Está aqui

As várias gerações de criptomoedas e a sua utilização

Atualmente existem dezenas de milhares de criptomoedas que qualquer pessoa pode adquirir, ou criar, através do seu telemóvel. Destas, alguns milhares estão disponíveis em mercados especulativos, algumas centenas têm utilidade teórica e algumas dezenas ou menos têm utilização comprovada.
Da Bitcoin à Ethereum, Ripple à Hashgraph, os saltos tecnológicos de cada uma das gerações de criptomoedas já lhes garantiu uma relevância própria. Foto via Bermix Studio, Unsplash.com.
Da Bitcoin à Ethereum, Ripple à Hashgraph, os saltos tecnológicos de cada uma das gerações de criptomoedas já lhes garantiu uma relevância própria. Foto via Bermix Studio, Unsplash.com.

Podem distinguir-se já várias gerações de criptomoedas, cada uma com novas tecnologias. Se Bitcoin popularizou a blockchain, Ethereum introduziu uma função inacessível a Bitcoin: smart contracts. Esta tecnologia funciona com base em blockchain mas permite a realização de operações complexas quando as condições pré-determinadas no contrato são alcançadas, sem a necessidade de autoridade externa que garanta ou imponha o cumprimento do contrato e sem qualquer possibilidade de alterar ou eliminar o contrato (porque está registado em blockchain). E isso pode incluir operações tão simples como ordens de mercado ou, teoricamente, operações que exigem advogados como a gestão de heranças.

Esta função transformou a Ethereum na rede mais popular com base na qual milhares de outras criptomoedas foram construídas, criando novamente um problema de capacidade e limites de transações nesta blockchain que lançam os custos para níveis proibitivos para os utilizadores de pequena dimensão.

Em julho de 2021, foram registadas 1,1 milhões de transações num único dia, com preços por transação (Gas fees) que chegaram a uma média de 400 dólares por transação. Um utilizador que tivesse hipoteticamente comprado 100 dólares de uma criptomoeda na rede Ethereum numa altura de fraca especulação (e taxas baixas) e tivesse depois realizado ganhos de 400% (totalizando 400 dólares), perderia tudo se tentasse converter nesse momento a criptomoeda em moeda fiduciária.

A razão para estes níveis de taxas prende-se com a própria natureza do mecanismo de consenso da Ethereum, que funciona num mecanismo proof of work semelhante a Bitcoin. Como já descrevemos, é um mecanismo espantosamente ineficiente e, teoricamente, sujeito a possíveis ataques maliciosos. Mas existem outras tecnologias já no terreno que ultrapassam estes problemas.

Ripple e Hedera, as ledgers de bancos e empresas

A blockchain da Ripple funciona simultaneamente como criptomoeda (XRP) e como rede de pagamentos digitais para transações financeiras. Ao contrário de Bitcoin ou Ethereum, o seu objetivo de origem foi ser uma alternativa à rede SWIFT, que atualmente domina as transações interbancárias a nível internacional, criando um sistema cujo mecanismo de consenso opera nos servidores das próprias instituições bancárias e que lhes permite realizar operações de enorme volume em poucos segundos.

Qualquer pessoa que já tenha transferido dinheiro entre fronteiras recorrendo ao SWIFT sabe o tempo que demora a que a transação seja confirmada entre as instituições bancárias. XRP resolve o problema com transações comparativamente instantâneas e com custos de transação de milésimas de cêntimos.

Hedera Hashgraph recorre ainda a outro método. Ao invés de uma blockchain no sentido clássico definido pela Bitcoin, a Hedera funciona com base num algoritmo de consenso que funciona ordenando transações através de timestamps registadas num registo público descentralizado [Distributed Ledger].

