Está aqui

Estado de Israel: o rufião mimado

Israel quebrou todos os compromissos que alicerçam o cessar-fogo precário, entre o Estado de Israel e a liderança do Hamas, e expande a ocupação de forma silenciosa. O poder que domina em Israel comporta-se como um rufião mimado que tem aquilo que quer e dispensa qualquer puxão de orelhas.
Shimon Peres e Barack Obama: Existe um fosso enorme entre aquilo que o Estado de Israel faz e aquilo que diz por uma simples razão: não querem saber. Fazem aquilo que lhes apetece, sem condicionantes ou consequências. Foto Barack Obama

Os holofotes acendem, liga-se o direto, apertam-se mãos, acena-se a cabeça e elaboram-se discursos hábeis sobre o processo de paz. Após 8 dias de um bombardeamento constante, onde foram lançados mais de 1.200 ataques aéreos pelas forças Israelitas, causando 166 mortes, procede-se um cessar-fogo entre o Estado de Israel e a liderança do Hamas, com o Egito servindo de intermediário. O Ministro dos Negócios Estrangeiros do Egito, Mohamed Kamel Amr, faz a mediação para se chegar a um cessar-fogo que é aceite por ambas as partes e contém 3 pontos essenciais:

1) Israel deverá parar todas as hostilidades na Faixa de Gaza, o que inclui incursões pelo ar, pela terra e pelo mar;

2) Todas as fações Palestinianas terão que por fim às hostilidades na Faixa de Gaza contra Israel, incluindo os ataques na fronteira e o lançamento de mísseis;

3) A abertura das passagens e a facilitação do movimento de pessoas e bens, tendo em especial atenção os cidadãos que vivem na Faixa de Gaza.

Todas estas medidas deveriam ser cumpridas 24 horas após o cessar-fogo. Deveriam, mas nada foi cumprido. Sem grandes surpresas, aconteceu o expectável: Israel quebrou todos os compromissos que alicerçam este cessar-fogo precário e expande a ocupação de forma silenciosa.

Israel quebrou o primeiro compromisso quando o cessar-fogo não tinha mais que uma semana. No dia 29 de novembro, a frota israelita capturou 6 pescadores palestinianos por estarem a 5 milhas da costa de Gaza. Entenda-se que, de acordo com os Acordos de Oslo de 1993, os pescadores palestinianos podem pescar até 20 milhas da costa. Mas isso não interessa, Israel faz o que quer, quando quer. No dia seguinte, a frota israelita abriu fogo a um barco de pesca palestiniano por estar a 3 milhas da Cidade de Gaza. Entre 29 de novembro e 5 de dezembro, os militares israelitas conduziram 47 incursões na Cisjordânia e uma na Faixa de Gaza. Os drones, aviões telecomandados do exército israelita, continuam a circular sobre as cidades. O cessar-fogo não tem significado nenhum.

No dia 30 de novembro, 9 dias após o cessar-fogo e 1 dia após o reconhecimento da Palestina como Estado observador não-membro na ONU, Israel aprova um plano para a construção de um colonato ilegal com mais de 3000 casas, cortando qualquer possibilidade de acesso das aldeias palestinianas a Jerusalém Oriental. Esta língua habitacional parte a Cisjordânia a meio. Conjugado com o labirinto de check-points militares e os restantes colonatos, a circulação dos palestinianos torna-se uma impossibilidade e a criação do Estado Palestiniano uma obra messiânica. Por cada passo que derem na construção de um Estado, os palestinianos serão punidos.

Entretanto, o bloqueio à faixa de Gaza mantém-se e nada foi feito para o aliviar,. O bloqueio intensifica o desastre humanitário naquela prisão ao ar livre. Assim rasga-se o compromisso e a vida de quem habita Gaza.

O cessar-fogo já apresentava as suas debilidades porque não aborda os eixos principais que estruturam a instabilidade no médio oriente: o bloqueio israelita a Gaza, a ocupação dos territórios palestinianos por parte de Israel e o não reconhecimento do Hamas como governo eleito na Faixa de Gaza. O que já era precário, desmoronou. Existe um fosso enorme entre aquilo que o Estado de Israel faz e aquilo que diz por uma simples razão: não querem saber. Fazem aquilo que lhes apetece, sem condicionantes ou consequências. É a lei do mais forte.

Desligam-se os holofotes, ouve-se o som agudo do fim da transmissão e abana-se a cabeça. Fica a promessa do governo israelita de somente desenvolver o processo, deixando a paz de lado. O poder que domina em Israel comporta-se como um rufião mimado que tem aquilo que quer e dispensa qualquer puxão de orelhas.

13 DEZEMBRO, 2012

Sobre o/a autor(a)

Mestre em Sociologia. Assessor do Bloco de Esquerda no Parlamento Europeu.
(...)

Resto dossier

Terceira Intifada na Palestina

A terceira Intifada, a revolta dos palestinianos contra o ocupante, já começou. Mas desta vez assume a forma da mobilização de massas não-violenta contra o regime de apartheid imposto por Israel, pela libertação dos presos e contra a extensão dos colonatos. Esta é a opinião de Mustafa Barghouti, líder da Iniciativa Nacional Palestina. Neste dossier, coordenado por Luis Leiria, procuramos atualizar a situação da luta dos palestinianos, incluindo artigos, entrevistas, relatos do local, reportagens.

