da República Popular de Luhansk.

– Exército Ortodoxo Russo (em russo: Русская православная армия, Russkaya pravoslavnaya armiya) é um grupo militante do Leste da Ucrânia que foi fundado em maio de 2014, como parte da insurgência em Donbass.

– Batalhão de Unificação e Renascimento Eslavo ou Batalhão Svarozhich – O batalhão foi formado por membros do movimento Rodnovery (fé nativa eslava), teve no seu auge 1.200 combatentes, que agora fazem parte da Brigada Vostok.

– Destacamento Jovan Šević (sérvio: одред «Јован Шевић») – grupo integrado por chetniks sérvios (os chetniks eram partidários da monarquia e colaboracionistas dos fascistas e nazistas durante a II guerra) e liderado por Bratislav Živković, tem 450 combatentes.

– Unidades de Voluntários da RNU – Inclui voluntários da Unidade Nacional Russa e outras organizações neonazis.

Além disso, fações de governos, de partidos e lideranças de extrema-direita na Europa – com expressão política, bancadas no parlamento Europeu – simpatizam com muitas das ideias defendidas por Putin, Karaganov e Dugin. Na Hungria, Polónia e República Checa; na Áustria (FPÖ-Partido da Liberdade); na Alemanha (AfD) e na França (União Nacional de Marine Le Pen e Reconquista de Éric Zemmour). Nos Estados Unidos, grupos vinculados ao movimento de Steve Bannon, e no Brasil setores do bolsonarismo, simpatizantes do legado do jornalista Olavo de Carvalho e os duguinistas da Nova Resistência.

Por último, deixo o apelo a um imediato cessar-fogo, ao apoio às vítimas e deslocados pela guerra, a uma saída negociada, com base nos princípios da autodeterminação dos povos e do direito internacional – sem anexações e sanções.


Milton Alves é jornalista e escritor. Autor dos livros ‘A Política Além da Notícia e a Guerra Declarada Contra Lula e o PT’ (2019), de ‘A Saída é pela Esquerda’ (2020) e ‘Lava Jato, uma conspiração contra o Brasil’ (2021) todos pela Kotter Editorial.

Publicado originalmente na página do autor. Editado para português de Portugal pelo Esquerda.net.

Termos relacionados Ucrânia, Internacional
(...)