DLT são sistemas onde grupos de computadores vão partilhar algum tipo de informação e nenhum agente do grupo confia noutro agente para não falsear informação, mentir ou tentar impedir consenso. Mas confiam no grupo como um todo partindo do princípio de que não haverá matematicamente demasiados maus agentes no grupo. Ao contrário da Bitcoin e outras blockchain, a DLT da Hashgraph foi construída com novas tecnologias e garantias de descentralização publicamente verificáveis.

Se na maioria das blockchain cada transação é registada e introduzida num bloco que estrutura a cadeia do registo de informação, a Hashgraph não obriga à introdução da transação no bloco e posterior consensualização em toda a rede, mas antes simplifica o processo criando timestamps que funcionam como peças de encaixe únicas, que consensualizam exclusivamente com o que vem antes e depois.

O resultado é drástico. Ao invés de 3 transações por segundo com Bitcoin ou uma dúzia com Ethereum, Hashgraph garante centenas de milhares de transações consensualizadas por segundo. E garante isso com uma latência praticamente nula entre a realização da transação e a emissão de prova criptográfica que o utilizador possa apresentar como prova.

Esta diferença tecnológica é o que lhe permite apresentar custos para o utilizador e recursos de energia de níveis tão baixos que nem a XRP rivaliza. Ou seja, será a primeira tecnologia de Distributed Ledgers que poderá ser adoptada de forma útil pelo “mundo real”.

Algumas indústrias nos EUA já adotaram a tecnologia como a base do seu funcionamento, como a indústria de cupões comerciais. Com cerca de 1,7 biliões de cupões redimidos por ano, a indústria até recentemente funcionava com base nos códigos de barras, obrigando a uma extensa infraestrutura interna a cada empresa, com graus de erro elevados e interoperabilidade reduzida. Agora, todos os cupões são emitidos através da Hashgraph que, por ser um registo público (DLT), garante que a informação do cupão é sempre rastreável e consensualizada com a sua emissão original. Esta função de rastreamento de confiança foi o que levou a indústria farmacêutica a adotar o sistema no processo de distribuição de vacinas da covid-19, por exemplo.

Quer isto dizer que sejam quais forem as criptomoedas que marquem os mercados especulativos, a tecnologia que lhes subjaz veio para ficar e a sua utilização será provavelmente tão estrutural ao sistema económico quanto a própria internet dentro de poucos anos.

(...)

Neste dossier:

Criptomoedas: Do autoritarismo libertário à privatização da moeda

Entre a vertigem especulativa e um mundo descentralizado, a ausência de regulação onde todo o mundo é uma offshore e regressões sociais e anti-democráticas, as tecnologias blockchain e distributed ledgers vieram para ficar. Dossier organizado por Tiago Ivo Cruz.

Moedas digitais centralizadas

Bancos Centrais por todo o mundo discutem a criação de moedas digitais nacionais, que possam competir com a crescente popularidade das criptomoedas e substituir o uso físico de dinheiro. A urgência em adaptar o sistema monetário à mais recente inovação do sistema financeiro poderá aumentar ainda mais o poder dos interesses privados na esfera pública. Artigo de Izaura Solipa.

Protesto que juntou centenas de milhares de trabalhadores e pensionistas contra a imposição de Bitcoin em El Salvador. Foto de Rodrigo Sura via EFE/EPA/Lusa.

El Salvador, o autoritarismo Bitcoin ou o neoliberalismo revisitado

Os defensores de um sistema financeiro livre da intromissão governamental através de criptomoedas têm em El Salvador o primeiro teste de algodão. E ele está sujo.

Portugal é uma offshore de criptomoedas

Em entrevista ao Esquerda.net, Mariana Mortágua considera que as criptomoedas devem ser antes consideradas criptoativos, instrumentos especulativos que devem ser regulados como tal. E alerta para a sua utilização como meios de crime financeiro ou fuga fiscal em Portugal.

Imagem do cruzeiro Pacific Dawn, renomeado Satoshi em honra do fundador da Bitcoin. Foto via site da Viva Vivas.

