Está aqui

Corpos escandalosos: binariedade patriarcal contra as pessoas intersexo

Hoje, e desde os anos 60, os médicos tentam "corrigir" os corpos intersexuais o mais cedo possível, com cirurgias e tratamentos hormonais. Estes actos médicos são praticados sem que a comunidade os peça e maioritariamente à nascença ou a crianças. Artigo de Loé Petit.
Corpos escandalosos: binariedade patriarcal contra as pessoas intersexo
Ilustração de Kahalia.

De acordo com a definição da ONU, as pessoas intersexo têm "características físicas ou biológicas, tais como anatomia sexual, genitália, funcionamento hormonal ou padrão cromossómico, que não correspondem às definições clássicas de masculinidade e feminilidade. Estas características podem manifestar-se à nascença ou mais tarde na vida, frequentemente na puberdade".

Os traços intersexos, sejam eles dos orgãos genitais internos ou externos, ou características secundárias como os seios ou a pilosidade, são os considerados demasiado atípicos pelas normas médicas. Tratam-se de considerações muito sociais, por exemplo, quando é que os pêlos faciais de uma mulher são considerados hirsutismo e, portanto, uma doença? Isso depende muito das sociedades.

Hoje, e desde os anos 60, os médicos tentam "corrigir" os corpos intersexuais o mais cedo possível, com cirurgias e tratamentos hormonais. Assim que existe uma variação, tentam apagá-la, se possível desde o nascimento, apesar das consequências dramáticas para a saúde física, psicológica e sexual das pessoas, quer em termos de traumatismos, efeitos secundários, complicações ou infecções frequentes.

É também uma ilusão porque as variações tornam-se sempre visíveis novamente na puberdade, e não algo que um simples "acto médico inofensivo nos primeiros meses de vida", como os médicos gostam de o apresentar, irá realmente suprimir. Também não se trata de cuidados, porque estas variações não apresentam quaisquer riscos para a saúde, com exceções muito raras, como situações em que a urina ou a menstruação devem ser permitidas. Na maioria das vezes são operações meramente normalizadoras e tratamentos hormonais segundo critérios heteropatriarcais: qual é a urgência de criar uma vagina para uma criança com menos de 2 anos de idade?

Outra especificidade da repressão social das pessoas intersexo é que estes actos nunca foram exigidos pela própria comunidade intersexo e são cometidos em massa sobre menores; trata-se de uma decisão unilateral da profissão médica, enquanto estudos anteriores demonstraram que as pessoas intersexo sem acompanhamento médico não são mais infelizes do que as outras.

Diz-se frequentemente que as características intersexuais são apenas casos-limite, anomalias que não põem em causa a binaridade fundamental dos sexos, e que a percentagem é de 1 por 1000 nascimentos. Os números da ONU dão 1,7% dos nascimentos, mas a realidade é muito provavelmente mais elevada. Em qualquer caso, por um lado, pertencer a um grupo minoritário não retira uma pessoa do âmbito do direito comum, incluindo o direito à integridade física e sexual; por outro lado, é o próprio princípio do contra-exemplo que aqui é apagado com um bisturi e injecções.

Os médicos estão na linha da frente na defesa de um mito patriarcal da binariedade dos sexos, que é fundamentalmente utilizado para determinar que categoria da população (homens) pode oprimir e explorar a outra (mulheres). Os corpos intersexo são campos de batalha.  


Loé Petit - Projeto de consciencialização sobre as questões Intersexo. Tradução para português por Catarina Fernandes.

(...)

Resto dossier

Resgatar o corpo: perspetivas feministas

Resgatar o corpo: perspetivas feministas

O movimento feminista tem sido tomado, por vezes, por um discurso vitimista, muito devido à centralidade da violência doméstica e de género. Que efeitos produz essa agenda? Que mulheres resultam de um movimento que as projeta quase exclusivamente como vítimas? Que sexualidade e corpos sobrevivem a uma narrativa de medo e dor? Dossier organizado por Ana Catarina Marques.

Do outro lado do espelho

Do outro lado do espelho

De espaços masculinos passamos a espaços segregados; agora, já fazemos a disputa pela paridade. No entanto, o sistema patriarcal-capitalista manteve-se e, por isso, a opressão e a exploração não são conversa ultrapassada, mas realidade quotidiana. Precisamos perguntar-nos se este modelo nos serve, se o que nos mobiliza, afinal, é a igualdade num sistema de dominação ou o fim da dominação. Artigo de Andrea Peniche.

Chega de assédio! É tempo de desconfinar as mulheres na esfera pública

Chega de assédio! É tempo de desconfinar as mulheres na esfera pública

Enquanto matriz estrutural e profundamente enraizada na nossa cultura, as formas de opressão e subalternização das mulheres ajustaram-se às novas circunstâncias, colocando-as perante múltiplas dicotomias e papeis difíceis de conciliar. Artigo de Cristina Vale Pires.

Prazer, uma questão de género ou de opressão?

Prazer, uma questão de género ou de opressão?

O dito desejo sexual feminino é um dos maiores campos de batalha de forças sociais contrárias. Criam-se arquétipos: a reservada e a fatal, onde nenhuma age por prazer. Quem resiste é catalogada de insubmissa, inconformada e frigida ou ninfomaniaca, sem o correspondente satírico ainda em uso. A galdéria, a vadia, a autodeterminada. Artigo de Carmo Gê Pereira.

Literacia de corpo

Literacia de corpo

O ciclo menstrual vem sendo referido por entidades na área da saúde ginecológica e pediátrica como um sinal vital de saúde: deixou de ter um significado meramente reprodutivo.
Esta mudança é importante pois retira o foco da menstruação e instroduz o ciclo menstrual como barómetro interno de saúde. Artigo de Patrícia Lemos.

Depilação: uma construção patriarcal do “feminino”

Depilação: uma construção patriarcal do “feminino”

À pergunta "porque é que nos depilamos?", as respostas começam sempre com a maior das mentiras sobre o nosso corpo: é mais higiénico. Depois passam para as questões estéticas: gosto mais assim, os pelos são feios. Por último, a toalha é atirada ao chão com “É uma escolha minha”. É verdade, é uma escolha nossa. Mas temos de perceber porquê. Artigo de Ana Catarina Marques.

Corpos escandalosos: binariedade patriarcal contra as pessoas intersexo

Corpos escandalosos: binariedade patriarcal contra as pessoas intersexo

Hoje, e desde os anos 60, os médicos tentam "corrigir" os corpos intersexuais o mais cedo possível, com cirurgias e tratamentos hormonais. Estes actos médicos são praticados sem que a comunidade os peça e maioritariamente à nascença ou a crianças. Artigo de Loé Petit.

Endometriose: quando seremos ouvidas?

Endometriose: quando seremos ouvidas?

1 em cada 10 pessoas com vagina tem endometriose. Quando existem dores lancinantes, estas são menosprezadas. A proposta dos médicos é a pílula ou acompanhamento psicológico. O tabu da menstruação, o medo da ridicularização, a vergonha da dor que supostamente é normal e a desvalorização desta pela comunidade médica impedem-nos de conhecer a dimensão do problema. Artigo de Catarina Maia.

SNS: um Sistema Nacional de Saúde machista e heteronormativo

SNS: um Sistema Nacional de Saúde machista e heteronormativo

A saúde da mulher necessita de ser revisitada nos seus propósitos de forma a que consiga dar resposta à mulher no seu todo: corpo, saúde, contraceção e maternidade, estimulando e refletindo sobre as pressões que a cultura de género exerce sobre esta. Artigo de Joana Correia Pires.