Está aqui

"A Europa e o euro caminham para o suicídio"

2011 foi o ano da crise do euro, que ameaça prolongar-se numa agonia em 2012. Na opinião do Prémio Nobel de Economia de 2001, Joseph Stiglitz, em entrevista ao jornal Página/12, a conceção geral da União Europeia foi errada.
Stiglitz: estão a colocar os lucros dos bancos acima das pessoas.

Por que a crise se instalou na Europa e não se vislumbra uma saída?

Creio que o problema fundamental é que a conceção geral da União Europeia foi errada. O Tratado de Maastricht estabeleceu que os países deveriam manter défices baixos e uma proporção reduzida da dívida em relação ao PIB. Os líderes da UE pensaram que isso seria suficiente para fazer o euro funcionar. No entanto, Espanha e Irlanda tinham superávit antes da crise e uma boa proporção de dívida em relação ao PIB e, mesmo assim, estão com problemas. Alguém poderia pensar que, em função dos acontecimentos recentes, a UE se teria dado conta de que essas regras não eram suficientes. Mas os seus líderes não aprenderam isso.

A que se refere?

Agora propõem o que chamam de uma “união fiscal”, o que, na verdade, é só a imposição de maior austeridade. Reclamar austeridade agora é uma forma de assegurar-se que as economias colapsem. Creio que o esquema que a Alemanha está a impor ao resto da Europa vai conduzir à mesma experiência que a Argentina teve com o FMI, com austeridade, PIB a cair, magras receitas fiscais e, por isso, a suposta necessidade de reduzir mais o défice.

Isso gera uma queda em espiral, que conduz a mais desemprego, pobreza e aprofunda as desigualdades. O défice fiscal não foi a origem da crise, mas sim foi a crise que acabou gerando o défice fiscal.

Que papel desempenha o Banco Central Europeu neste processo?

O BCE torna as coisas ainda mais complicadas, porque tem o mandato de se preocupar somente com a inflação, quando, em troca, o crescimento, o desemprego e a estabilidade financeira importam muito mais agora. Além disso, o BCE não é democrático. Pode decidir políticas que não estão de acordo com o que os cidadãos querem. Basicamente, representa os interesses dos bancos, não regula o sistema financeiro de forma adequada e há uma atitude de estímulo aos CDS (Credit Default Swaps) que são instrumentos muito envenenados. Isso também é uma prova de que os bancos centrais não são independentes, mas sim políticos.

Como explicar o facto de a Alemanha e a França estarem a empurrar os europeus para esse abismo?

Creio que eles querem fazer as coisas corretas, mas têm ideias económicas erradas.

Estão errados ou, na verdade, representam interesses de determinados setores?

Creio que ambas as coisas. Por exemplo, é claro que estão colocando os lucros dos bancos acima das pessoas. Isso é claro para o caso do BCE, mas não creio que seja claro para Nicolas Sarkozy ou Angela Merkel – presidente da França e chanceler de Alemanha, respetivamente. Creio que eles estão convencidos. Podem estar a proteger os bancos, mas fazem-no porque acreditam que, se os bancos caem, a economia cairá. Por isso digo que têm um olhar errado, além de que não creio que estejam a colocar os interesses dos gregos ou dos espanhóis no topo da agenda. Esse é outro problema, a falta de solidariedade. Eles dizem que não é uma “união de transferência de dinheiro”. De fato é, mas a transferência de dinheiro vai da Grécia para a Alemanha.

A união monetária é um problema em si mesmo?

Sim, é um problema. Não há suficiente similitude entre os países para que funcione. Com a união monetária eles ficaram sem um mecanismo de ajuste, como é a modificação dos tipos de câmbio. É como ter importado um padrão ouro nessa parte do mundo. Se tivessem um banco central com um mandato mais amplo que contemplasse, além da inflação, o crescimento e o desemprego, com uma cooperação fiscal real e assistência através das fronteiras, então seria concebível o funcionamento da união monetária, e ainda assim seria difícil. No atual esquema, pode funcionar, mas com um enorme sofrimento de muita gente

Que análise faz da aparição de governos tecnocráticos, como o de Mario Monti, na Itália, ou o de Lucas Papademus, na Grécia?

