Está aqui

A esquerda e a autodeterminação dos povos

Texto de Isabel Pires e Manuel Loff de apoio ao debate com o nome do título, que terá lugar domingo, 2 de setembro, às 14.30h, com a presença de Isabel Pires.
Texto de Isabel Pires e Manuel Loff de apoio ao debate “A esquerda e a autodeterminação dos povos”, que terá lugar domingo, 2 de setembro, às 14.30h
Texto de Isabel Pires e Manuel Loff de apoio ao debate “A esquerda e a autodeterminação dos povos”, que terá lugar domingo, 2 de setembro, às 14.30h

A questão da autodeterminação dos povos tem sido um tema muito caro em espectros políticos à esquerda (embora não exclusivamente). Com este debate pretendemos levantar algumas questões, provocar o debate e tentar dar algumas respostas. Quando falamos de autodeterminação podemos falar de independentismos ou nacionalismos, embora o termo autodeterminação seja aquele que permite fazer a ligação com o direito internacional e a declaração das Nações Unidas.

Assim, a autodeterminação pressupõe a definição de uma comunidade humana que pretende, em nome de determinados critérios, ter o direito de se organizar politicamente por forma a reivindicar formas de soberania sobre os seus destinos e, ao contrário do que a retórica liberal dos nossos dias invoca, não decorre exclusivamente do nacionalismo enquanto ideologia.

Assim, pretende-se com este debate levantar algumas questões, umas mais teóricas, outras mais práticas, sobre os conceitos de “Estado”, “Nação” e sua relação com a esquerda. Para exemplo prático, iremos focar o percurso das três principais nações sem Estado dentro do Estado espanhol: Galiza, País Basco e Catalunha.

1. Existe um conflito entre “Estado” e “Nação”?

A resposta é que sim, existe um conflito entre estes conceitos, embora isso não os torne automaticamente excludentes um do outro; e no debate dos independentismos ainda mais importante se torna a sua relação.

Podemos afirmar que se tratam de realidades distintas, simplificando da seguinte forma: o Estado é uma realidade político-institucional, que se traduz num determinado ordenamento jurídico, sendo, assim, uma superestrutura jurídico-política. A Nação é uma realidade sócio-política, onde estão presentes elementos culturais, ideológicos, linguísticos, mas não jurídicopolíticos. Deste ponto de vista, podemos ter (e temos) nações sem Estado, Estados plurinacionais (federações, confederações, etc) e Estados uni-nacionais.

Quando o conflito entre Nação e Estado dá origem a nações sem Estado podemos verificar a existências das chamadas “questões nacionais”, sendo que, atualmente, vamos encontrar no Estado espanhol um dos seus exemplos mais prementes (embora não exclusivo).

Importa não ignorar que para que exista um processo de autodeterminação é necessário que exista uma consciência de identidade na própria consciência social assumida pelas classes dominantes (nacionalismos burgueses) ou pelas classes dominadas (nacionalismos populares).

As questões nacionais (como temos assistido na Catalunha, mas também na Galiza ou na Euskal Herria ou País Basco) radicam na relação conflituosa entre “Estado” e “Nação”, pois essa vinculação é indissociável desde o momento da formação dos Estado-Nação. Se, hoje, temos um “ressurgimento” de questões nacionais em determinados locais, nomeadamente no Estado espanhol, é porque elas nunca foram totalmente resolvidas, antes foram sendo abafadas de um modo institucional (não podemos esquecer que a Euskal Herria ou a Catalunha têm estatutos de autonomia bastante alargados, embora no último caso ela tenha vindo a ser atacada ou diminuída; apesar disso, desde a transição pactuada no Estado espanhol que o percurso tem sido o da tentativa de “espanholização” de todo o território).

2. A esquerda e as questões nacionais

Serão as questões nacionais (entendidas como resultantes de um conflito entre Estado e Nação) exclusivas de algum espectro político? Não. Mas, não sendo exclusivas, uma análise ao Estado espanhol, por exemplo, permite verificar que há um enorme potencial de aliança entre as questões nacionais e as questões sociais defendidas pela esquerda. Ou seja, importa talvez combinar a luta pela autodeterminação com uma perspetiva de classe e perceber as alianças que se podem formar.

