Está aqui

“A Guerra Colonial através da correspondência de quem a viveu”

Na passada terça-feira, o Museu do Aljube foi palco da apresentação do livro Sinais de Vida - Cartas da Guerra 1961-1974, de Joana Pontes, que deu corpo a uma das mais recentes investigações sobre a Guerra Colonial. Este trabalho tem como base milhares de cartas que militares enviaram ou receberam durante o conflito. Por Mariana Carneiro.
Apresentação do livro Sinais de Vida - Cartas da Guerra 1961-1974, de Joana Pontes. Foto de Mariana Carneiro.
Apresentação do livro Sinais de Vida - Cartas da Guerra 1961-1974, de Joana Pontes. Foto de Mariana Carneiro.

Conforme explica o Coronel Aniceto Afonso no prefácio da obra, a autora e dois membros da sua equipa abordaram, em 2002, o então diretor do Arquivo Histórico Militar no sentido de proporem a constituição de uma Liga dos Amigos do Arquivo Histórico Militar (LAAHM). Joana Pontes tinha realizado recentemente o documentário A Hora da Liberdade, sobre o dia 25 de Abril de 1974, e a série de 13 episódios O Século XX Português, ambos exibidos na SIC, tendo constatado, durante as entrevistas que realizou no âmbito destes trabalhos, que era fundamental reunir os espólios e acervos documentais que muitos ex-combatentes e seus familiares guardavam em casa.

Constituída a LAAHM, o Coronel Aniceto Afonso e a equipa de Joana Pontes desenvolveram o Projecto Recolha. Da análise da correspondência trocada em 13 anos de Guerra Colonial, acabou por surgir o projeto de tese de doutoramento de Joana Pontes, que agora se consubstancia nesta obra, através da qual somos transportados para “as histórias dentro da História, neste caso escrita por quem a viveu”. Em causa estão 16 acervos, com cerca de 4400 cartas e aerogramas que militares enviaram ou receberam entre 1961 e 1974.

Antes da publicação da primeira edição de Sinais de Vida - Cartas da Guerra 1961-1974, datada de novembro de 2019, Joana Pontes realizou, com António Barreto, a série televisiva Portugal, um Retrato Social, os documentários Nós e a Televisão e A Televisão e o Poder, emitidos pela RTP, bem como o documentário O Escritor Prodigioso, dedicado a Jorge de Sena.

“Assumir responsabilidades históricas que o tempo nos exige”

Durante a apresentação da obra, o Coronel Aniceto Afonso destacou a importância de “assumir responsabilidades históricas que o tempo nos exige”.

Para tal, é necessário “regressar a esse período, dando testemunho do que aconteceu. Incentivar e apoiar a investigação sobre a guerra como acontecimento marcante da nossa contemporaneidade. Tornar visível a questão, discutindo-a com argumentos e explicações convincentes”. E foi isso que, de acordo com o ex-diretor do Arquivo Histórico Militar, a Joana Pontes fez.

“Traz-nos ainda mais assuntos de reflexão em cada página, em cada transcrição resultante da leitura atenta destas 4400 cartas. Um incentivo, um desafio a irmos mais longe”, afirmou o Coronel Aniceto Afonso.

Na sua opinião, “um livro destes não pode deixar de causar impacto e consequências”: “Não sendo o primeiro livro sobre cartas de guerra, não pode ser o último. A história deste conflito continua em nossas casas, onde guardamos essas memórias. Se estes estudos e estes livros servirem para recolhermos esses pedaços da nossa vida comum de um período tão marcante, terá valido a pena”, frisou.

O Oficial do Exército reforçou ainda que “é bom que possamos continuar ou retomar este esforço de recolha destas histórias desconhecidas que moldaram o nosso passado recente. Conhecê-lo faz-nos entender quem somos e de onde vimos”.

A evolução no pensamento dos militares

Joana Pontes explicou que, à partida, se propôs aferir se existiu ou não uma evolução no pensamento dos militares envolvidos, seja dentro de cada comissão como no que respeita ao tempo geral da guerra. Em causa estão “dois movimentos: dentro de cada comissão militar e o grande movimento de 61 a 74”.

