Está aqui

Catalunha: adiamento da investidura divide maioria pró-independência

A decisão do presidente do parlamento não foi bem aceite pelo partido de Puigdemont, que viu revelada uma mensagem SMS em que assume a derrota do seu plano.
Manifestação perto do parlamento catalão esta terça-feira. Foto Assembleia Nacional Catalã/Twitter

“O plano da Moncloa triunfa, só espero que seja verdade e que assim possam sair todos da prisão. Porque senão, o ridículo histórico é histórico…”, disse Puigdemont ao deputado da ERC Toni Comín por mensagem telefónica. O conteúdo dos sms acabou por vir a público através do canal Tele 5, que filmou o deputado a consultar o seu telemóvel após ser conhecida a decisão do presidente do parlamento, também da ERC, de adiar a sessão da investidura.

Nesta sessão, os deputados da lista de Puigdemont (JxCat) pretendiam investir o ex-governante exilado na Bélgica na liderança do novo governo, delegando a sua intervenção noutro parlamentar da mesma bancada. Tratava-se de um desafio ao Tribunal Constitucional, que apenas admitia a investidura se Puigdemont estivesse presente no parlamento e com autorização de um juiz.

A decisão do presidente do parlamento, Roger Torrent, desagradou à bancada dos JxCat e mostrou o descontentamento da ERC pela forma como o processo de formação do novo governo está a decorrer. Segundo o El Periodico, os republicanos queixam-se de que não existe nenhuma preparação para o cenário de novo bloqueio judicial à tomada de posse do governo e nem sequer acordo sobre a composição do governo. O facto de Puigdemont não ter entregue à bancada da ERC uma cópia do seu discurso também foi mal recebida, até pelas implicações legais que ele teria para os deputados que já estão na prisão.

Ler também: Rajoy recorre ao TC para impedir investidura de Puigdemont

Fora do parlamento, milhares de manifestantes, muitos dos quais envergando máscaras com a cara de Puigdemont, preparavam-se para testemunhar mais um desafio dos deputados às ordens dos tribunais espanhóis. Mas tal como no dia em que foi aprovada - e logo suspensa - a decisão de criar a república catalã, o adiamento da sessão deixou muitos descontentes. Alguns manifestantes furaram o cordão policial e chegou a haver alguns confrontos com a polícia.

O clima político é de incerteza quanto aos próximos passos do processo independentista. Esta quarta-feira, o vice-presidente da Assembleia Nacional Catalã reúne com os líderes dos três partidos que compõem a maioria (JxCat, ERC e CUP). O líder parlamentar do JxCat já reafirmou a sua confiança em Puigdemont, apesar do efeito político da divulgação dos seus SMS em que também dizia ter sido “sacrificado” pelos seus apoiantes. O ex-governante já veio reconhecer ter tido “momentos de dúvida” mas afirma manter a mesma determinação de sempre na estratégia delineada após as eleições.

 

Termos relacionados Catalunha, Internacional
(...)