No que toca às 3 nacionalidades discutidas no Estado espanhol, o papel de movimentos sindicais e políticos ligados à esquerda, com projetos nacionalistas emancipadores dos povos, foi fulcral. Estes movimentos fizeram com que várias organizações espanholas comprometidas com a concretização da rutura com o regime franquista assumissem, também, a realidade plurinacional, defendendo o direito das 3 principais nações à autodeterminação, preconizando um modelo republicano de estado, mais virado para uma organização federal ou confederal da realidade socio-política em causa.

Historicamente, a direita espanhola (e, em parte, também o PSOE) teve um papel determinante em rejeitar propostas do País Basco, da Galiza e da Catalunha, limitando estas nações ao basear o seu estatuto, não na questão nacional, de identidade, mas sim numa organização territorial e administrativa.

Em vários momentos se verifica que nestes 3 casos (no caso da Galiza talvez de forma mais preponderante, sobretudo porque, ao contrário dos casos basco e catalã, se verifica uma ausência de uma direita soberanista) que são os movimentos/partidos de esquerda que lideram o processo de emancipação dos seus povos, ao mesmo tempo que defendem, numa lógica republicana e democrática, direitos sociais.

Esta relação deverá ser o foco do nosso debate. Os ataques surgem porque a tentação da direita e do centro-direita que, hoje, tentam focar o seu discurso baseado no “senso comum” e na suposta defesa de liberdade e democracia, em atacar qualquer defesa da esquerda de movimentos de autodeterminação de povos colando-nos imediatamente à extrema-direita mais reaccionária, é uma jogada política para tentar confundir o público sobre o que está em causa.

A defesa da autodeterminação dos povos não é inimiga da defesa de um movimento de trabalhadores internacionalista; a autodeterminação dos povos não é contrária à necessidade de reivindicação social e às lutas contra a austeridade. Pelo contrário, um movimento forte pela autodeterminação aliado a um movimento forte contra regras austeritárias que promovem pobreza, degradação de condições de vida e degradação de leis laborais, etc, ajudam a colocar em causa um sistema, um regime que oprime trabalhadores e, por vezes ao mesmo tempo, trabalhadores que também lutam pela autodeterminação da sua nação.

3. Nacionalismos periféricos vs nacionalismo centralista

Voltando a focar no caso do Estado espanhol existe hoje uma contradição forte, que causa já confrontos, mais ou menos violentos, em várias regiões, decorrentes no último ano e meio do procès catalão. Com o crescer do apoio na Catalunha (não excluindo a Galiza nem o País Basco) à causa independentista, cresce também um fervor nacionalista espanholista (dentro e fora da Catalunha).

O que coloca em confronto duas visões de nacionalismos: por um lado, a defesa da autodeterminação da Catalunha (ou da Galiza ou do País Basco), com base num modelo republicano, que quer uma rutura com o poder monárquico vindo do franquismo; por outro lado, a defesa do nacionalismo centralista, espanhol, que tem na sua génese a ideia (antiga) de subjugar as várias nações do território do Estado espanhol a uma uniformização que, na prática, não existiu.

Numa narrativa neoliberal e conservadora comum a praticamente todos os nacionalismos de Estado, a ordem constitucional espanhola, ao assegurar a democracia, retiraria aos catalães, como a quaisquer outros cidadãos do Reino de Espanha, qualquer direito de autodeterminação coletiva porque esta só pode ser exercida pelo conjunto do povo espanhol.

Esta narrativa coloca os nacionalismos de Estados, centralistas, num grau de pretensa superioridade face a nacionalismos periféricos, que decorrem de processos políticos, culturais, linguísticos, e têm como conclusão a existência de nações sem estado.

Esta dicotomia é aquela que tem nos últimos tempos dado relevo a retóricas altamente inflamadas de um europeísmo que não é mais do que uma transversão de nacionalismos de má memória, tentando acantonar movimentos independentistas, defensores da autodeterminação dos povos, com mais ligações a movimentos de esquerda, a um passadismo que não nos assiste. A autodeterminação dos povos deve ter sempre uma perspetiva democrática e progressista, seja na definição de quem somos enquanto comunidade cidadã que se identifica como nação, e que, ao fazê-lo, reclama o seu direito a se constituir como vontade coletiva, seja na sua necessária ligação a políticas sociais de esquerda, de direitos laborais e valorização de salários, de luta contra regimes que confundem poder político e poder judicial, e de confronto com políticas que não respondem às necessidades dos povos.

