You are here

Preço da fruta disparou 20% em altura de pandemia

A covid-19 tem feito aumentar preços de alguns produtos alimentares, nomeadamente os frescos. Isto apesar da inflação em outubro continuar em terreno negativo.
Venda de fruta. Foto de Paulete Matos.
Venda de fruta. Foto de Paulete Matos.

Desde o início da implementação das medidas de combate à pandemia, em março, o preço da fruta subiu 19,8%, de acordo com cálculos do Jornal de Notícias/Dinheiro Vivo. As contas foram baseadas nos dados do índice de preços no consumidor de outubro elaborado pelo Instituto Nacional de Estatística.

Estes órgãos de comunicação social questionaram o INE sobre esta variação, tendo o organismo responsável pela elaboração das estatísticas esclarecido que “devido à sazonalidade existente nos preços da fruta é habitual o Índice de Preços no Consumidor desta categoria ser superior em outubro face a fevereiro/março. Contudo, em 2020 verificou-se um aumento mais forte que nos anos anteriores."

Também o aumento de preços, apesar de ser generalizado na categoria das frutas, não é igual em todas elas. O INE acrescenta que os “aumentos mais significativos” ocorreram nos citrinos, “em todas as regiões do país”. Comparado com o mesmo mês do ano passado, o aumento é de 16,4%.

Os produtos alimentares não transformados, como os frescos, também registaram uma variação homóloga de 4,5% em outubro. A subida relativamente ao período anterior à chegada da Covid-19 foi 2,6%.

Estas subidas de preços não são suficientes para aumentar a inflação em geral. Esta continua negativa. O mesmo índice assinala uma variação homóloga de -0,1%.

Termos relacionados Sociedade
(...)