O principal problema é ter criado um marco económico a partir do qual a democracia ficou subordinada aos mercados financeiros. É algo que Merkel sabe muito bem. As pessoas votam, mas sentem-se chantageadas. Deveria reformular-se o marco económico para que as consequências de não seguir os mercados não sejam tão severas.

Em agosto, disse que o euro não tinha de desaparecer. Qual é sua posição agora?

Naquele momento eu era mais otimista. Pensava que os líderes iam dar-se conta de que o custo de dissolver o euro era muito alto. Mas, desde aquele momento, a confrontação com o mercado piorou e a incapacidade dos governos europeus tornou-se evidente. Em lugar de aprender com os erros, estão-nos repetindo. Creio que realmente querem sobreviver, mas demonstraram falta de entendimento de economia básica, o que me faz ter mais dúvidas.

É possível ter um euro a duas velocidades, como alguns economistas propõem?

Um euro a duas velocidades é uma das formas de rutura do euro. Isso pode ser possível, a solução pode ser a criação de duas moedas com mais solidariedade entre elas. A moeda única contribuiu para o problema. Não era inevitável o estouro, mas aconteceu. Quando se reconhece que os mercados têm quotas de irracionalidade, talvez seja melhor manter mais autonomia monetária.

Disse que a reestruturação da dívida é boa para as finanças públicas europeias e citou o exemplo da Argentina. Mas o nosso país também desvalorizou. Acredita que a Grécia precisa adotar essa medida?

Essa é a pergunta fundamental. A Grécia vai ter de reestruturar a sua dívida, isso é algo que todos aceitam agora, ao contrário do que ocorria há um ano. Se tivessem encaminhado as coisas de outra maneira há dois anos, a reestruturação poderia ter sido evitada. Em troca, impuseram a austeridade. Agora, a pergunta é: dada a reestruturação, isso será suficiente para recompor o crescimento económico? Acredito que a resposta, para a Grécia, é não. A menos que tenham algum tipo de ajuda externa, inclusive depois da reestruturação, estarão sob um regime de austeridade. Por isso o PIB vai cair ainda mais. Não há competitividade e há duas maneiras de consegui-la.

Uma é através de uma desvalorização interna, mas se os salários caem, a procura cai mais ainda e torna mais fraca a economia. Por outro lado, se a Grécia sai do euro e desvaloriza, a transição será difícil e complexa, mas uma vez que o processo tenha acabado, o fato de a Grécia fazer limite com a União Europeia será um impulso para a recuperação. Novos bancos instalar-se-iam e haveria mais comércio.

Entrevista por Tomás Lukin e Javier Lewkowicz, Página/12.

Tradução de Katarina Peixoto para Carta Maior.

(...)

Resto dossier

O Mundo em 2011

O ano de 2011 vai ser lembrado pela Primavera Árabe, pelo surgimento dos grandes movimentos sociais, pela crise do euro ou pelo terramoto, tsunami e crise nuclear de Fukushima? Certamente por todos estes eventos, que relembramos neste balanço internacional do ano, e muitos outros mais. Dossier coordenado por Luis Leiria.

Tunísia dá início à Primavera Árabe

No poder desde 1987, o presidente Ben Ali foi derrubado pela mobilização do povo tunisino e fugiu do país a 14 de janeiro. Foi o primeiro episódio da revolta que se espalhou pelo mundo árabe.

Mubarak, o segundo ditador a ser varrido pelo levante árabe

No poder há quase 30 anos, o presidente egípcio não conseguiu sobreviver a 17 dias de manifestações de milhões. Mas o combate para desalojar os militares continua a ser um eixo fundamental de luta.

Assange luta contra a extradição para a Suécia e Wikileaks luta pela sobrevivência

Fundador da organização acumulou derrotas na Justiça britânica contra a sua extradição para a Suécia, para ser interrogado pela acusação de crimes de natureza sexual.Mas a Wikileaks, apesar das dificuldades, manteve-se viva.

Subida de preços dos alimentos ameaça milhões

O alerta chegou em fevereiro: a FAO, Agência da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação, advertiu que os preços dos alimentos atingiram em janeiro o nível mais alto desde 1990, para um conjunto de produtos básicos, ameaçando desencadear uma nova crise alimentar, como a registada em 2007 e 2008.