(...)

Resto dossier

Em tempos de crise, uma nova abordagem das temáticas da água

Texto de apoio à intervenção de João Bau no painel do Fórum Socialismo 2018 "Como evitar o dia em que a água deixe de correr nas torneiras?"

“De fundação em fundação o ensino vai ao chão”, protesto de estudantes de março de 2017 – Foto de Filipa Bernardo, Lusa (arquivo)

Financiamento do ensino superior e ciência

Texto de Luís Monteiro, introdutório ao debate, com o tema do título, que terá lugar no domingo, 2 de setembro, às 14.30h no Fórum Socialismo 2018, que tem lugar este fim de semana em Leiria, na Escola Superior de Ciências Sociais.

Debate “Que Forças Armadas para Portugal no Século XXI?” terá lugar no Fórum Socialismo 2018, no sábado de manhã, às 10h, no Instituto Politécnico de Leiria

Que Forças Armadas para Portugal no Século XXI?

Texto de João Vasconcelos de apoio ao debate com o mesmo título, que terá lugar no Fórum Socialismo 2018, no sábado 1 de setembro às 10h, no Instituto Politécnico de Leiria.

Texto de Isabel Pires e Manuel Loff de apoio ao debate “A esquerda e a autodeterminação dos povos”, que terá lugar domingo, 2 de setembro, às 14.30h

A esquerda e a autodeterminação dos povos

Texto de Isabel Pires e Manuel Loff de apoio ao debate com o nome do título, que terá lugar domingo, 2 de setembro, às 14.30h, com a presença de Isabel Pires.

Debate “Saúde Mental em Portugal” terá lugar no domingo 2 de setembro às 11.45h, no Fórum Socialismo 2018

Saúde Mental: Organizar os serviços para servir as pessoas

Texto de Rita Oliveira, que participará no debate “Saúde Mental em Portugal”, com Ana Matos Pires, no domingo 2 de setembro às 11.45h, no Fórum Socialismo 2018, que se realiza no Instituto Politécnico de Leiria.

Debate “Como evitar o dia em que a água deixa de correr nas torneiras?” terá lugar no sábado, 1 de setembro, às 14.30h - Foto de Paulete Matos

Uso Eficiente da Água em Contexto Urbano-Desafios e Perspetivas

Texto de José Saldanha Matos, professor do IST-UL, que participará no debate “Como evitar o dia em que a água deixa de correr nas torneiras?” com João Bau, que tem lugar sábado, 1 de setembro às 14.30h no Fórum Socialismo, no Instituto Politécnico de Leiria.

Greve feminista 8M: quem a convoca?

Greve feminista 8M: quem a convoca?

Ana M. Martín estará este fim de semana no Fórum Socialismo, em Leiria, para falar sobre a experiência de organização da Greve Feminista do 8 de março em Espanha e sobre as suas reivindicações políticas que a sustentaram.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.  

“A gente não quer só comida”. Por que incomoda tanto o direito à arte?

Alguns meses depois da lamentável “resposta aberta à cultura” com que tentou diminuir as manifestações a propósito dos concursos da Direcção-Geral das Artes, António Costa promete agora “o maior orçamento de sempre” para a cultura em 2019. Por Pedro Rodrigues e Luísa Moreira, que estarão no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Do abandono do mundo rural aos incêndios florestais como oportunidade de concentração fundiário-florestal

Por Carlos Matias, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Fotografia de Esquerda.net

A oficina da canção (I): ideias a partir da prática

Com este texto, inicia-se uma série sobre o processo de produção das canções, desde a sua invenção até que chegam aos ouvidos e às mãos das pessoas. Por José Mário Branco, que estará no Fórum Socialismo 2018, que se realiza no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Fotografia: Pedro Soares

Escravatura e tráfico humano – mais vale prevenir…

“A noite de ontem foi melhor do que as anteriores para os 23 nepaleses que o SEF resgatou em Almeirim, em estufas de morangos. Dormiram em casas de abrigo onde lhes foi devolvido o estatuto de pessoas que lhes fora negado pelos traficantes que os trouxeram para Portugal”. Por Alberto Matos, que estará no Fórum Socialismo 2018, que se realiza no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

As rendas da energia

Por Adelino Fortunato, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Cidades Amigas dos Animais

Por Maria Manuel Rola, Alexandra Pereira e Jorge Gouveia Monteiro, que estarão no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.  

