Está aqui

Literacia de corpo

O ciclo menstrual vem sendo referido por entidades na área da saúde ginecológica e pediátrica como um sinal vital de saúde, a ser observado quando se apresenta fora da norma, retirando-o da cena reprodutiva ao qual esteve reduzido desde sempre.
Esta mudança é importante pois retira o foco da menstruação e foca-se no ciclo menstrual como barómetro interno de saúde geral. Artigo de Patrícia Lemos.
Literacia de corpo

A chegada da menarca (primeira menstruação) é um marco na vida de quem menstrua, quer por questões de enquadramento social, quer porque sinaliza um corpo saudável, a instalação da puberdade e a entrada nos anos férteis. 


Permanecemos cultural e clinicamente focados no sangue menstrual, quando a menstruação é apenas parte de um todo que o justifica: o ciclo menstrual.


Desde 2015 que o ciclo menstrual vem a ser referido por entidades internacionais na área da saúde ginecológica e pediátrica[1] como um sinal vital de saúde, que deve ser observado e investigado quando se apresenta fora da norma, retirando-o da cena reprodutiva ao qual esteve reduzido exclusivamente desde sempre.


Esta é uma mudança importante porque propõe uma perspectiva inovadora: retirar o foco da menstruação para abranger todo o ciclo menstrual e, depois, olhar para este "todo" como barómetro interno de saúde geral.


Ao entendimento e valoração da expressão deste sinal vital damos o nome de “literacia de corpo” e é urgente reformular, com base na evidência recente, a informação passada sobre o ciclo menstrual a pais, educadores, cuidadores, jovens e profissionais de saúde. 



Importa sobretudo atualizar o que é "normal" na linha de tempo dos quarenta anos menstruais, por questões de qualidade de vida de quem menstrua, para promoção de escolhas adequadas relativamente à gestão da saúde menstrual, sexual e reprodutiva, e para que não tardem diagnósticos de condições de saúde.

A dificuldade da gestão da menstruação, seja por questões de pobreza menstrual seja por sintomas associados, empurra facilmente quem menstrua (e sobretudo jovens e adolescentes) no sentido da supressão do ciclo através de contraceção hormonal contínua.

Ora, se por um lado é absolutamente inegável a sua importância nos últimos 50 anos, e utilidade na gestão da nossa fecundidade, por outro, urge respeitar o processo e o tempo de maturação do corpo adolescente sob pena de incorrermos numa medicalização desnecessária, silenciando sintomas que podem ser valiosas pistas no sentido de um diagnóstico precoce.


O olhar sobre a dor menstrual forte, a irregularidade de ciclo, os períodos abundantes e todas as maleitas conhecidas de um corpo que menstrua, são hoje vistas sob outra lente: são ajudas ao diagnóstico de condições de saúde relacionadas com o funcionamento da tiróide, questões genéticas, de coagulação, endócrinas ou metabólicas, endometriose, etc. que devem ser investigadas.


Precisamos de políticas de educação para a literacia de corpo que não é a educação sexual que promovemos nas escolas, onde o ciclo menstrual permanece reduzido à sua função reprodutora.


Nem todas as pessoas que menstruam querem fazer uso dessa sua possibilidade reprodutiva mas todas deveriam saber que o ciclo lhes é útil como sistema de feedback de saúde, e que as hormonas produzidas durante o ciclo menstrual impactam positivamente na sua saúde óssea, cardio-vascular, mamária, etc., a fim de poderem fazer escolhas informadas e adequadas às suas diferentes fases de vida.


A literacia de corpo é um recurso tão essencial ao indivíduo que menstrua, quanto indispensável às novas políticas de saúde pública, para atualização de políticas de promoção da saúde, na otimização de processos e no encurtamento dos tempo de diagnóstico.


Patrícia Lemos, educadora menstrual e para a fertilidade. Fundadora do Círculo Perfeito®.



Notas

  1. ^ Colégio Americano de Ginecologistas e Obstetras; Associação America de Pediatria

(...)

