Está aqui

O Sector da Saúde na Luta de Libertação da Guiné-Bissau

Não se pode deixar de valorizar, e com vénia, a dedicação, o empenho e a solidariedade de todos quantos se prestaram a esse esforço, sem salários nem qualquer tipo de compensação! Que pena não poder citar os nomes de todos eles. Por Manuel Boal.
Socorristas num posto sanitário simples e descartável aquando de ameaças de bombardeamento aéreo.
Socorristas num posto sanitário simples e descartável aquando de ameaças de bombardeamento aéreo.

Gostava mesmo muito de poder incluir um texto seu, sobre a sua experiência pessoal durante a guerra, o seu percurso, o que viu, viveu, sentiu” Mariana Carneiro.

Não sei, não gosto e não queria falar de mim, sobre o que fiz ou não fiz na luta de libertação das colónias portuguesas. Resisti sistematicamente às propostas que me foram feitas nesse sentido. Não é falsa modéstia nem pudor falacioso. As minhas “memórias de guerra” não têm interesse para ninguém.

Hoje não vou abrir excepção. Não vou falar do meu percurso, da minha experiência pessoal durante a guerra nem dizer o que senti. Decidi aceitar o convite, resumindo o que vi, só para prestar homenagem àqueles, anónimos ou conhecidos e celebrados, que se integraram no projecto de Amílcar Cabral para mudar o que era inaceitável, na África em geral e nas colónias portuguesas mais especificamente.

Para quem o conheceu, não era difícil seguir Amílcar Cabral, tomar parte na realização do seu sonho, apesar das dificuldades presumíveis e, como africano, acompanhá-lo para “... cumprir o meu dever no meu próprio pais no contexto do nosso tempo”, o seu projecto de vida.

Cabral fundou com um grupo de Cabo-verdianos e de Guineenses o PAIGCi e conseguiu mobilizar homens e mulheres de todas as origens e classes sociais, incluindo nas zonas rurais da Guiné dita portuguesa, para preparar e levar a bom termo a luta de libertação da Guiné e de Cabo Verde, contra o colonialismo português - e não contra os portugueses -, como ele tinha o cuidado de sublinhar; conseguiu o apoio dos países socialistas para a formação de quadros, incluindo militares, e para o fornecimento de armas, dada a surdez do regime de Salazar à proposta de uma independência negociada das colónias. O Partido conseguiu libertar regularmente vastas zonas na Guiné onde se foram instalando, com igual regularidade, as instituições de um Estado, incluindo as de comercio com as comunidades libertadas, por troca de produtos necessários ao progresso das regiões, à manutenção e segurança das escolas e das unidades sanitárias e ao sucesso da guerrilha, tambémii.

É nesse contexto e, face ao impasse a que se chegou na guerra, consequente do domínio do espaço aéreo pela tropa colonial e do controlo absoluto pelo PAIGC , das deslocações no terreno e da flagelação dos quarteis pela guerrilha, que Amílcar Cabral tomou a genial iniciativa de convidar a Organização das Nações Unidas a visitar as Zonas libertadas da Guiné para certificar a situação, que aí prevalecia, “comparável a de um pais invadido por tropas estrangeiras”, procurando, por outro lado, os meios necessários para pôr fim ao domínio aéreo atrás indicado.

O sucesso da missão das Nações Unidas às zonas libertadas da Guiné durante a primeira semana de abril de 1972, deu legitimidade às eleições dos Deputados à Assembleia Nacional Popular que viria a proclamar, nas colinas de Boé, a independência da Guiné-Bissau a 24 de setembro de 1973.

A posse pela guerrilha do PAIGC dos misseis terra-ar, Strela-2M portáteis de fabrico soviético, a partir de março 1973 – três meses após o assassinato de Amílcar Cabral – , pôs termo, definitivamente, ao controlo do espaço aéreo da Guiné-Bissau pelos portugueses: dois caças Fiat 91 são abatidos, o primeiro a 25 de março e o segundo a 28 do mesmo mês, prenunciando o fim da guerra.

O Sector da Saúde durante a luta

As infraestruturas

No princípio da luta armada, o verbo era “prestar os primeiros socorros”, com a qualidade possível, aos combatentes feridos nas frentes da guerra, por socorristas formados em tempo útil entre os jovens integrados nos “Bigrupos” da guerrilha e capazes de assumir, com responsabilidade, essas funções.

