Está aqui

Televisão Digital Terrestre, um fracasso português

Portugal é o país com menor oferta de canais na Televisão Digital Terrestre. A entrega do serviço à então PT Comunicações (hoje Altice/Meo), mais interessada no serviço por cabo, tornou o atraso português inevitável.
Zeinal Bava em 2012 na cerimónia de desligamento do último emissor de sinal analógica de televisão, em Palmela. Foto de José Sena Goulão.
Zeinal Bava em 2012 na cerimónia de desligamento do último emissor de sinal analógica de televisão, em Palmela. Foto de José Sena Goulão.

A mudança do sinal analógico para a Televisão Digital Terrestre foi um processo conduzido pelo então Ministro dos Assuntos Parlamentares de José Sócrates, Augusto Santos Silva. Se a vantagem tecnológica era inegável, preenchendo horas de propaganda do governo, a sua concretização parece ter sido desenhada para falhar.

A deliberação da ANACOM atribuiu à PT Comunicações o direito a utilizar frequências para o serviço de TDT, destinado a: a) transmissão dos canais RTP1, RTP2, SIC e TVI em Portugal continental, e RTP Açores e Madeira nas respetivas regiões autónomas; b) transmissão de um novo canal a licenciar ao abrigo do disposto na Lei da Televisão e; c) transmissão, em alta definição e de modo não simultâneo até ao termo das emissões analógicas, de elementos da programação de todos os serviços de programa e do 5º canal referido na alínea anterior.

Tal como a ERC deixou claro no seu Parecer n.º 2/2012, “a decisão política subjacente à concreta estruturação do modelo preconizado para a introdução da TDT em Portugal não se mostrava especialmente ambiciosa no tocante à oferta gratuita de ‘canais’ televisivos”. Ou seja, o modelo free to air não garantia, ao contrário do que sucedera em Espanha e no Reino Unido (após a constatação do insucesso do modelo a pagamento antes implementado), uma oferta gratuita suficientemente atrativa para estimular a transição para a TDT.

Ao mesmo tempo, após ter vencido o concurso público de 2008 para a operação Pay TV da TDT (que lhe entregou simultaneamente a exploração do sinal bem como a distribuição de serviços de programas de televisão), conseguindo afastar a candidatura da empresa Airplus, a então PT Comunicações viria a desistir, 6 meses mais tarde, de tal operação, alegando entre outros fatores, “a elevada probabilidade de as licenças não poderem ser emitidas num futuro próximo em virtude do contencioso judicial desencadeado pela Airplus, os desenvolvimentos entretanto ocorridos no mercado da televisão por subscrição (no qual começava a ganhar expressão o seu serviço MEO, iniciado em finais de 2008), a crise económica e financeira, a maior possibilidade de desenvolvimento de emissões em HD no Mux A que o cancelamento da licença permitiria”.

Esta desistência foi possível porque a ANACOM aceitou a revogação da licença para exploração das frequências. Desde então, e ao contrário do extraordinário investimento na diversificação de programas nos serviços por cabo, o processo da TDT não conheceu praticamente qualquer desenvolvimento, com exceção da disponibilização em aberto do chamado Canal Parlamento, e da introdução de mais dois canais de serviço público - a RTP Informação e RTP Memória -, por força de iniciativa legislativa do Bloco de Esquerda, já em 2016. Deste modo, de entre 35 países europeus, Portugal continua com a oferta de TDT mais pobre em número de serviços de programas.

Não se compreende, no atual estágio da evolução tecnológica, o subaproveitamento da capacidade do espetro radioelétrico para disponibilizar conteúdos de comunicação social à generalidade da população, em prejuízo do interesse público na promoção da diversidade e do pluralismo, da inclusão social e da coesão nacional. É dever do Estado não só fomentar o alargamento da oferta da TDT como garantir o acesso de toda a população aos diversos serviços de programas do serviço público de televisão, objetivo apenas alcançável através desta forma de difusão por princípio gratuita e universal.

As falhas do sinal TDT, durante e depois da transição definitiva para o sinal digital, criaram uma situação de descrédito generalizado do serviço, que empurrou sustentadamente um grande número de cidadãos para os serviços de subscrição por cabo.

A escolha de uma rede de frequência única (SFN) para assegurar a componente gratuita da TDT não foi uma opção consentânea com as características geográficas e as condições atmosféricas do país, tendo levado a ANACOM a promover em 2017 a instalação de uma rede nacional de sondas para verificação do sinal na receção e a reconfiguração da rede para um sistema de multifrequências (MFN). 

