Está aqui

Caetano Veloso e Chico Buarque apoiam Boulos em São Paulo

Cantores, atrizes e atores, juntamente com mais de 250 artistas e intelectuais, vários tradicionalmente apoiantes do PT, lançaram um manifesto de apoio à candidatura a São Paulo, pelo PSOL, do líder dos sem-teto Guilherme Boulos e da ex-prefeita Luiza Erundina.
Luiza Erundina e Guilherme Boulos, candidatos à prefeitura de São Paulo pelo PSOL. Foto do site do partido.
Luiza Erundina e Guilherme Boulos, candidatos à prefeitura de São Paulo pelo PSOL. Foto do site do partido.

Intitulado “São Paulo precisa de Boulos e Erundina”, o manifesto foi lançado esta quinta-feira e junta nomes de peso da cultura, das artes e da política brasileira. São cerca de 250 figuras, várias delas pertencendo à esfera de apoiantes tradicionais do Partido dos Trabalhadores.

Os signatários expressam assim apoio à candidatura à Prefeitura de São Paulo do PSOL, protagonizada por Guilherme Boulos, ex-candidato presidencial e líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, e por Luiza Erundina, deputada e que chegou a ser, por um mandato, prefeita da cidade pelo PT.

Para além de Chico Buarque e Caetano Veloso, os músicos Arnaldo Antunes, Maria Gadú, Teresa Cristina, Tom Zé, Zélia Duncan e José Miguel Wisnik também estão na lista.

Atores e atrizes como José de Abreu, Wagner Moura, Camila Pitanga, Marieta Severo, Sónia Braga e Maria Fernanda Cândido e realizadores como Fernando Meirelles e Petra Costa igualmente assinaram.

E artistas como a ilustradora Laerte Coutinho, o escritor Luis Fernando Verissimo e Ferréz, o fotógrafo Bob Wolfenson juntam da mesma forma a sua voz. A eles se juntam ainda nomes da academia como o antropólogo Luiz Eduardo Soares, o filósofo Vladimir Safatle e o economista Eduardo Moreira. O nome de Boaventura Sousa Santos também está incluído.

Para além destes há outros nomes que cruzam o mundo da cultura com participações em cargos políticos. A filósofa Marilena Chaui é uma delas. O seu apoio não será surpresa porque pertenceu ao executivo de São Paulo junto com Erundina, ocupando a pasta da Cultura de um governo municipal que chegou a contar com Paulo Freire como secretário da Educação. O mesmo se pode dizer da urbanista Raquel Rolnik que foi então coordenadora do Plano Diretor.

Há também ex-governantes do PT que apoiam a candidatura de Boulos como Renato Janine Ribeiro, ministro da Educação no governo de Dilma Rousseff, ou André Singer, porta-voz da Presidência no governo de Lula da Silva.

Este apoio amplo isola ainda mais o candidato do PT, Jilmar Tatto, ex-deputado federal que tinha sido escolhido em primárias internas e que ainda não tem um candidato a vice-prefeito para completar a candidatura. Conta com o apoio do aparelho partidário e do ex-candidato presidencial Fernando Haddad.

Boulos, numa entrevista à Folha de São Paulo publicada ainda antes de ter saído este manifesto, dizia que “qualquer apoio que venha de pessoas que concordem com o nosso projeto evidentemente é bem-vindo”.

O manifesto em causa considera que "em São Paulo, a maior cidade do país, temos o desafio de derrotar o projeto autoritário de Bolsonaro e o projeto elitista dos tucanos, que relega os territórios populares ao esquecimento". O prefeito atual da cidade é Bruno Covas do PSDB, neto de outro prefeito e fundador deste partido.

Sendo o governo de Bolsonaro “um momento sombrio, com a “aliança perversa entre a extrema-direita e o neoliberalismo”, a candidatura do PSOL é uma oportunidade de “voltar a sonhar”, através do “encontro entre a sabedoria e a esperança para atravessar o abismo”.

Termos relacionados Internacional
(...)