A terceira Intifada

As “aldeias de tendas” e as manifestações semanais são algumas das táticas do movimento de resistência popular não-violento que vêm a crescer e a ganhar dinâmica nos territórios palestinianos ocupados por Israel. Para o médico Mustafa Barghouti, que dirige a Iniciativa Nacional Palestiniana, a terceira Intifada já começou, seguindo um modelo diferente e sem esperar ordens vindas de cima.

Artigo publicado originalmente na revista Vírus nº3.

Uma visita a Gaza, prisão a céu aberto

Entre os dias 1 e 3 de dezembro de 2012, a eurodeputada Alda Sousa visitou Gaza, numa delegação internacional de que fez parte também a deputada Helena Pinto. Foram os primeiros estrangeiros a entrar no território depois dos intensos bombardeios israelitas da chamada operação “Pilar de defesa”. Este é um caderno dessa viagem. As fotografias são de Ricardo Sá Ferreira.

O que foi alcançado pela Fatah? Não muito

Depois de anos e anos de negociação e compromisso com o Estado de Israel, os palestinianos estão mais distantes do que nunca de obter o seu próprio Estado, afirma Arafat Shoukri, Diretor Executivo do Centro de Retorno Palestiniano (PRC) e Presidente da Campanha Europeia para Acabar com o Cerco a Gaza. Entrevista de Ricardo Sá Ferreira

Gaza: “Quem quereria viver num sítio como este?”

As condições sanitárias estão a deteriorar-se rapidamente e se o problema não for resolvido esta situação poderá ter um grande impacto na saúde do povo da Faixa de Gaza. Por PCHR/Narratives

Paz sem Terra: os colonatos de Jerusalém Oriental e o processo de paz mediado pelos EUA

A construção destes novos colonatos em Jerusalém Ocidental pode suspender o retomar das conversações entre os dois governos. No entanto, a questão maior é se o próprio processo alguma vez quis debruçar-se sobre uma resolução justa do conflito. Por Sam Gilbert

Os despejos de Sheikh Jarrah, a visão israelita de Jerusalém

A 20 de maio, o Supremo Tribunal israelita vai decidir se a família Shamasneh, da zona de Sheik Jarrah em Jerusalém Oriental, perderá a sua casa para os colonos israelitas. As razões e os métodos por trás do despejo promovido por Israel de mais uma família de Sheik Jarrah ilustram bem a sua política global de expulsar os palestinos em Jerusalém e tornar mais judaica a cidade. (Ver atualização no final do artigo). Por Lea Frehse e Johanna Wagman, AIC

Os prisioneiros palestinianos de Israel

É comum o abuso físico e a humilhação dos detidos por parte das forças israelitas. Com base em numerosas declarações juramentadas, há denúncias de que os detidos foram sujeitos a tentativa de homicídio e violação, e atirados de escadas enquanto vendados, entre várias outras formas de abuso.

Marwan Barghouti, símbolo de um povo aprisionado

Marwan Barghouti está detido há 11 anos consecutivos e já cumpriu uma pena total de 17 anos. O deputado e dirigente palestiniano foi sequestrado pelo Estado de Israel, e já foi condenado a várias penas de prisão perpétua. Barghouti é talvez o rosto mais conhecido entre os mais de 4900 presos políticos palestinianos.

Campeonato europeu de sub-21 em Israel: cartão vermelho ao Apartheid

A decisão da UEFA de manter Israel como o país anfitrião do Campeonato Europeu de sub-21 no próximo mês provocou a revolta de grupos comunitários de solidariedade com o povo palestino. Por Loretta Mussi, Nena News

Resistência de ontem, resistência de hoje

Os palestinianos em Ramallah, Jenin, em Gaza, resistem para sobreviver, numa luta diária e por vezes nada heroica, para proteger a sua existência, manter a ligação à sua terra e à sua pátria, para proteger a sua dignidade. Por Michel Warschawski, Alternative Information Center

Israel já ganhou a guerra civil síria

O seu principal inimigo militar deixou de existir, o contexto em que os palestinianos desenvolvem a sua luta de libertação fica mais desfavorável; e a solução do problema da ocupação israelita dos Montes Golã será relegada ainda mais para as calendas. 

Estado de Israel: o rufião mimado

Israel quebrou todos os compromissos que alicerçam o cessar-fogo precário, entre o Estado de Israel e a liderança do Hamas, e expande a ocupação de forma silenciosa. O poder que domina em Israel comporta-se como um rufião mimado que tem aquilo que quer e dispensa qualquer puxão de orelhas.

Revolucionário Democrático: novo sindicato dos trabalhadores em Israel

A política de trabalho em Israel foi dominada durante décadas por um sindicato único, ligado ao governo com uma tradição fortemente nacionalista. O primeiro sindicato independente e democrático foi fundado há apenas seis anos em Israel. Koach LaOvdim - Poder aos Trabalhadores – tem conseguido desde então mobilizar dezenas de milhares de trabalhadores e conta com mais de 12.000 membros em 2013. Por Centro de Informação Alternativa (AIC)