Assim, o concessionário que ficou com a gestão unilateral da distribuição da Televisão Digital Terrestre, conseguiu simultaneamente desincentivar o investimento dos privados em canais acessíveis gratuitamente, bem como desacreditar a TDT junto do utilizador em todo o país, incentivando à contratação de serviços por cabo. Assim, Portugal é hoje um país onde mais de metade da população tem um contrato de serviço por cabo e acede primariamente à televisão através desse serviço. Algo que contrasta com qualquer país europeu, onde a média de penetração dos serviços por cabo ronda os 25% (via EBU).

(...)

Neste dossier:

As desventuras do serviço público de rádio e televisão

A proposta de contrato de concessão da RTP apresentada pelo governo vai manter a empresa num colete de austeridade que tem quase vinte anos. Neste dossier, procuramos dar perspetiva à situação do serviço público desde a tentativa de privatização de Miguel Relvas, o abandono da rádio e da TDT, e a luta dos trabalhadores pelo serviço público. Dossier organizado por Tiago Ivo Cruz.

Depois de Alberto da Ponte ser demitido por Miguel Poiares Maduro (à direita) através do CGI presidido por António Feijó (à esquerda), é nomeado Gonçalo Reis (ao centro), ex-deputado e ex-vereador do PSD.

A RTP pública que interessa aos privados 

A RTP privatizada seria perigosa para SIC e TVI, receosas de mais concorrência na disputa da publicidade. Mas a RTP pública tem sido uma boa presa para o audiovisual privado. O novo contrato de concessão proposto pelo governo do PS não altera esse curso e ainda promete austeridade na empresa pública.

Entre 2011 e 2013, do programa do PSD e do memorando da Troika até à demissão de Relvas, a empresa viveu em rumo e cortes sucessivos. Foto de Mário Cruz, Lusa arquivo.

Privatização da RTP, a meia derrota de Relvas

A concessão do serviço público a capital estrangeiro, “angolano, brasileiro ou chinês”, chegou a ser colocada em cima da mesa pelo governo de Passos Coelho. O projeto caiu por terra com a oposição dos trabalhadores e a falta de acordo com os operadores privados. Mas o legado do então ministro Miguel Relvas marcou a empresa até hoje.

 O PREVPAP fez alguma justiça laboral integrando cerca de 270 trabalhadores num quadro envelhecido. Mas só foi possível atingir este número porque os trabalhadores se organizaram e lutaram para provar que o vínculo que tinham com a RTP era desajustado e que eram necessidades permanentes.

Os trabalhadores já não estão para concessões

Os trabalhadores têm segurado a RTP com dedicação e sacrifício. Deve pois, o único acionista, o Estado, olhar para os trabalhadores da RTP de uma forma séria e empenhada, uma vez que, no projeto do contrato de concessão, estão esquecidos. Artigo de Nelson Silva, coordenador da CT da RTP. 

Depois do fim da emissão em onda curta, e degradação da onda média, será o FM a próxima vítima?

A rádio pública ao abandono

A “estratégia digital” de sucessivas administrações tem servido de justificação para um desinvestimento estrutural que contraria a tendência de todos os restantes países europeus. Portugal perdeu as emissões em onda curta, a onda média já só cobre parte do território e o FM é muitas vezes recebido em condições degradadas.

Zeinal Bava em 2012 na cerimónia de desligamento do último emissor de sinal analógica de televisão, em Palmela. Foto de José Sena Goulão.

Televisão Digital Terrestre, um fracasso português

Portugal é o país com menor oferta de canais na Televisão Digital Terrestre. A entrega do serviço à então PT Comunicações (hoje Altice/Meo), mais interessada no serviço por cabo, tornou o atraso português inevitável.

Estúdio 1 da sede da RTP em Lisboa. Foto via Flickr/RTP.

Portugal no fundo da tabela europeia no financiamento do serviço público audiovisual 

Portugal não está só distante da média na União Europeia. O país está nos últimos lugares da tabela do financiamento ao serviço público de media.

Para Catarina Martins, “o contrato deve ter objetivos mais vastos do que a RTP. Uma democracia precisa de uma televisão por questões de acesso à cultura e comunicação, que são mais vastas do que o contrato em si”.

Bloco propõe uma RTP “moderna em todas as plataformas, não apenas no digital”

No âmbito da discussão sobre a revisão do contrato de concessão do serviço público de media, o Bloco apresentou propostas para recuperar a RTP. Catarina Martins frisa que este deve garantir presença “em todas as plataformas, da onda curta ao digital”, ser “capaz de chegar a todas as gerações e ser referência de informação credível”.