“Houve, de facto, uma evolução. Não é política no sentido que atribuímos à palavra hoje. Estas pessoas não eram politizadas. Mas há uma evolução no pensamento que começa a incorporar reflexões a partir daquilo que cada militar vai vendo, nos sítios onde vai estando, nas realidades que vai encontrando e depois no contacto que tem com aqueles que já foram e que, entretanto, disseram como é que era, e com os que vão chegando”, sinalizou a autora.

Segundo Joana Pontes, a partir de certo momento, também se sente muito a presença de oficiais milicianos que chegam e que começam a falar da situação do país noutros termos. “Há uma espécie de contaminação em que vão chegando ideias, aparecem livros, aparecem jornais e vão chegando cada vez mais outras maneiras de ver”, destacou.

A escritora deu o exemplo da correspondência de um oficial do quadro que chega a Angola e começa a escrever sobre os documentos que vai lendo e sobre as coisas de que se vai apercebendo. Esse oficial acaba por cumprir duas comissões, uma em Angola e outra em Moçambique, e é manifesta a evolução do seu pensamento entre uma comissão e outra.

Conforme avançou Joana Pontes, nesse questionamento vislumbramos o início do movimento dos capitães.

“No início da guerra há uma maneira um pouco estereotipada de ver os acontecimentos, até nos próprios livros das unidades, mas, à medida que o tempo vai passando, apercebemo-nos de uma alteração na compreensão geral da guerra, que eu tomaria a liberdade de dizer que é política num sentido muito lato”, salientou a autora.

Joana Pontes referiu ainda que, através da análise desta correspondência, foi possível perceber o que era o regime e a maneira como as pessoas viviam: “Se estas cartas, de alguma maneira, dão a ver alguma coisa, é a espessura do Estado Novo naquele tempo, de 61 a 74”, vincou.

A escritora defendeu que a forma “como as pessoas comuns são envolvidas e vivem estes acontecimentos muito marcantes tem de ser mais estudada e tem de aparecer na grande história”.

Durante a apresentação foi ainda referido, quer pela autora e pelo Coronel Aniceto Afonso, como por algumas das pessoas presentes, que ainda persistem dificuldades no acesso a arquivos e documentação oficial, e que o estado de tratamento dos acervos e fundos documentais respeitantes à guerra deve ser uma preocupação a ter em conta.

(...)

Resto dossier

(1964), "“Guerra Colonial”: exército português em operações.", Fundação Mário Soares / AMS - Arquivo Mário Soares - Fotografias Exposição Permanente, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_114094

As feridas abertas da Guerra Colonial

A Guerra Colonial durou mais do dobro da Segunda Guerra Mundial e fez milhares de mortos portugueses e africanos. Urge quebrar o silêncio e desconstruir os mitos em torno deste conflito e do passado colonialista de Portugal. Assim como é imperativo dar visibilidade e garantir direitos às suas vítimas. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

Apresentação do livro Sinais de Vida - Cartas da Guerra 1961-1974, de Joana Pontes. Foto de Mariana Carneiro.

“A Guerra Colonial através da correspondência de quem a viveu”

Na passada terça-feira, o Museu do Aljube foi palco da apresentação do livro Sinais de Vida - Cartas da Guerra 1961-1974, de Joana Pontes, que deu corpo a uma das mais recentes investigações sobre a Guerra Colonial. Este trabalho tem como base milhares de cartas que militares enviaram ou receberam durante o conflito. Por Mariana Carneiro.

A velha questão da política e da guerra, a propósito das mágoas do fim do império

As forças armadas portuguesas fizeram em abril de 1974 o que as eleições fazem (ou podem fazer) nos regimes democráticos: o corte com uma solução inviável, demasiado custosa e que se tornara anacrónica. Por Carlos Matos Gomes.

