Está aqui

Proíbam a libra

O capitalismo puro não quer só privatizar os bens públicos, quer dirigir os sonhos individuais. Zuckerberg é o que está mais próximo da distopia de criar um mercado total. Artigo de Francisco Louçã.

O poder corrompe, o poder absoluto corrompe absolutamente — lembra-se deste dito, que vive entre o ingénuo e o sensato? Pois Zuckerberg é um exemplo quimicamente puro desta ambição desmedida de poder e, pior, da capacidade de multiplicar o patamar de força social que já alcançou: o Facebook (FB), cujo universo absorve um terço da população mundial, quer explorar todos os modos de comunicação, combinando divertimento, comunicação, trabalho, consumo. Quer ser tudo.

O modelo chinês

Talvez o passo imediato mais desafiante nessa direção totalizante seja o anúncio da criação de uma moeda para transações a partir da sua rede, a libra. O FB responde deste modo a uma iniciativa da Tencent, um dos gigantes chineses da internet, que lançou em 2011 o WeChat Pay, que hoje alcança mais de 900 milhões de utilizadores regulares, oferecendo-lhes comunicação por textos, áudio e vídeo, em modo individual ou em grupos até 500 pessoas. Mais de cem milhões desses utilizadores compram produtos financeiros da própria rede, como seguros e obrigações, mas também títulos de fundos de mercados monetários ou outros, o que nos primeiros nove meses do ano passado gerou uma receita de 74 mil milhões de dólares. Como vários analistas têm apontado, uma empresa deste calibre passa a conhecer não só as aplicações financeiras como os hábitos de consumo e até as opiniões dos utilizadores, o que o Estado chinês, tendo poder sobre esta empresa, deseja e agradece. É Big Brother, e sabemos quem ele é.

No caso do FB, trata-se de um poder equivalente mas nas mãos de uma empresa. Dir-se-á que não há tanto risco de uma utilização repressiva, mas há o imenso poder do mercado, que passa a ter um significado inimaginável antes da era digital. A empresa passa a fazer publicidade dirigida segundo o nosso perfil, pode acompanhar a nossa vida, saber as nossas escolhas, as palavras que usamos, os amigos que temos, os riscos financeiros que toleramos e pode ter mesmo a ambição de moldar os nossos desejos. Ou pode vender essa informação para fins políticos, como se viu com a Cambridge Analytica.

Como alguém escrevia há anos, o capitalismo puro não quer só privatizar os bens públicos, quer dirigir os sonhos individuais. Zuckerberg é o que vimos nas nossas vidas mais próximo desta distopia de criar um mercado total. É o paraíso da finança: os estrategos do Facebook imaginam aqui um modo de consumo obsessivo e gerador de uma patologia de dependências mercantilizáveis. O FB e os seus outros modos de comunicar querem ser a bolha onde todos respiramos.

Um banco universal?

Esta moeda significa também transformar o Facebook numa potência financeira, por ora facilitando transações, mas deste modo começando a gerir dívidas. Assim, ao criar uma moeda com esta dimensão universal, como nenhuma outra, talvez exceto o dólar, o FB dá um pequeno passo para vir a ser um para-Estado, num formato que nunca se conheceu na história mundial. Arroga-se o poder de tutelar as condições de acesso ao consumo, de compras e vendas, e de controlar uma parte da circulação monetária, gerando crédito. Fá-lo excluindo-se das obrigações a que está submetida a regulação bancária e das normas de controlo público a que obedece a emissão monetária por Estados soberanos. Neste caso, não é um finança-sombra, como a que nos arrastou para a grande crise financeira de há dez anos, é antes uma ‘moeda-luz’, cujo poder é precisamente ocultado pela visibilidade absoluta. Assim, ao contrário das criptomoedas, que se escondem em recantos da internet para os curiosos, os evasores fiscais e os traficantes, mobilizando a especulação de curto prazo, a libra seria uma potência para substituir as moedas nacionais em que se baseou o capitalismo que conhecemos. A primeira vítima deste impulso é a própria realidade da soberania dos Estados ou das zonas monetárias, como o euro.

Por isso, não creio que, no braço de ferro dos factos consumados, que Zuckerberg está a dirigir do alto do seu Olimpo, haja outra resposta que não seja proibir a libra. Ela é grande demais, desregulada demais, perigosa demais. Quando e se se instalar, e será sem autorização de qualquer entidade ou no meio da cacofonia de vários reguladores impotentes, terá começado a corrida para o poder da moeda privada. Seria um regresso ao feudalismo, só que o feudo será o planeta.

Artigo publicado no jornal “Expresso” a 6 de julho de 2019

(...)

Neste dossier:

Criptomoedas: Do autoritarismo libertário à privatização da moeda

Entre a vertigem especulativa e um mundo descentralizado, a ausência de regulação onde todo o mundo é uma offshore e regressões sociais e anti-democráticas, as tecnologias blockchain e distributed ledgers vieram para ficar. Dossier organizado por Tiago Ivo Cruz.

