Está aqui

Enfermeiros do Algarve fazem greve dia 24

Os incumprimentos do compromisso assinado com a ARS e o Centro Hospitalar Universitário do Algarve sobre descongelamento de progressões vão levar os enfermeiros a fazer greve a 24 de janeiro.
CHUA Faro
Hospital de Faro. Foto do Centro Hospitalar Universitário do Algarve

“Os enfermeiros do Algarve não podem permitir que os responsáveis das instituições assinem acordos pré-eleitorais e depois não os cumpram pós-eleições, sobretudo quando não há nenhum elemento novo que justifique o não cumprimento”, afirma o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses.

Os enfermeiros exigem o pagamento de 100% do descongelamento da progressão, a harmonização das condições de trabalho para enfermeiros com diferentes tipos de contrato, a transição de todos os que têm título de especialista para a categoria de especialista da nova careira, entre outras reivindicações.

“Há enfermeiros que há 18 anos não têm qualquer progressão e as instituições, ao não concretizarem estes compromissos, significa que os enfermeiros vão continuar com o salário que têm neste momento”, afirmou Nuno Manjua, dirigente regional do SEP, em conferência de imprensa.

O acordo entre enfermeiros e a ARS para dar resposta a estas reivindicações foi assinado em setembro e no caso do CHUA em fevereiro, com o objetivo de serem cumpridos por inteiro até ao fim do ano passado, o que não aconteceu. Os enfermeiros lembram que a greve de dois dias marcada para o final de setembro, em plena campanha eleitoral para as legislativas, foi desconfiada “por confiarem que os dirigentes máximos das instituições cumpririam com a sua palavra”.

“Para piorar o quadro, no mês de dezembro, as instituições não procederam ao pagamento dos últimos 25% do faseamento do descongelamento da progressão a muitos enfermeiros”, adianta a delegação algarvia do SEP na nota de imprensa.

Os enfermeiros admitem tomar novas formas de luta já em fevereiro, “que poderão passar por mais dias de greve”.

 

Termos relacionados Sociedade
(...)