Está aqui

Alemanha anuncia “restrições massivas” ao glifosato

A ministra alemã da Agricultura, Julia Kloeckner, anunciou na terça-feira, 17 de abril, que está preparar um regulamento para suspender o uso de glifosato nas hortas, parques e instalações desportivas do país e para introduzir "restrições massivas" no que respeita à sua utilização na agricultura.

De acordo com Kloeckner, este é um primeiro passo “na estratégia para minimizar a utilização de glifosato".

Em fevereiro, o novo governo de coligação alemão comprometeu-se com uma "estratégia de minimização sistemática" do glifosato, "com o objetivo de, fundamentalmente, acabar com a sua utilização o mais rapidamente possível". A estratégia não incluiu um cronograma.

A atual ministra do Meio Ambiente alemã, Svenja Schulze, saudou a proposta de Kloeckner: "Precisamos de abandonar por completo o glifosato durante este mandato legislativo. O glifosato mata tudo o que é verde, privando os insetos da sua fonte de alimento", afirmou.

Em novembro de 2017, o voto da Alemanha foi decisivo para dar maioria qualificada ao prolongamento do uso do glifosato por mais cinco anos na União Europeia. Mas o então ministro da Agricultura, Christian Schmidt, do partido CSU, tinha instruções de Berlim para se abster na votação, tendo desobedecido à indicação de voto.

O glifosato, o ingrediente ativo da Monsanto Roundup, é o herbicida mais vendido do mundo. Na Alemanha, cerca de 40% das terras cultivadas são tratadas com o glifosato, que está no centro das controvérsias internacionais desde 2015, quando a Agência Internacional para a Investigação do Cancro da Organização Mundial de Saúde classificou-o como "provavelmente cancerígena".

 

Termos relacionados Internacional
(...)