Moedas digitais centralizadas

Bancos Centrais por todo o mundo discutem a criação de moedas digitais nacionais, que possam competir com a crescente popularidade das criptomoedas e substituir o uso físico de dinheiro. A urgência em adaptar o sistema monetário à mais recente inovação do sistema financeiro poderá aumentar ainda mais o poder dos interesses privados na esfera pública. Artigo de Izaura Solipa.

Protesto que juntou centenas de milhares de trabalhadores e pensionistas contra a imposição de Bitcoin em El Salvador. Foto de Rodrigo Sura via EFE/EPA/Lusa.

El Salvador, o autoritarismo Bitcoin ou o neoliberalismo revisitado

Os defensores de um sistema financeiro livre da intromissão governamental através de criptomoedas têm em El Salvador o primeiro teste de algodão. E ele está sujo.

Portugal é uma offshore de criptomoedas

Em entrevista ao Esquerda.net, Mariana Mortágua considera que as criptomoedas devem ser antes consideradas criptoativos, instrumentos especulativos que devem ser regulados como tal. E alerta para a sua utilização como meios de crime financeiro ou fuga fiscal em Portugal.

Imagem do cruzeiro Pacific Dawn, renomeado Satoshi em honra do fundador da Bitcoin. Foto via site da Viva Vivas.

A viagem do cruzeiro Satoshi

Como melhor definir um libertário? São o equivalente a um gato: absolutamente convencidos da sua independência e absolutamente dependentes de um sistema que não apreciam nem compreendem. A viagem do Satoshi parece dar vida à metáfora.

Um dos paradoxos deste setor é que a popularidade da Bitcoin está em relação inversa com a sua utilidade ou eficácia operativa.

Da vertigem especulativa a um mundo descentralizado

Atualmente com um valor nocional de cerca de 3 biliões de dólares, o mercado de criptomoedas está dominado por Bitcoins, mas esta está longe de ser o seu futuro e nem a especulação financeira define a sua razão de ser. Com um potencial anti-democrático explosivo, a tecnologia veio para ficar e é bom percebermos porquê.

Da Bitcoin à Ethereum, Ripple à Hashgraph, os saltos tecnológicos de cada uma das gerações de criptomoedas já lhes garantiu uma relevância própria. Foto via Bermix Studio, Unsplash.com.

As várias gerações de criptomoedas e a sua utilização

Atualmente existem dezenas de milhares de criptomoedas que qualquer pessoa pode adquirir, ou criar, através do seu telemóvel. Destas, alguns milhares estão disponíveis em mercados especulativos, algumas centenas têm utilidade teórica e algumas dezenas ou menos têm utilização comprovada.

Bitcoin, a alta da moeda falsa

No início deste ano, o conjunto das criptomoedas atingiu a valorização de um bilião de dólares, ganhando 130 mil milhões de dólares num só dia e tendo passado a ser, no seu conjunto, a quinta moeda de maior circulação no mundo. Artigo de Francisco Louçã.

Lobbying nos EUA revela os interesses atrás das criptomoedas

O crescente peso de lobbying em torno das criptomoedas tem levado à introdução de propostas regulatórias definidas em grande parte pela própria indústria. Os avultados lucros gerados em torno das criptomoedas e o retorno esperado de um setor desregulado e em crescimento não prometem alterar esta tendência. Artigo de Izaura Solipa.

Imagem de São Francisco Xavier, séc. XVII. Propriedade da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, que lançou uma série de 125000 NFTs com representações digitais da peça por 200€ cada.

NFT:Como reduzir a Arte ao talão de compra

O tema dos NFT irrompeu pelo discurso mediático e, pelo meio dos anglicismos ciber-místicos (blockchains, tokens, Ethereum, drops, Tezos, gas fees), é um grande desafio conseguir compreender o que está em jogo. Neste texto começamos por uma articulação não técnica sobre o que são e não são os NFT, para depois articular o hype à sua volta e a sua eventual utilidade para as artes e a sociedade. Artigo de Ricardo Lafuente.

Proíbam a libra

O capitalismo puro não quer só privatizar os bens públicos, quer dirigir os sonhos individuais. Zuckerberg é o que está mais próximo da distopia de criar um mercado total. Artigo de Francisco Louçã.

Se a Bitcoin é suposto ser adotada livremente, porque razão se tornou obrigatória em El Salvador?

Em El Salvador, a liberdade foi entregue a uma empresa

O sistema financeiro de El Salvador foi praticamente entregue a uma empresa privada, controlada indiretamente por Bukele, que adquiriu Bitcoin através de fundos públicos, e cuja carteira digital estão todos obrigados a utilizar sem, de facto, poderem transferir as suas moedas para fora do sistema controlado pela empresa.

O Presidente de El Salvador apresenta o projeto de transformar o país numa offshore para criptomoedas. Foto de Rodrigo Sura, via EFE/EPA/Lusa.

Liberais liberais, negócios à parte

Hidroelétricas de capitais públicos, empresas privadas sem capitais privados, administradores nomeados por Bukele e centenas de milhões de dólares em fundos públicos de El Salvador utilizados para comprar Bitcoin. A quem pertence e quem administra a Chivo? E quem detém as Bitcoin compradas com dinheiro público?