Com o surgimento das zonas libertadas e a presença de cirurgiões militares cubanos apareceram, sucessivamente, os Postos de Saude e os Hospitais de Campanha – estes com cirurgiões em permanência –, instituições avançadas na prestação dos primeiros cuidados de saúde, incluindo intervenções cirúrgicas, garantidos não só para os guerrilheiros como para todos aqueles que deles precisassem, entre os quais os alunos e professores das escolas e a população em geral.

Na rectaguarda, a rede de instituições de assistência médica e cirúrgica do PAIGC , era completada por dois hospitais, um em Kundara e outro em Boké, junto das fronteiras leste e sul  respectivamente, com a República da Guiné (Conakry); um Centro de Assistência médica aos feridos e outros doentes, em Ziguinchor no Senegal, junto da fronteira norte.

No Centro de Ziguinchor, além de médicos do PAIGC , apenas médicos de países ocidentais aí prestaram serviço – sempre voluntário –, na assistência aos feridos da frente norte da Guiné (Bissau).

De assinalar entre eles, a presença do Dr. Mário Moutinho de Pádua, português; dois médicos holandeses entre os quais a Dra. Tó Van Albada, e um traumatologista francês. Todos os pacientes cujos estados de saúde precisassem de cuidados mais diferenciados do que aqueles disponíveis no Centro, eram tratados no Hospital senegalês local ou transferidos para o Hospital Universitário Aristides Le-Dantec em Dakar, a capital do Senegal.

Junto da fronteira leste, em Kundara, o PAIGC dispunha de um pequeno hospital, montado em grandes barracões e tendas cobertas de lona, sob a orientação técnica de médicos da Alemanha de leste e da União Soviética. O médico cabo-verdiano Dr. Francisco Fragoso integrou a equipa técnica do Hospital de Kundara durante cerca de um ano, antes de abandonar o Partido.

É no Hospital de Boké, cidade da Guiné (Conakry) do mesmo nome, a cerca de 20 kms da fronteira sul da Guiné (Bissau), que o PAIGC dispunha da melhor instituição de assistência medica e cirúrgica de toda a sua rede. Construído em material pré-fabricado, à base de madeira e papel prensados, pela República Federativa da Jugoslávia, o Hospital de Boké dispunha de um bloco operatório, de laboratórios de análises clínicas e de radiologia, muito bem equipados, além de um grupo eletrogéneo próprio. Era dotado de uma equipa técnica jugoslava integrada por um cirurgião experimentado, uma instrumentista e técnicos de análises clínicas e de radiologia.

Nele também trabalhou uma equipa de profissionais de saúde do Partidoiii, com médicos e enfermeiros guineenses e cabo-verdianos formados na Bulgária, Portugal, União Soviética e outros países, alguns deles em transição para a pós-graduação em especialidades designadamente cirúrgicas em países socialistas ou na Suécia, para um deles. Durante o meu exercício de funções de Comissário político do Hospital de Boké entre 1970 e 1973, um Cirurgião cubano integrou o staff da instituição.

Além da prestação de cuidados de saúde, o Hospital de Boké desempenhou um papel fundamental na formação teórica e prática de enfermeiros e de auxiliares de enfermagem, alem de estágios pontuais de socorristas formados nos Hospitais de Campanha, nas zonas libertadas.

O seu abastecimento

O apoio logístico para o conjunto da rede de estruturas de saúde atrás indicada, dependia de Conakry, para as frentes sul e leste da Guiné, e de Ziguinchor para a frente norte. O “Depósito” principal de medicamentos, equipamentos e outros artigos necessários ao funcionamento dos postos de saúde e dos hospitais das diferentes categorias estava em Conakry, junto do Secretariado do PAIGC. O essencial era constituído de artigos doados, provenientes de governos dos países socialistas ou enviados por organizações e grupos de simpatizantes da nossa luta, nos países ocidentais, designadamente Bélgica, Estados Unidos da América, França, Holanda, Inglaterra e Suécia, entre outros.