A viagem do cruzeiro Satoshi

Como melhor definir um libertário? São o equivalente a um gato: absolutamente convencidos da sua independência e absolutamente dependentes de um sistema que não apreciam nem compreendem. A viagem do Satoshi parece dar vida à metáfora.

Um dos paradoxos deste setor é que a popularidade da Bitcoin está em relação inversa com a sua utilidade ou eficácia operativa.

Da vertigem especulativa a um mundo descentralizado

Atualmente com um valor nocional de cerca de 3 biliões de dólares, o mercado de criptomoedas está dominado por Bitcoins, mas esta está longe de ser o seu futuro e nem a especulação financeira define a sua razão de ser. Com um potencial anti-democrático explosivo, a tecnologia veio para ficar e é bom percebermos porquê.

Da Bitcoin à Ethereum, Ripple à Hashgraph, os saltos tecnológicos de cada uma das gerações de criptomoedas já lhes garantiu uma relevância própria. Foto via Bermix Studio, Unsplash.com.

As várias gerações de criptomoedas e a sua utilização

Atualmente existem dezenas de milhares de criptomoedas que qualquer pessoa pode adquirir, ou criar, através do seu telemóvel. Destas, alguns milhares estão disponíveis em mercados especulativos, algumas centenas têm utilidade teórica e algumas dezenas ou menos têm utilização comprovada.

Bitcoin, a alta da moeda falsa

No início deste ano, o conjunto das criptomoedas atingiu a valorização de um bilião de dólares, ganhando 130 mil milhões de dólares num só dia e tendo passado a ser, no seu conjunto, a quinta moeda de maior circulação no mundo. Artigo de Francisco Louçã.

Lobbying nos EUA revela os interesses atrás das criptomoedas

O crescente peso de lobbying em torno das criptomoedas tem levado à introdução de propostas regulatórias definidas em grande parte pela própria indústria. Os avultados lucros gerados em torno das criptomoedas e o retorno esperado de um setor desregulado e em crescimento não prometem alterar esta tendência. Artigo de Izaura Solipa.

Imagem de São Francisco Xavier, séc. XVII. Propriedade da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, que lançou uma série de 125000 NFTs com representações digitais da peça por 200€ cada.

NFT:Como reduzir a Arte ao talão de compra

O tema dos NFT irrompeu pelo discurso mediático e, pelo meio dos anglicismos ciber-místicos (blockchains, tokens, Ethereum, drops, Tezos, gas fees), é um grande desafio conseguir compreender o que está em jogo. Neste texto começamos por uma articulação não técnica sobre o que são e não são os NFT, para depois articular o hype à sua volta e a sua eventual utilidade para as artes e a sociedade. Artigo de Ricardo Lafuente.

Proíbam a libra

O capitalismo puro não quer só privatizar os bens públicos, quer dirigir os sonhos individuais. Zuckerberg é o que está mais próximo da distopia de criar um mercado total. Artigo de Francisco Louçã.

Se a Bitcoin é suposto ser adotada livremente, porque razão se tornou obrigatória em El Salvador?

Em El Salvador, a liberdade foi entregue a uma empresa

O sistema financeiro de El Salvador foi praticamente entregue a uma empresa privada, controlada indiretamente por Bukele, que adquiriu Bitcoin através de fundos públicos, e cuja carteira digital estão todos obrigados a utilizar sem, de facto, poderem transferir as suas moedas para fora do sistema controlado pela empresa.

O Presidente de El Salvador apresenta o projeto de transformar o país numa offshore para criptomoedas. Foto de Rodrigo Sura, via EFE/EPA/Lusa.

Liberais liberais, negócios à parte

Hidroelétricas de capitais públicos, empresas privadas sem capitais privados, administradores nomeados por Bukele e centenas de milhões de dólares em fundos públicos de El Salvador utilizados para comprar Bitcoin. A quem pertence e quem administra a Chivo? E quem detém as Bitcoin compradas com dinheiro público?