Está aqui

Amas exigem regulamentação da sua carreira

Dezenas de Amas da Segurança Social concentraram-se em frente ao Ministério do Trabalho para exigir uma carreira própria. Trabalhadoras a recibos verdes, e com salários baixos, estas profissionais lançaram uma petição para que a regulamentação da sua atividade seja discutida no Parlamento.
Foto de esquerda.net

Dezenas de amas da Segurança Social concentraram-se esta sexta-feira frente ao Ministério do Trabalho, em Lisboa, onde exigiram a regulamentação da carreira destas profissionais.

As amas da Segurança Social asseguram o cuidado de crianças há décadas, mas sem o devido reconhecimento laboral. A maioria são trabalhadoras a recibos verdes, com horários de trabalho alargado, e com salários baixos. O protesto pela foi convocado pela Associação dos Profissionais do Regime de Amas (APRA) e pelo Sindicato dos Trabalhadores da Saúde, Solidariedade e Segurança Social (STSSSS).

Depois de vários anos de luta, algumas amas foram integradas no Estado, no âmbito do PREVPAP, mas estas esperam ainda o reconhecimento da sua carreira. As amas que não foram integradas continuam a trabalhar de forma precária, através de recibos verdes.

O protesto de hoje foi marcado para o Ministério do Trabalho com o objetivo de serem recebidas pela Ministra. No entanto, a reunião foi antecipada para o dia anterior, quinta-feira.

Nessa reunião, onde estiveram presentes representantes da APRA, e do STSSSS, assim como a Secretária de Estado da Segurança Social, Rita da Cunha Mendes, a representante do Governo afirmou que “as amas são para continuar”, mas sobre a sua regularização apenas demonstrou disponibilidade para “sensibilizar” as várias instituições de solidariedade social para integrar profissionalmente estas profissionais.  

Durante o protesto desta sexta-feira, as profissionais presentes frente ao Ministério do Trabalho lançaram uma petição dirigida ao Presidente da Assembleia da República onde exigem que a regulamentação da sua atividade seja discutida no Parlamento.

Termos relacionados Sociedade
(...)