Antes de assumir as funções de Comissário político do Hospital de Boké, procedi no referido Depósito de Conakry, à classificação e arrumação dos medicamentos e equipamentos aí armazenados, para uma melhor gestão dos mesmos e sua distribuição mais racional entre as diferentes estruturas de saúde do Partido. Perante os meus comentários sobre a inutilidade de certos artigos porque de validade ultrapassada ou porque muitos deles estavam já encetados ou mesmo com conteúdos quase esgotados, designadamente no que se referia a frascos de fármacos líquidos ou a bisnagas de cremes e pomadas, Amílcar Cabral fez-me lembrar que muito do que ali estava era o resultado de um trabalho voluntário, por vezes penoso, de amigos e simpatizantes da luta de libertação das colónias portuguesas, junto de cidadãos de países ocidentais, e que, ainda que só por isso, devíamos apreciar e valorizar!

Os produtos para o apoio logístico em medicamentos para as frentes do norte da Guiné, eram na sua maioria comprados em Ziguinchor ou em Dakar. Os restantes artigos eram enviados para o Centro de Assistência pelo “Depósito” de Conakry, em camiões que levavam tempo incontável a percorrer estradas difíceis, muitas vezes intransitáveis durante as longas estações das chuvas.

O abastecimento dos postos de saúde e dos socorristas nos bigrupos, era feito em sacos – impermeáveis sempre que possível -, com conteúdos padronizados: antibióticos – essencialmente Penicilina e Estreptomicina –; colírios de nitrato de prata e pomadas oftálmicas; Álcool e Tintura de iodo; Pomadas para a pele; Ligaduras; Compressas de gaze; Pacotes de algodão hidrófilo; Seringas de plástico e agulhas; Sabão azul; Sal de cozinhaiv. Os sacos eram levados à cabeça durante horas de marcha, muitas vezes em terreno lamacento e escorregadio, em que era preciso também saber evitar minas, serpentes e “malilas”, lianas que facilmente se prendiam aos bolsos, fivelas, ou outros penduricalhos.

O abastecimento dos diversos hospitais era feito em obediência – tanto quanto possível – a requisições estabelecidas com a devida antecedência pelos seus responsáveis. É de assinalar que, por iniciativa de um jovem médico parisiense, Dr. Gil Tchernia – que trabalhara no Hospital Aristides Le-Dantec, em Dakar –, o Hospital de Boké passou a receber regularmente, sangue enviado de avião a partir de Paris, via Conakry até Boké, utilizado nas intervenções cirúrgicas de urgência.

O transporte dos feridos e dos outros doentes

No interior da Guiné, durante a guerra de libertação, todas as deslocações se faziam a pé exceptuando-se as raras oportunidades de viajar de canoa, sobretudo durante a noite, ou usar os pequenos carros todo terreno, os “Pentenkle” como lhes chamavam o povo, que apareceram nas regiões libertadas durante os últimos meses da guerra. A tentativa de utilização de burros para o transporte de cargas foi uma experiência que teve que ser abandonada muito cedo, por exigir cuidados difíceis de garantir.

Portanto a evacuação sanitária de feridos e de doentes graves era feita em macas rudimentares levadas ao ombro; na falta deles improvisava-se com macas feitas de ramos de árvore. Essa operação era difícil, nada confortável para os doentes e para os transportadores, sobretudo durante as chuvas. É nesse quadro que não se pode deixar de valorizar, e com vénia, a dedicação, o empenho e a solidariedade de todos quantos se prestaram a esse esforço, sem salários nem qualquer tipo de compensação!

O processo de assistência aos feridos implicava os primeiros cuidados, in loco, por socorristas e auxiliares de enfermagem nas frentes de combate ou nos postos de saúde das regiões libertadas e o transporte imediato para os hospitais de campanha onde eram internados, em barracas dispersas, feitas de troncos e ramos de arvores e “camas” do mesmo material. Tudo facilmente abandonável em caso de bombardeamento ou de incursão da tropa colonial. A roupa e outros objectos pessoais estavam sempre em mochilas prontas para uma retirada rápida de emergência.

As intervenções cirúrgicas, de urgência ou programadas – hérnias, hidrocelos e outras –, eram feitas a céu aberto, seguindo-se os protocolos exigidos normalmente, em termos de desinfecção cuidada das mãos dos operadores e ajudantes; máscaras, luvas e material esterilizado por ebulição, o único meio possível naquelas condições.

