Está aqui

“É uma urgência de justiça acabar com o corte do fator de sustentabilidade nas pensões”

Catarina Martins defendeu neste sábado que o corte do fator de sustentabilidade nas pensões é uma prioridade e “uma urgência de justiça e respeito para com quem trabalha”, destacando os casos das longas carreiras contributivas, das profissões de desgaste rápido e dos trabalhadores por turnos.
Catarina Martins esteve em Arcozelo, Penafiel, no piquenique dos trabalhadores das pedreiras - Foto de Paula Nunes
Catarina Martins esteve em Arcozelo, Penafiel, no piquenique dos trabalhadores das pedreiras - Foto de Paula Nunes

A coordenadora do Bloco de Esquerda, juntamente com o deputado José Soeiro, esteve neste sábado em Perozelo, Penafiel, num piquenique com os trabalhadores das pedreiras, para a qual foi convidada pela associação socio-profissional destes trabalhadores.

“Dos momentos mais importantes desta legislatura, para mim, foi a reunião que eu tive aqui com os trabalhadores das pedreiras”, destacou Catarina Martins, realçando as longas carreiras contributivas, lembrando “os problemas graves de saúde e as grandes dificuldades respiratórias”.

“Debatemos as longas carreiras contributivas, também graças a estes homens, que deram a cara e deram a luta para conseguir uma legislação mais justa”, salientou, contando que “depois, fez-se outro caminho para se consagrar que trabalhar nas pedreiras é um trabalho de desgaste rápido”.

“E conseguimos que fosse consagrado que é uma profissão de desgaste rápido, para poderem reformar-se mais cedo, precisamente por esta ser uma profissão tão dura e que cria tantos problemas a estes trabalhadores”, sublinhou Catarina Martins, lamentando no entanto que o governo tivesse acabado por incluir o corte do fator de sustentabilidade nas reformas.

“Para nós, é uma urgência de justiça acabar com o corte do fator de sustentabilidade nas pensões. Gente que trabalhou toda uma vida, a quem o Estado reconhece que tem idade para se reformar, vai ainda penalizar com um corte de fator de sustentabilidade”, criticou a coordenadora bloquista, considerando que “não tem nenhum sentido” e apontando:

“Respeitar quem trabalha, quem constrói o país, exige acabar com o corte do fator de sustentabilidade e essa é uma das principais prioridades do Bloco de Esquerda”.

“Defendemos o caminho para que aos 60 anos de idade com 40 anos de carreira contributiva as pessoas tenham acesso à reforma e portanto não tenham cortes”, reafirmou Catarina Martins, salientando que o Bloco defende também que nas profissões de desgaste rápido possa haver acesso à reforma um pouco mais cedo, “um pouco antes por causa das condições particularmente violentas e das questões de saúde que elas levantam”. “No caso do desgaste rápido não pode haver corte do fator de sustentabilidade”, realçou.

Catarina Martins apontou ainda o caso do trabalho por turnos, “cujo trabalho é muito penalizador para a sua saúde”. “O Bloco propôs que tivessem reforma um pouco mais cedo e sem o corte do fator de sustentabilidade e não passou [no parlamento]”, lamentou a coordenadora bloquista, sublinhando que há mais de 700 mil pessoas a trabalhar por turnos, que “têm a dificuldade da conciliação da vida familiar, que não têm um sono regular, que têm todas as questões da saúde”.

“Cortar o fator de sustentabilidade nas pensões é uma prioridade”, frisou ainda Catarina Martins.

Termos relacionados Legislativas 2019, Política
(...)