Hastear da bandeira da Guiné Bissau após o arrear da de Portugal em Canjadude. Foto (original a cores) de João Carvalho, Wikimedia - domínio público.

Da guerra colonial às independências africanas

A constituição de Estados-nação cujas independências se afirmaram contra a dominação colonial produzirá um contexto marcado pela tensão entre a herança colonial e a celebração das possibilidades para novos começos. Por Bruno Sena Martins e Miguel Cardina.

Mural em batepá. Foto de Inês Nascimento Rodrigues.

O "Massacre de Batepá" em São Tomé e Príncipe: ecos desde 1953 à atualidade

Tendo-se desenrolado em 1953, anos antes da eclosão das guerras coloniais e de libertação, o "Massacre de Batepá" demonstra como o recurso à violência física (e simbólica) não foi uma exceção na gestão e domínio dos territórios colonizados por portugueses. Por Inês Nascimento Rodrigues.

Massacre de Pindjiguiti, Bissau. Reprodução.

3 de Agosto de 1959, Massacre de Pindjiguiti, Bissau

Marinheiros, estivadores e trabalhadores das docas foram violentamente reprimidos por funcionários coloniais, polícia e militares, e alguns civis, repressão esta que viria a resultar em cinquenta mortos e cerca de uma centena de feridos. Por Sílvia Roque.

Massacre de Mueda. Foto publicada na página de internet do Governo da Província de Tete.

16 de Junho de 1960. Massacre de Mueda, Moçambique

Portugal no seu todo muito simplesmente não tinha percebido que já se estava nos anos sessenta. Dez ou seiscentos mortos, o significado político de Mueda não muda, abriu uma nova era. Por Michel Cahen.

Wiriamu: O massacre esquecido

O massacre de que vos quero falar aconteceu connosco. Os intervenientes eram portugueses. Aconteceu em Moçambique. E é estranho que já ninguém pareça recordar-se dele: é incómodo e por isso tenta-se esquecê-lo. Por Carmo Vicente.

Amílcar Cabral - Foto wikipedia

Amílcar Cabral: Libertação nacional e cultura

O domínio “só se pode manter com uma repressão permanente e organizada da vida cultural desse povo [o povo dominado], não podendo garantir definitivamente a sua implantação a não ser pela liquidação física de parte significativa da população dominada”. Por Amílcar Cabral.

Socorristas num posto sanitário simples e descartável aquando de ameaças de bombardeamento aéreo.

O Sector da Saúde na Luta de Libertação da Guiné-Bissau

Não se pode deixar de valorizar, e com vénia, a dedicação, o empenho e a solidariedade de todos quantos se prestaram a esse esforço, sem salários nem qualquer tipo de compensação! Que pena não poder citar os nomes de todos eles. Por Manuel Boal.

Um combate pela Liberdade

Oriundo dum país colonizado, participei desde jovem no combate contra o domínio colonial e pude assistir ao fim dessa dominação sobre a maior parte da Humanidade de então. Por Adolfo Maria.

Margens do rio Onzo, Angola. Foto Wikipedia.

Crescer em tempo de guerra

Há ainda um longo caminho a percorrer, para que se acalmem as guerras da memória, quer as que perturbam o trabalho dos historiadores, quer as que se travam na memória daqueles que as viveram. Por Diana Andringa.

Lourenço Marques, atual Maputo, nos anos 50: Uma cidade colonial. Foto publicada em https://delagoabayworld.wordpress.com

Moçambique, final dos anos cinquenta

Era estranha esta invisibilidade dos indígenas, a sua quase não humanidade. Uma imensa maioria, 98 % da população, e eram como que inexistentes, surgiam silenciosamente quando necessários e desapareciam quando desnecessários. Por Helena Cabeçadas.

José Bação Leal: “Tentarei o canto mesmo de gatas”

Neste artigo, no qual reproduzimos, na íntegra, o documentário “Poeticamente Exausto, Verticalmente Só - A história de José Bação Leal”, um jovem e promissor poeta, falecido em Moçambique durante a guerra colonial, a realizadora, Luísa Marinho, explica o que a levou a desenvolver este projeto.