Intervenção cirúrgica no Hospital de Campanha Guerra Mendes na região de Tombali. Frente sul. Notar que tudo se passa a céu aberto. O cenário ao fundo é a copa de uma arvore frondosa inundada pela luz do sol.

A acção dos Hospitais de campanha permitiu salvar muitas vidas e filtrar as evacuações sanitárias até à fronteira de onde os pacientes eram transportados em ambulâncias para os Hospitais de rectaguarda. Essas instituições também participaram na formação de socorristas e auxiliares de enfermagem.

Os cursos de formação de socorristas e de auxiliares de enfermagem foram ocasiões extraordinárias de convívio amigável entre jovens provenientes de diversas comunidades e etnias. De lembrar que as relações entre jovens de etnia ou mesmo de classes sociais diferentes nem sempre foi harmoniosa. É paradigmática, entre os militantes do PAIGC, a seguinte frase da autoria de uma jovem reagindo a não se sabe que tipo de provocação: “Eh Camarada! A nós é ka djuntu dé! Luta son ki djuntanu!” que se poderia traduzir assim: “Olha que não somos iguais! É só por causa da luta que estamos juntos”!

Fotografia de família de participantes a um curso de formação no Hospital Guerra Mendes na Região de Tombali, em 1971/72. No centro o cirurgião cubano Dr. Lutcho Robles. Notar a numerosa presença feminina e a do bebé de uma delas.

Considerações finais

Imagine-se o tempo durante o qual um ferido ou um doente grave terá sido transportado em maca aos ombros, entre um posto de saúde situado nos confins da frente sul até ao posto fronteiriço de Kandjáfara e daí, em ambulância até ao hospital de Boké. Imagine-se o desconforto, o sofrimento de uns e de outros! Uns terão morrido pelo caminho; mas a maioria chegou ao Hospital.

O cirurgião Jugoslavo, Dr. Petrovitch, admirava-se sempre perante a resistência dos doentes que observava e operava e que poucos dias depois pareciam outros, perfeitamente recuperados.

É de se presumir que a selecção natural ligada às elevadas taxas de mortalidade infantil verificadas nos nossos países em desenvolvimento como era o caso da Guiné, possam explicar essa capacidade de aguentar, resistir ao sofrimento e às infeções. Só os melhores, os mais fortes sobreviviam e atingiam a idade adulta, prontos para tudo!

As guerras de libertação das colónias portuguesas poderiam ter sido evitadas, como sucedeu na esmagadora maioria dos países africanos que se tornaram independentes. Ter-se-ia evitado a memória de imagens insuportáveis e de acontecimentos revoltantes.

Esperemos que o Homem do século XXI aceite mudar a tempo o comportamento ganancioso e egoísta que nos está a levar à tragédia ambiental anunciada desde há anos.

Oxalá!

(Escrito em obediência à antiga ortografia da língua portuguesa)

Manuel Rodrigues Boal

27 de setembro de 2019


iPartido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde de cunho unitário, projectado com vista à Unidade dos dois Países, a decidir oportunamente pelos respectivos parlamentos. Dos movimentos de libertação da Guiné, o PAIGC foi o único que teve sucesso.

iiNos Armazéns do Povo das zonas libertadas da Guiné encontravam-se artigos de todo tipo e das mais diversas origens, incluindo cobertores, cigarros e latas de conservas idos da Suécia; tecidos e vestuário de países ocidentais, como EUA, Holanda e outros. As populações trocavam-nas com os produtos da sua lavoura, mormente arroz e animais domésticos.

iiiDrs. Gaudêncio de Sousa Carvalho (Xito), Paulo Medina, Venâncio Furtado, Fernando Cabral e Sabino Dias (guineenses), Arcelinda Barreto (cabo-verdiana); Enfermeiras Paula Fortes e Rosário de Melo Spencer (cabo-verdianas).

ivO envio sistemático de sal foi decidido quando se descobriu que muitos socorristas usavam a cinza de certos arbustos para “temperar” as refeições, já de si irregulares e pouco abundantes.

(...)