Resto dossier

Resgatar o corpo: perspetivas feministas

Resgatar o corpo: perspetivas feministas

O movimento feminista tem sido tomado, por vezes, por um discurso vitimista, muito devido à centralidade da violência doméstica e de género. Que efeitos produz essa agenda? Que mulheres resultam de um movimento que as projeta quase exclusivamente como vítimas? Que sexualidade e corpos sobrevivem a uma narrativa de medo e dor? Dossier organizado por Ana Catarina Marques.

Do outro lado do espelho

Do outro lado do espelho

De espaços masculinos passamos a espaços segregados; agora, já fazemos a disputa pela paridade. No entanto, o sistema patriarcal-capitalista manteve-se e, por isso, a opressão e a exploração não são conversa ultrapassada, mas realidade quotidiana. Precisamos perguntar-nos se este modelo nos serve, se o que nos mobiliza, afinal, é a igualdade num sistema de dominação ou o fim da dominação. Artigo de Andrea Peniche.

Chega de assédio! É tempo de desconfinar as mulheres na esfera pública

Chega de assédio! É tempo de desconfinar as mulheres na esfera pública

Enquanto matriz estrutural e profundamente enraizada na nossa cultura, as formas de opressão e subalternização das mulheres ajustaram-se às novas circunstâncias, colocando-as perante múltiplas dicotomias e papeis difíceis de conciliar. Artigo de Cristina Vale Pires.

Prazer, uma questão de género ou de opressão?

Prazer, uma questão de género ou de opressão?

O dito desejo sexual feminino é um dos maiores campos de batalha de forças sociais contrárias. Criam-se arquétipos: a reservada e a fatal, onde nenhuma age por prazer. Quem resiste é catalogada de insubmissa, inconformada e frigida ou ninfomaniaca, sem o correspondente satírico ainda em uso. A galdéria, a vadia, a autodeterminada. Artigo de Carmo Gê Pereira.

Literacia de corpo

Literacia de corpo

O ciclo menstrual vem sendo referido por entidades na área da saúde ginecológica e pediátrica como um sinal vital de saúde: deixou de ter um significado meramente reprodutivo.
Esta mudança é importante pois retira o foco da menstruação e instroduz o ciclo menstrual como barómetro interno de saúde. Artigo de Patrícia Lemos.

Depilação: uma construção patriarcal do “feminino”

Depilação: uma construção patriarcal do “feminino”

À pergunta "porque é que nos depilamos?", as respostas começam sempre com a maior das mentiras sobre o nosso corpo: é mais higiénico. Depois passam para as questões estéticas: gosto mais assim, os pelos são feios. Por último, a toalha é atirada ao chão com “É uma escolha minha”. É verdade, é uma escolha nossa. Mas temos de perceber porquê. Artigo de Ana Catarina Marques.

Corpos escandalosos: binariedade patriarcal contra as pessoas intersexo

Corpos escandalosos: binariedade patriarcal contra as pessoas intersexo

Hoje, e desde os anos 60, os médicos tentam "corrigir" os corpos intersexuais o mais cedo possível, com cirurgias e tratamentos hormonais. Estes actos médicos são praticados sem que a comunidade os peça e maioritariamente à nascença ou a crianças. Artigo de Loé Petit.

Endometriose: quando seremos ouvidas?

Endometriose: quando seremos ouvidas?

1 em cada 10 pessoas com vagina tem endometriose. Quando existem dores lancinantes, estas são menosprezadas. A proposta dos médicos é a pílula ou acompanhamento psicológico. O tabu da menstruação, o medo da ridicularização, a vergonha da dor que supostamente é normal e a desvalorização desta pela comunidade médica impedem-nos de conhecer a dimensão do problema. Artigo de Catarina Maia.

SNS: um Sistema Nacional de Saúde machista e heteronormativo

SNS: um Sistema Nacional de Saúde machista e heteronormativo

A saúde da mulher necessita de ser revisitada nos seus propósitos de forma a que consiga dar resposta à mulher no seu todo: corpo, saúde, contraceção e maternidade, estimulando e refletindo sobre as pressões que a cultura de género exerce sobre esta. Artigo de Joana Correia Pires.