Está aqui

Classe social e desigualdade no século XXI na Grã-Bretanha: a relevância de Karl Marx hoje

Neste resumo da sua intervenção na Conferência dos 200 anos de Karl Marx, a 24 e 25 de março, Andrew Miles fala sobre a relevância do pensamento de Karl Marx para a compreensão da mudança social e política contemporânea.
Andrew Miles, professor na Universidade de Manchester. Imagem do trailer do filme Understanding Everyday Participation.

O meu discurso baseia-se num programa de investigação chamado Great British Class Survey (GBCS) e no trabalho de uma grande equipa de pessoas que estavam envolvidas no projeto. Na minha apresentação, irei mostrar de que forma os resultados da pesquisa da GBCS mostram a relevância do pensamento de Karl Marx para a compreensão da mudança social e política contemporânea, incluindo as crescentes desigualdades e o voto recente pela saída do Reino Unido da Comunidade Europeia.

Após um período de 20 anos desde a década de 1980, durante o qual políticos e académicos questionaram a importância da classe social, as contradições e as tensões do capitalismo do século XXI passaram a ser muito discutidas. No entanto, para entendermos o significado da classe para os nossos tempos, temos de ir além das abordagens estáticas e redutoras das classes que ainda existem na sociologia e redescobrir as suas dinâmicas históricas, culturais e políticas.

Aqui, como Mike Savage argumentou recentemente, precisamos de repensar a classe como uma força ativa produzida por processos temporários de acumulação de capital. Isto, por sua vez, reconecta-nos a Karl Marx enquanto pensador histórico-político e à sua influência em relatos mais contemporâneos de formação de classes, capital e herança e formação no trabalho de E. P. Thompson, Pierre Bourdieu e Thomas Piketty.

O projeto GBCS baseou-se numa investigação na web feita em colaboração com a emissora estatal do Reino Unido, a BBC, que foi publicada em janeiro de 2011, gerando 161 mil respostas iniciais. A primeira publicação de resultados, por sua vez, gerou uma enorme reação dos mídia e um grande interesse público. A investigação baseou-se numa abordagem multidimensional de “capitais”, em vez de apenas ocupação ou renda. A análise dos dados resultantes identificou um novo sistema de sete classes.

A principal característica deste sistema é a divisão fundamental entre uma elite rica – com níveis muito altos de capital económico, social e cultural – e o resto. Concentrada espacialmente em Londres, esta elite tem acesso superior ao ensino privado, conexões fortes às universidades tradicionais e prestigiadas, e é capaz de exercer altas taxas de auto-recrutamento, entre gerações, em empregos “superiores”.

O poder do modelo GBCS é corroborado pelo sentimento anti-elite dos grupos de classe média e “esquerdista” no Reino Unido que votaram pela saída da União Europeia no referendo do Brexit. Aqui, as forças libertadas pela “história acumulada” mobilizaram uma reação política populista, com as pessoas a voltarem-se para a “nação” em oposição a uma classe de elite global. Tal configuração sugere uma base promissora para a renovação das perspetivas marxistas sobre a relação entre desigualdade, tempo e poder.

Andrew Miles é Professor de Sociologia na Universidade de Manchester.

Termos relacionados 200 anos de Karl Marx, Cultura
(...)