Resto dossier

(1964), "“Guerra Colonial”: exército português em operações.", Fundação Mário Soares / AMS - Arquivo Mário Soares - Fotografias Exposição Permanente, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_114094

As feridas abertas da Guerra Colonial

A Guerra Colonial durou mais do dobro da Segunda Guerra Mundial e fez milhares de mortos portugueses e africanos. Urge quebrar o silêncio e desconstruir os mitos em torno deste conflito e do passado colonialista de Portugal. Assim como é imperativo dar visibilidade e garantir direitos às suas vítimas. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

A velha questão da política e da guerra, a propósito das mágoas do fim do império

As forças armadas portuguesas fizeram em abril de 1974 o que as eleições fazem (ou podem fazer) nos regimes democráticos: o corte com uma solução inviável, demasiado custosa e que se tornara anacrónica. Por Carlos Matos Gomes.

Hastear da bandeira da Guiné Bissau após o arrear da de Portugal em Canjadude. Foto (original a cores) de João Carvalho, Wikimedia - domínio público.

Da guerra colonial às independências africanas

A constituição de Estados-nação cujas independências se afirmaram contra a dominação colonial produzirá um contexto marcado pela tensão entre a herança colonial e a celebração das possibilidades para novos começos. Por Bruno Sena Martins e Miguel Cardina.

Mural em batepá. Foto de Inês Nascimento Rodrigues.

O "Massacre de Batepá" em São Tomé e Príncipe: ecos desde 1953 à atualidade

Tendo-se desenrolado em 1953, anos antes da eclosão das guerras coloniais e de libertação, o "Massacre de Batepá" demonstra como o recurso à violência física (e simbólica) não foi uma exceção na gestão e domínio dos territórios colonizados por portugueses. Por Inês Nascimento Rodrigues.

Massacre de Pindjiguiti, Bissau. Reprodução.

3 de Agosto de 1959, Massacre de Pindjiguiti, Bissau

Marinheiros, estivadores e trabalhadores das docas foram violentamente reprimidos por funcionários coloniais, polícia e militares, e alguns civis, repressão esta que viria a resultar em cinquenta mortos e cerca de uma centena de feridos. Por Sílvia Roque.

Massacre de Mueda. Foto publicada na página de internet do Governo da Província de Tete.

16 de Junho de 1960. Massacre de Mueda, Moçambique

Portugal no seu todo muito simplesmente não tinha percebido que já se estava nos anos sessenta. Dez ou seiscentos mortos, o significado político de Mueda não muda, abriu uma nova era. Por Michel Cahen.

Wiriamu: O massacre esquecido

O massacre de que vos quero falar aconteceu connosco. Os intervenientes eram portugueses. Aconteceu em Moçambique. E é estranho que já ninguém pareça recordar-se dele: é incómodo e por isso tenta-se esquecê-lo. Por Carmo Vicente.

Amílcar Cabral - Foto wikipedia

Amílcar Cabral: Libertação nacional e cultura

O domínio “só se pode manter com uma repressão permanente e organizada da vida cultural desse povo [o povo dominado], não podendo garantir definitivamente a sua implantação a não ser pela liquidação física de parte significativa da população dominada”. Por Amílcar Cabral.

Socorristas num posto sanitário simples e descartável aquando de ameaças de bombardeamento aéreo.

O Sector da Saúde na Luta de Libertação da Guiné-Bissau

Não se pode deixar de valorizar, e com vénia, a dedicação, o empenho e a solidariedade de todos quantos se prestaram a esse esforço, sem salários nem qualquer tipo de compensação! Que pena não poder citar os nomes de todos eles. Por Manuel Boal.

Um combate pela Liberdade

Oriundo dum país colonizado, participei desde jovem no combate contra o domínio colonial e pude assistir ao fim dessa dominação sobre a maior parte da Humanidade de então. Por Adolfo Maria.

Margens do rio Onzo, Angola. Foto Wikipedia.

Crescer em tempo de guerra

Há ainda um longo caminho a percorrer, para que se acalmem as guerras da memória, quer as que perturbam o trabalho dos historiadores, quer as que se travam na memória daqueles que as viveram. Por Diana Andringa.

Lourenço Marques, atual Maputo, nos anos 50: Uma cidade colonial. Foto publicada em https://delagoabayworld.wordpress.com

Moçambique, final dos anos cinquenta

Era estranha esta invisibilidade dos indígenas, a sua quase não humanidade. Uma imensa maioria, 98 % da população, e eram como que inexistentes, surgiam silenciosamente quando necessários e desapareciam quando desnecessários. Por Helena Cabeçadas.

