Está aqui

Enfermeiros do Hospital de Viseu não têm onde deixar os filhos

Com o afastamento de uma centena de enfermeiros do Centro Hospitalar Tondela Viseu (CHTV), devido à covid-19, as condições de trabalho destes profissionais têm vindo a degradar-se. Artigo publicado em Interior do Avesso
Centro Hospitalar Tondela-Viseu – Foto Hugo Cadavez/Flickr
Centro Hospitalar Tondela-Viseu – Foto Hugo Cadavez/Flickr

Segundo notícia da Alive FM, o sindicato denunciou que muitos profissionais de saúde, com as escolas fechadas e o país em confinamento, não têm onde deixar os filhos, sobretudo os mais novos.

O dirigente sindical Alfredo Gomes exemplificou com o caso de um casal de enfermeiros ao qual foi dada como solução uma instituição de ensino privado, que solicitou uma mensalidade superior a 500 euros.

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) alerta ainda para as dificuldades particularmente sentidas pelos pais de crianças e jovens com necessidades educativas especiais. “Os enfermeiros não sabem onde é que os devem colocar porque têm um apoio especial, que no despacho diz que é garantido, e as escolas dizem que não têm possibilidade de garantir”, lamentou à Alive FM.

ao propor “contratos de quatro meses que não dão garantia de estabilidade”, o Centro Hospitalar Tondela Viseu (CHTV) não consegue atrair enfermeiros

O dirigente sindical chamou também a atenção para que, tal como acontece noutros hospitais, ao propor “contratos de quatro meses que não dão garantia de estabilidade”, o Centro Hospitalar Tondela Viseu (CHTV) não consegue atrair enfermeiros. Criticando o Governo por “não resolver os problemas dos enfermeiros que já vêm de trás” e que agora se adensam com o impacto da pandemia.

Para o SEP, de acordo com a notícia, neste momento, a melhor forma de reconhecer o trabalho dos profissionais de enfermagem “é pela via da avaliação de desempenho, atribuindo a classificação de relevante a todos os profissionais de saúde e, assim, reconhecendo todos de forma igual, sem discriminação”.

As preocupações do Sindicato do Enfermeiros Portugueses incluem ainda o receio de que os profissionais de enfermagem que emigraram dificilmente regressarão a Portugal para ajudar no combate ao coronavírus, uma vez que as condições dos contratos oferecidos, a termo incerto, não são atrativos.

O dirigente sindical explicou à Alive FM que os enfermeiros vêm com data de entrada, mas sem data de saída. “O que é garantido é que mais dia, menos dia, vão embora quando não forem necessários e isto não é um contrato que qualquer pessoa, seja profissional de saúde ou outra, deixe uma garantia por uma coisa que é incerta”.

Artigo publicado em Interior do Avesso

Termos relacionados #SomosTodosSNS, Sociedade
(...)