Fukushima: o inferno que não termina

Uma solução definitiva para a crise nuclear, que não se restringe apenas aos reatores da central, levará algumas décadas. A maioria de nós não estará, provavelmente, presente no dia em que isso ocorrer. 

Extrema-direita em ascensão

Partidos racistas e xenófobos crescem eleitoralmente em muitos países e já causam preocupação na Europa.

Islândia disse pela 2ª vez "não" ao pagamento da dívida da banca

As ameaças foram muitas, a chantagem foi brutal. Mas não atemorizou os islandeses, que rejeitaram mais uma vez em referendo que o Estado pagasse a dívida de cerca de quatro mil milhões de euros à Holanda e ao Reino Unido.

Morte de Bin Laden

Depois de 10 anos de buscas infrutíferas, os EUA conseguiram localizar e matar o líder da Al-Qaeda. Apesar de estar desarmado e não ter tentado resistir, Bin Laden foi morto imediatamente. Segundo Noam Chomsky, “a operação foi um assassinato planeado, violando as normas elementares do direito internacional.”

Movimento 15-M, os 'Indignados' de Espanha

Em 15 de maio, realizaram-se manifestações em 58 cidades espanholas, marcando o nascimento do 15-M. Trata-se, diz Manuel Castells, de uma nova política para sair da crise a caminho de um novo modo de vida construído coletivamente.

'News of the World' encerra devido a escândalo de escutas telefónicas

O grupo mediático de Rupert Murdoch conseguiu durante anos espiar ilegalmente a vida de muita gente em Inglaterra. E com ligações próximas ao primeiro-ministro David Cameron, que teve um dos implicados no escândalo como diretor de comunicação do governo.

O Mundo em 2011: O fim da era dos vaivéns espaciais

O Atlantis aterrou pela última vez a 21 de julho e foi para o museu. O seu substituto não voará tão cedo. Os cortes orçamentais norte-americanos e europeus mostram a decadência da antes chamada “aventura no espaço”.

Palestina desafia EUA e pede reconhecimento na ONU

"Este é o momento da verdade e o meu povo está à espera de ouvir a resposta do mundo", declarou Abbas no discurso na Assembleia Geral da ONU. EUA anunciaram veto, mas a Palestina viu aceita a sua adesão à Unesco, uma decisão considerada “verdadeiramente histórica".

Ocupa Wall Street planeia mobilizações para 2012

No dia 17 de setembro, nascia o movimento “Ocupa Wall Street”. Nasceu em Nova York e espalhou-se para centenas de cidades nos EUA e no mundo. Adotou o slogan “Somos os 99%” e recebeu apoios variados de sindicatos, intelectuais, celebridades, e ateo presidente Obama se referiu positivamente a ele. Mas depois começou a ser reprimido. Agora, faz planos para 2012. Reportagem de Carlos Alberto Jr., direto de Washington, especial para a Carta Maior.

ETA anuncia o fim da luta armada

Anúncio oficial pôs fim a 43 anos de conflito armado. Coligação da esquerda nacionalista, nas eleições de novembro, teve resultado histórico.

Líbia: intervenção da Nato quis acabar com as revoltas árabes

Bombardeamentos casaram milhares de vítimas e procuraram garantir que o regime pós-Khadafi não saía fora do controlo dos EUA.

Clima: Durban adiou o urgente

A 17.ª Conferência do Clima da ONU, que terminou a 11 de dezembro, determinou que os países continuem a dormir até 2020. Enquanto isso, aumentam as catástrofes naturais agravadas pelo aquecimento global. Quando um eventual novo acordo, ainda por definir, entrar em vigor, metade do planeta já poderá estar inabitável.

"A Europa e o euro caminham para o suicídio"

2011 foi o ano da crise do euro, que ameaça prolongar-se numa agonia em 2012. Na opinião do Prémio Nobel de Economia de 2001, Joseph Stiglitz, em entrevista ao jornal Página/12, a conceção geral da União Europeia foi errada.

China: a revolução silenciosa

Não é raro que acontecimentos importantes nas nossas vidas ocorram sob os nossos narizes e sejamos os últimos a percebê-los. Esse parece ser o caso da nova revolução chinesa. Uma revolução silenciosa, que está a ocorrer diante dos nossos olhos e ninguém parece se dar conta.