Florestas prestadoras de serviços públicos

Para além dos bens com valor de mercado, a floresta está na base da prestação de um vasto conjunto de serviços essenciais à manutenção de todas as formas de vida. Desta forma, cabe a todos os cidadãos a responsabilidade de a conservar e proteger. Por Paulo Pimenta de Castro, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Foram diferentes os Maios

Por Joana Lopes, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Luís Leiria apresenta aqui o tema da sua sessão no Fórum Socialismo 2018, que tem lugar no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Avanços e retrocessos dos governos “progressistas” na América Latina

Luís Leiria apresenta aqui o tema da sua sessão no Fórum Socialismo 2018, que tem lugar no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Fotografia: website da Câmara Municipal de Pombal

Habitats seminaturais da mata nacional de Leiria - que futuro?

A Mata Nacional de Leiria foi, até ao incêndio de outubro de 2017, a maior e mais emblemática floresta litoral de Portugal continental, constituída maioritariamente por pinheiro-bravo. Por Sónia Guerra, que estará no Fórum Socialismo 2018, em setembro, na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Fotografia: página de Facebook de Ricardo Paes Mamede.

Motivos para cancelar contratos de prospeção e exploração de petróleo

Três motivos pelos quais o Estado deve cancelar os contratos de prospeção e exploração de petróleo e gás em Portugal. Postado em Ladrões de Bicicleta por Ricardo Paes Mamede, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.  

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Criação monetária endógena e o nexo poupança investimento

No que à relação de causalidade entre poupança e investimento diz respeito, um enorme fosso continua a dividir os economistas. Por Paulo Coimbra, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.  

Pelo direito à morte assistida

Texto de Bruno Maia, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Mais guerras, menos armas? Hummm...

 José Manuel Rosendo apresenta aqui o tema da sua sessão no Fórum Socialismo 2018, que tem lugar no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

A democracia líquida e a estratégia Matrioska: será que os russos determinam as eleições por todo o lado?

Francisco Louçã apresenta aqui o tema da sua sessão no Fórum Socialismo 2018, que tem lugar no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.  

História do movimento LGBTI – uma encruzilhada de oportunidades

Preferimos não falar da homofobia. Preferimos ignorar que sair à rua de mão dada com alguém, não é o mesmo para mim, gay, ou para ti, heterossexual. Que sair do armário em Lisboa é diferente de sair do armário em Leiria. Por Bruno Maia, que estará no Fórum Socialismo 2018.

Fotografia: TV KLELE, televisão comunitária na Guiné-Bissau.

Televisão comunitária como meio de desenvolvimento

A TV Comunitária é uma alternativa e, porque não, um complemento, às emissões feitas pelas estações de TV comercial e pública. Por Andrzej Kowalski, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Fotografia: Esquerda.net

A oficina da canção (IV): o sofisma da oposição forma-conteúdo

A música não permite escapar à concretude da matéria sonora. Por José Mário Branco, que estará no Fórum Socialismo 2018, que se realiza no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Fotografia: Esquerda.net

A oficina da canção (III): no canto não há neutralidade

As canções são, como qualquer forma de arte, um meio de expressão de sentidos e de emoções. Na música, como em qualquer linguagem, o descompromisso leva à solidão e ao embrutecimento. Por José Mário Branco, que estará no Fórum Socialismo 2018, que se realiza no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Fotografia: Esquerda.net

A oficina da canção (II): criação partilhada em diferido

As condições materiais da gravação de canções em disco determinam decisões estéticas, técnicas e éticas. É um tripé que cai fatalmente se lhe faltar um dos pés. O produtor (“producer”) decide, através do ‘como’, ‘o quê’ passa para o lado de lá. Por José Mário Branco, que estará no Fórum Socialismo 2018, que se realiza no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Fotografia: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa.

Um exemplo de arte e resistência: mulheres fotógrafas na Palestina

Sofia Roque estará no Fórum Socialismo 2018, que se realiza no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria. A fotografia e a Palestina serão o pretexto para dar a conhecer cinco mulheres artistas, cuja obra é exemplo de uma conciliação emancipatória: a que reúne o poder da imagem e a experiência de um corpo que resiste num território ocupado.