José Bação Leal: “Tentarei o canto mesmo de gatas”

Neste artigo, no qual reproduzimos, na íntegra, o documentário “Poeticamente Exausto, Verticalmente Só - A história de José Bação Leal”, um jovem e promissor poeta, falecido em Moçambique durante a guerra colonial, a realizadora, Luísa Marinho, explica o que a levou a desenvolver este projeto.

A deserção colectiva de 10 ex-oficiais-alunos da Academia Militar

Devo começar por dizer que se trata da mais importante deserção colectiva organizada durante os 14 anos de duração da guerra em África. Não apenas pelo número de elementos nela envolvidos mas também por outras razões que dela fazem um acontecimento singular. Por Fernando Mariano Cardeira.

Comandos Africanos: “Os portugueses traíram-nos, fomos abandonados sem piedade”

Mário Sani é um dos mais de 600 Comandos Africanos das Forças Armadas portuguesas na Guiné que Portugal abandonou à sua sorte, depois de a colónia que explorava ter conquistado a independência. Por Sofia da Palma Rodrigues.

Ponte Aérea Luanda-Lisboa. Fotografia reproduzida em Júlio Magalhães, Os Retornados. Um Amor Nunca se Esquece (Lisboa: A Esfera dos Livros, 2008), p. 119.

Descolonização e retorno à antiga metrópole: a memória difícil do fim do império

Guerra colonial, descolonização e retorno de África, uma herança que ainda aguarda por uma plena inscrição no discurso da história e da memória do Portugal contemporâneo. Por Elsa Peralta.

Foto de Barnabé Freixo, Flickr.

“É urgente tirar filhos de militares portugueses da invisibilidade”

Catarina Gomes, jornalista, e autora do livro Furriel não é nome de pai, defende que é preciso romper com o “silêncio social” em torno deste assunto e reconhecer a cidadania portuguesa aos filhos que os militares deixaram na Guerra Colonial. Entrevista conduzida por Mariana Carneiro.

ADFA assumiu-se como a "força justa das vítimas de uma guerra injusta"

No dia em que se assinalou o 45º aniversário da Associação dos Deficientes das Forças Armadas, o esquerda.net publicou uma entrevista com o Coronel António Calvinho, militar de Abril, fundador e ex-presidente da direção da ADFA. Por Mariana Carneiro.

Estilhaços de uma guerra maldita

Em novembro de 1970, o meu pai foi evacuado de Mueda para o Hospital Militar Principal, em Lisboa. Parte do seu corpo ficou em Moçambique. Consigo trouxe a certeza de que era preciso acabar com a guerra. E trouxe estilhaços, com os quais eu cresci. Por Mariana Carneiro.

Imagem que figura na capa da última edição do livro Nó Cego, de Carlos Vale Ferraz.

“Esta é uma guerra que, entre nós, nunca existiu”

Para que a memória não se apague, e para desconstruir alguns dos mitos que ainda persistem sobre a Guerra Colonial, vale a pena (re)visitar o livro “Nó Cego”, de Carlos Vale Ferraz. A nova edição desta obra foi apresentada em Lisboa e sobre ela conversaram o autor, António-Pedro Vasconcelos e João de Melo. Por Mariana Carneiro.

Racismo institucional, legado do colonialismo

Passados mais de 45 anos das independências das nações ocupadas por Portugal, o colonialismo continua vivo, sendo o racismo o seu maior legado. Por Beatriz Gomes Dias.

“É preciso romper com o mito de que fomos bons colonizadores”

André Amálio tem-se dedicado ao teatro documental sobre o passado colonial português. O fundador da companhia de teatro Hotel Europa defende que “o sector cultural tem que estar na vanguarda destas mudanças, trabalhando ao lado de outro tipo de agentes que estejam a refletir sobre estas temáticas na nossa sociedade”. Entrevista conduzida por Mariana Carneiro.

AFONSO, Aniceto; GOMES, Carlos de Matos Gomes. Guerra Colonial. Edição: Editorial Notícias, abril de 2000

Guerra Colonial na Literatura e Cinema

Neste artigo disponibilizamos uma seleção de filmes, documentários, séries, livros e artigos sobre a Guerra Colonial ou relacionados com esta temática. Por Mariana Carneiro.