Está aqui

Paz sem Terra: os colonatos de Jerusalém Oriental e o processo de paz mediado pelos EUA

A construção destes novos colonatos em Jerusalém Ocidental pode suspender o retomar das conversações entre os dois governos. No entanto, a questão maior é se o próprio processo alguma vez quis debruçar-se sobre uma resolução justa do conflito. Por Sam Gilbert
Protesto durante a visita de Barack Obama. Foto de Noam Moskowitz, The Israel Project

Na quarta-feira, 19 de maio de 2013, Israel anunciou a construção de mil novas casas para colonos em Jerusalém Oriental. A declaração chegou menos de uma semana depois da mais recente visita do senador John Kerry à região, com o objetivo de retomar as conversações entre palestinianos e israelitas. De acordo com a Aljazeera English, o plano de Israel para construir 800 novas unidades em Gilo e 300 em Ramot foi comunicado aos média pelo ministro israelita da Habitação e Construção.

O anúncio chegou dias depois de Kerry ter apelado a Israel para evitar a tomada de quaisquer medidas “provocatórias”. Os EUA condenaram ações daquele país como “contraproducentes” para o processo de paz.

Muitos palestinianos veem a nova construção e o momento da informação como uma prova da tentativa israelita de minar o processo de paz antes de ele começar. Em resposta, o negociador chefe palestiniano, Saeb Erekat, disse: “Consideramos que a recente decisão do governo israelita de construir mil casas em Jerusalém Oriental destrói efetivamente os esforços de Kerry.”

Israel alega que estes colonatos estão na “calha” desde há anos e que os palestinianos estão a usar este anúncio como pretexto para não iniciar as conversações de paz. “Os palestinianos continuam à procura de desculpas para escapar às negociações”, declarou um representante israelita ao Jerusalem Post na sexta-feira. “Neste caso também, correram para o microfone com velhos argumentos reciclados e dados incorretos em vez de fazerem o básico – sentarem-se e conversar sobre todos os temas.”

Desde há muito que os negociadores palestinianos afirmam que as conversações de paz, cujo objetivo é o estabelecimento de dois Estados para dois povos, não pode, em boa fé, continuar enquanto Israel continua a sua campanha de colonatos que minam a integridade territorial e demográfica de um futuro Estado palestiniano.

Colonatos

Os colonatos são considerados o grande obstáculo à paz pois destroem sistematicamente o objetivo final de todo o processo: uma solução de dois Estados. De acordo com a missão da ONU de 2012 para investigar o Impacto dos Colonatos Sobre os Palestinianos, “o estabelecimento de colonos nos Territórios Ocupados da Palestina é uma mistura de construção e infraestruturas que conduz a uma anexação lenta e impede a construção de um Estado palestiniano contíguo e viável, o que mina o direito do povo palestiniano à autodeterminação.”

As quase 1100 novas unidades em Ramot e em Gilo refletem a política israelita em Jerusalém Oriental para criar um “balanço demográfico”, 60/40 a favor dos residentes judeus, através da sua inserção em áreas predominantemente palestinianas e estabelecendo, ao mesmo tempo, uma camada periférica que corte as ligações da cidade com o resto da Cisjordânia1. Considerando que uma solução de dois Estados depende de a capital ser contígua ao resto do país, a política dos colonatos constantes e os esforços permanentes de Israel para cortar Jerusalém Oriental da Cisjordânia prejudicam a validade, já questionável, da solução de dois Estados.

Paz ou Processo?

Estes “factos no terreno” levaram muitos a tornarem-se severamente céticos relativamente ao próprio processo de paz. Desde os históricos Acordos de Oslo em 1993, a população de colonos nos territórios ocupados mais do que duplicou e a barreira de separação atinge agora as profundezas da Cisjordânia, rodeando colonatos e anexando funcionalmente grandes áreas a Israel. De acordo com o historiador do Médio Oriente e conselheiro de negociações em Oslo, Rashid Khalidi, “[o processo de paz] nunca foi destinado a obter um Estado palestiniano. Nunca foi desenhado para acabar com a ocupação. Foi desenhado por, e logo quem, Menachem Begin, de maneira a tornar permanente o controlo de Israel sobre os territórios ocupados. E foi isso que sucedeu até agora.

