Está aqui

Bloco quer limitar impactos do Terminal de Cruzeiros no ambiente e saúde de Lisboa

A proposta vai a reunião do executivo municipal e prevê que já a partir de 2021 sejam proibidos os navios cruzeiro que não tenham transitado para energias limpas.
Navio de cruzeiro em Lisboa
Navio de cruzeiro em Lisboa. Foto Gary Bembridge/Flickr

O vereador do Bloco de Esquerda em Lisboa apresentou esta sexta-feira seis propostas que irá levar a reunião de Câmara para limitar o impacto do Terminal de Cruzeiros no ambiente e na saúde de quem vive em Lisboa.

As propostas serão debatidas ainda este mês e resultam dos dados divulgados sobre o efeito poluente dos navios. No nosso país, as emissões de dióxido de carbono dos navios que chegam e partem superam as do tráfego rodoviário das oito cidades portuguesas com mais automóveis registados: Lisboa, Sintra, Cascais, Loures, Porto, Gaia, Matosinhos e Braga. Os dados são da Federação Europeia dos Transportes e Ambiente e colocavam Portugal na quinta posição dos países europeus com maiores emissões associadas ao transporte marítimo de combustíveis fósseis em 2017.

Para além disso, “o elevado número de embarcações a atracar em Lisboa significa também um elevado número de emissões poluentes com largas quantidades de dióxido de enxofre e de óxidos de azoto, partículas finas e ultrafinas, entre outros poluentes”, refere a justificação da proposta do Bloco.

Apesar destes números serem preocupantes, não se conhecem estudos sobre o impacto da operação naval no ambiente e saúde dos lisboetas. Essa é uma das seis propostas que o vereador Manuel Grilo vai levar à reunião de Câmara. O Bloco quer também incluir no plano de ação climático da cidade de Lisboa “medidas que reduzam efetivamente a poluição da atividade do Terminal de Cruzeiros de Lisboa e da atividade comercial marítima no Rio Tejo”.

A zona do Terminal de Cruzeiros deve também passar a ser incluída no sistema de medição de emissões atmosféricas da cidade, “tornando pública e em tempo real a monitorização dos níveis de poluição, nomeadamente no site da Câmara Municipal de Lisboa e em painéis em locais públicos”, propõe o vereador bloquista.

Para minimizar os danos ambientais provocados por estas embarcações, Manuel Grilo propõe também que já a partir de 2021 sejam proibidos navios cruzeiro “que não tenham transitado para energias mais limpas e sustentáveis”. E quer que o município articule com a Administração do Porto de Lisboa a criação de infraestruturas para possibilitar o fornecimento de eletricidade aos navios no Terminal.

Outra das propostas do vereador do Bloco é que o financiamento das medidas de saúde pública a adotar sob indicação das entidades de saúde em Lisboa seja suportado pela taxa turística, através do Fundo de Desenvolvimento Turístico de Lisboa.

Termos relacionados Ambiente
(...)