A deserção colectiva de 10 ex-oficiais-alunos da Academia Militar

Devo começar por dizer que se trata da mais importante deserção colectiva organizada durante os 14 anos de duração da guerra em África. Não apenas pelo número de elementos nela envolvidos mas também por outras razões que dela fazem um acontecimento singular. Por Fernando Mariano Cardeira.

Comandos Africanos: “Os portugueses traíram-nos, fomos abandonados sem piedade”

Mário Sani é um dos mais de 600 Comandos Africanos das Forças Armadas portuguesas na Guiné que Portugal abandonou à sua sorte, depois de a colónia que explorava ter conquistado a independência. Por Sofia da Palma Rodrigues.

Ponte Aérea Luanda-Lisboa. Fotografia reproduzida em Júlio Magalhães, Os Retornados. Um Amor Nunca se Esquece (Lisboa: A Esfera dos Livros, 2008), p. 119.

Descolonização e retorno à antiga metrópole: a memória difícil do fim do império

Guerra colonial, descolonização e retorno de África, uma herança que ainda aguarda por uma plena inscrição no discurso da história e da memória do Portugal contemporâneo. Por Elsa Peralta.

Foto de Barnabé Freixo, Flickr.

“É urgente tirar filhos de militares portugueses da invisibilidade”

Catarina Gomes, jornalista, e autora do livro Furriel não é nome de pai, defende que é preciso romper com o “silêncio social” em torno deste assunto e reconhecer a cidadania portuguesa aos filhos que os militares deixaram na Guerra Colonial. Entrevista conduzida por Mariana Carneiro.

ADFA assumiu-se como a "força justa das vítimas de uma guerra injusta"

No dia em que se assinalou o 45º aniversário da Associação dos Deficientes das Forças Armadas, o esquerda.net publicou uma entrevista com o Coronel António Calvinho, militar de Abril, fundador e ex-presidente da direção da ADFA. Por Mariana Carneiro.

Jorge Carneiro, Montepuez, Moçambique.

Estilhaços de uma guerra maldita

Em novembro de 1970, o meu pai foi evacuado de Mueda para o Hospital Militar Principal, em Lisboa. Parte do seu corpo ficou em Moçambique. Consigo trouxe a certeza de que era preciso acabar com a guerra. E trouxe estilhaços, com os quais eu cresci. Por Mariana Carneiro.

Imagem que figura na capa da última edição do livro Nó Cego, de Carlos Vale Ferraz.

“Esta é uma guerra que, entre nós, nunca existiu”

Para que a memória não se apague, e para desconstruir alguns dos mitos que ainda persistem sobre a Guerra Colonial, vale a pena (re)visitar o livro “Nó Cego”, de Carlos Vale Ferraz. A nova edição desta obra foi apresentada em Lisboa e sobre ela conversaram o autor, António-Pedro Vasconcelos e João de Melo. Por Mariana Carneiro.

Racismo institucional, legado do colonialismo

Passados mais de 45 anos das independências das nações ocupadas por Portugal, o colonialismo continua vivo, sendo o racismo o seu maior legado. Por Beatriz Gomes Dias.

“É preciso romper com o mito de que fomos bons colonizadores”

André Amálio tem-se dedicado ao teatro documental sobre o passado colonial português. O fundador da companhia de teatro Hotel Europa defende que “o sector cultural tem que estar na vanguarda destas mudanças, trabalhando ao lado de outro tipo de agentes que estejam a refletir sobre estas temáticas na nossa sociedade”. Entrevista conduzida por Mariana Carneiro.

AFONSO, Aniceto; GOMES, Carlos de Matos Gomes. Guerra Colonial. Edição: Editorial Notícias, abril de 2000

Guerra Colonial na Literatura e Cinema

Neste artigo disponibilizamos uma seleção de filmes, documentários, séries, livros e artigos sobre a Guerra Colonial ou relacionados com esta temática. Por Mariana Carneiro.