Amer, um estudante de 27 anos na Universidade Birzeit, ecoa este sentimento. “Toda a minha vida ouvi falar do processo de paz, das conversações. Nós (palestinianos) ouvimos isto mas escutamos com os nossos olhos. E o que eles me mostram é que a ocupação; os colonatos, as vedações e os muros, continuam a crescer. Israel nunca quis a paz e os palestinianos não precisam de paz. Precisamos da Palestina!”

Quando questionado sobre os esforços de Kerry sobre a retomada de negociações, Amer riu, “Não sabem que os EUA têm 51 Estados? Israel é o mais novo, adicionado em 1948.” Este reconhecimento do apoio ideológico, económico e militar a Israel levam muitos a duvidar da sinceridade da posição norte-americana como um mediador imparcial para a paz. Desde a criação de Israel, os EUA já vetaram 50 vezes no Conselho de Segurança para proteger Israel do escrutínio internacional2. Isto além dos 155 mil milhões de dólares em ajuda desde a sua criação (o país que mais recebeu em todo o mundo)3 torna a posição dos EUA de “negociador honesto para a paz” difícil de aceitar para os palestinianos como Amer.

A construção destes novos colonatos em Jerusalém Ocidental pode suspender o retomar das conversações entre os dois governos. No entanto, a questão maior é se o próprio processo alguma vez quis debruçar-se sobre uma resolução justa do conflito, ou apenas uma forma de o gerir? O que é claro é que cada novo colonato diminui a solução dos dois Estados enquanto os palestinianos e também os israelitas esperam para ver qual será o futuro das suas nações ou da sua nação.

1 de Junho de 2013

Publicado em Palestine Monitor

Tradução de Sofia Gomes para o Esquerda.net

1 “Report of the Independent International fact-finding mission to investigate the implications of the Israeli settlements on the civil, political, economic and cultural rights of the Palestinian people throughout the Occupied Palestinian Territory, including East Jerusalem.” Human Rights Council. 22 session, Agenda item 7

2 Aruri, Naseer. “United States policy and Palestine: Oslo, the intifada and Erasure.” Race and Class. 52.3 (2011): page 3-20.

3 Khalidi, Rashid. Brokers of Deceit: How the US has undermined peace in the Middle East. Boston, MA: Beacon Press, 2012.

(...)

Resto dossier

Terceira Intifada na Palestina

A terceira Intifada, a revolta dos palestinianos contra o ocupante, já começou. Mas desta vez assume a forma da mobilização de massas não-violenta contra o regime de apartheid imposto por Israel, pela libertação dos presos e contra a extensão dos colonatos. Esta é a opinião de Mustafa Barghouti, líder da Iniciativa Nacional Palestina. Neste dossier, coordenado por Luis Leiria, procuramos atualizar a situação da luta dos palestinianos, incluindo artigos, entrevistas, relatos do local, reportagens.

A terceira Intifada

As “aldeias de tendas” e as manifestações semanais são algumas das táticas do movimento de resistência popular não-violento que vêm a crescer e a ganhar dinâmica nos territórios palestinianos ocupados por Israel. Para o médico Mustafa Barghouti, que dirige a Iniciativa Nacional Palestiniana, a terceira Intifada já começou, seguindo um modelo diferente e sem esperar ordens vindas de cima.

Artigo publicado originalmente na revista Vírus nº3.

Uma visita a Gaza, prisão a céu aberto

Entre os dias 1 e 3 de dezembro de 2012, a eurodeputada Alda Sousa visitou Gaza, numa delegação internacional de que fez parte também a deputada Helena Pinto. Foram os primeiros estrangeiros a entrar no território depois dos intensos bombardeios israelitas da chamada operação “Pilar de defesa”. Este é um caderno dessa viagem. As fotografias são de Ricardo Sá Ferreira.

O que foi alcançado pela Fatah? Não muito

Depois de anos e anos de negociação e compromisso com o Estado de Israel, os palestinianos estão mais distantes do que nunca de obter o seu próprio Estado, afirma Arafat Shoukri, Diretor Executivo do Centro de Retorno Palestiniano (PRC) e Presidente da Campanha Europeia para Acabar com o Cerco a Gaza. Entrevista de Ricardo Sá Ferreira

Gaza: “Quem quereria viver num sítio como este?”

As condições sanitárias estão a deteriorar-se rapidamente e se o problema não for resolvido esta situação poderá ter um grande impacto na saúde do povo da Faixa de Gaza. Por PCHR/Narratives

Paz sem Terra: os colonatos de Jerusalém Oriental e o processo de paz mediado pelos EUA

A construção destes novos colonatos em Jerusalém Ocidental pode suspender o retomar das conversações entre os dois governos. No entanto, a questão maior é se o próprio processo alguma vez quis debruçar-se sobre uma resolução justa do conflito. Por Sam Gilbert

Os despejos de Sheikh Jarrah, a visão israelita de Jerusalém

A 20 de maio, o Supremo Tribunal israelita vai decidir se a família Shamasneh, da zona de Sheik Jarrah em Jerusalém Oriental, perderá a sua casa para os colonos israelitas. As razões e os métodos por trás do despejo promovido por Israel de mais uma família de Sheik Jarrah ilustram bem a sua política global de expulsar os palestinos em Jerusalém e tornar mais judaica a cidade. (Ver atualização no final do artigo). Por Lea Frehse e Johanna Wagman, AIC

Os prisioneiros palestinianos de Israel

É comum o abuso físico e a humilhação dos detidos por parte das forças israelitas. Com base em numerosas declarações juramentadas, há denúncias de que os detidos foram sujeitos a tentativa de homicídio e violação, e atirados de escadas enquanto vendados, entre várias outras formas de abuso.

Marwan Barghouti, símbolo de um povo aprisionado

Marwan Barghouti está detido há 11 anos consecutivos e já cumpriu uma pena total de 17 anos. O deputado e dirigente palestiniano foi sequestrado pelo Estado de Israel, e já foi condenado a várias penas de prisão perpétua. Barghouti é talvez o rosto mais conhecido entre os mais de 4900 presos políticos palestinianos.

Campeonato europeu de sub-21 em Israel: cartão vermelho ao Apartheid

A decisão da UEFA de manter Israel como o país anfitrião do Campeonato Europeu de sub-21 no próximo mês provocou a revolta de grupos comunitários de solidariedade com o povo palestino. Por Loretta Mussi, Nena News

Resistência de ontem, resistência de hoje

Os palestinianos em Ramallah, Jenin, em Gaza, resistem para sobreviver, numa luta diária e por vezes nada heroica, para proteger a sua existência, manter a ligação à sua terra e à sua pátria, para proteger a sua dignidade. Por Michel Warschawski, Alternative Information Center

Estado de Israel: o rufião mimado

Israel quebrou todos os compromissos que alicerçam o cessar-fogo precário, entre o Estado de Israel e a liderança do Hamas, e expande a ocupação de forma silenciosa. O poder que domina em Israel comporta-se como um rufião mimado que tem aquilo que quer e dispensa qualquer puxão de orelhas.

Israel já ganhou a guerra civil síria

O seu principal inimigo militar deixou de existir, o contexto em que os palestinianos desenvolvem a sua luta de libertação fica mais desfavorável; e a solução do problema da ocupação israelita dos Montes Golã será relegada ainda mais para as calendas. 

Revolucionário Democrático: novo sindicato dos trabalhadores em Israel

A política de trabalho em Israel foi dominada durante décadas por um sindicato único, ligado ao governo com uma tradição fortemente nacionalista. O primeiro sindicato independente e democrático foi fundado há apenas seis anos em Israel. Koach LaOvdim - Poder aos Trabalhadores – tem conseguido desde então mobilizar dezenas de milhares de trabalhadores e conta com mais de 12.000 membros em 2013. Por Centro de Informação Alternativa (AIC)