Está aqui

Do abandono do mundo rural aos incêndios florestais como oportunidade de concentração fundiário-florestal

Por Carlos Matias, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.
O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

1. Introdução: o problema

Desde 1975 temos assistido a perdas anuais de centenas de milhares de hectares de floresta e inclusive, não raro, a dramas sociais. A expansão incontrolada do fogo tem devastado largas áreas florestais e rurais, por vezes rondado circunscrições urbanas e provocado vultuosos prejuízos patrimoniais. Mas o mais trágico são as perdas de vidas humanas. Os fogos de 2017 foram sem dúvida os mais devastadores não só em destruição de bens e empresas com mais de 450.000 hectares ardidos como sobretudo de mais de cem vítimas humanas dizimadas pelo fogo, nomeadamente no Centro e no Norte do país.  A que se deve este flagelo anual dos incêndios?

Às causas naturais (os condicionalismos edafo-climáticos) e comportamentais, como desleixos em queimadas, fogueiras, foguetes, cigarros, ateamentos criminosos ou patológicos. Cabe ainda referir as falhas de entidades (para)estatais, nomeadamente o SIRESP como uma central de negócios sob a figura de parceria público-privada, o abandono do mundo rural pelos diversos poderes nacionais e europeus e a ausência/omissão de políticas de ordenamento do território. Então, perante esta recorrente calamidade nacional, que fazer? Assumir a situação como uma fatalidade da natureza ou como algo socialmente incontornável ou politicamente sem solução? Como se explica esta situação e o que poderá ser feito para revertê-la?  

 

2. Enquadramento teórico básico

Várias foram as teses e estudos sobre comunidades rurais realizadas em Portugal nos últimos 35 anos, os quais identificam os problemas das populações rurais, a especificidade das suas economias e dos seus modos de vida. A relação entre economia camponesa e capitalismo comporta todavia uma velha questão, já iniciada no século XIX e prosseguida no século XX até hoje. Com efeito, se para os liberais, obcecados pela racionalidade única da economia de mercado e pelas suas ‘virtudes’ modernizadoras, os camponeses eram um estorvo na marcha da industrialização e da modernização, para Marx (1974) os camponeses, para além de um ‘hieróglifo indecifrável’ e um atomístico ‘saco de batatas’, constituíam uma classe em desagregação e a ser sacrificada em processo de proletarização no altar da industrialização, tese esta posteriormente sustentada por diversos autores marxistas a começar por Lenine (1977). Perante estas insuficiências teóricas na compreensão e explicação do comportamento camponês, vários autores portugueses como Villaverde Cabral (1981, 1986), Madureira Pinto (1985), Ferreira de Almeida (1986), José Portela (1986), Oliveira Baptista (1986), José Sobral (1999) e sobretudo Manuel Carlos Silva (1987, 1998), este na esteira de vários especialistas clássicos sobre o campesinato como Chayanov (1976), Wolf (1966), Shanin (1972), Guzmán (1979) e Scott (1976), sustentam a tese da economia moral mas reincorporam alguns elementos do pensamento maduro de Marx – que na parte final da sua vida em diálogo com a populista russa Vera Zassoulitch reconheceu virtualidades das comunidades camponesas – e sobretudo, de Max Weber (1978). Ou seja, o principal leitmotiv dos atores rurais, nomeadamente camponeses, perante situações de risco, é o de assumirem como princípio básico o da segurança (safety first), de resto uma tese aplicável não só aos camponeses mas a outras classes sociais, nomeadamente quando não organizadas e em tempo de política de austeridade.

 

3. A dimensão rural do país real

O diagnóstico das mudanças de uma sociedade agrária para uma sociedade urbana a partir dos anos 70 é conhecido. Os estudos sobre o desenvolvimento, o aproveitamento e a sustentabilidade (ou não) dos territórios rurais têm sido, por um lado, objeto específico de análise pelas várias ciências, sobretudo das sociais e, por outro, objeto de preocupação na esfera política não só por parte dos Estados nacionais mas também de algumas agências para o desenvolvimento por parte da ONU e de outras instâncias internacionais (UE, BM e FMI) alegadamente para diminuir a pobreza, aceder aos serviços públicos. Porém, contrariamente a proclamações, projetos e boas intenções, o que se verifica é o falhanço do modelo neoliberal e/ou a inoperância de certos modelos ditos institucionais em torno da modernização da agricultura que, através da aplicação de tecnologias (química e mecânica), alegavam promover a modernização do sector, o crescimento e o desenvolvimento do país. Certamente houve mudanças e processos de mecanização e modernização mas, nestas mudanças induzidas e conduzidas desde fora e sobretudo a partir dos interesses dos países centrais expressos na Política Agrícola Comum, os próprios agricultores do sul nomeadamente em Portugal foram perdendo não só a sua relativa autonomia com base na sua tradicional economia, como  o controlo dos processos de produção ou então viram-se obrigados a abandonar a agricultura, porque incapaz de lhes fornecer os meios de subsistência, migrando, na sua maior parte, para os grandes centros urbanos do país ou do estrangeiro. As velhas atividades e funções da floresta (roça de mato, fertilização orgânica das culturas, o corte de lenhas para aquecimento e consumo doméstico, o pastoreio) diminuíram, desapareceram e foram substituídas por equivalentes funcionais como os fertilizantes químicos, máquinas, consumo de gás e electricidade.

Não obstante o processo de crescente abandono das parcelas florestais sobretudo desde os anos 80/90 do século passado por fatores endógenos e exógenos, persiste ainda uma racionalidade camponesa com forte ligação à terra, suas tradições, valores e memórias. Porém, o êxodo rural, assim como os desequilíbrios entre litoral e interior estão justamente relacionados com a concentração de capital em certos espaços, nomeadamente urbanos e do litoral, mas também com o abandono e a ausência de políticas nacionais para os territórios do interior, o consequente envelhecimento da população nos territórios rurais e o desmantelamento de serviços públicos para as comunidades rurais.

Há, contudo, que sublinhar os fatores externos que foram decisivos para o abandono e a desvalorização da pequena agricultura, nomeadamente a aplicação da PAC (Política Agrícola Comum) e sua orientação para as grandes explorações rentistas e/ou orientadas para o mercado. Acresce a adoção de políticas públicas nacionais na produção de monoculturas, com vista ao lucro rápido por parte das indústrias de celulose, desde os anos 80. A liberalização da plantação de eucaliptos, por parte do anterior governo PSD/CDS-PP, a chamada “Lei Cristas” foi o culminar desse processo. Tal vem contribuindo, e muito, para a situação de desordenamento e abandono que hoje em dia se encontram os territórios rurais.

Perante esta situação, o PS e o BE, embora com pressupostos e objetivos diferentes, apresentaram propostas para superá-la. A proposta do PS em torno das Entidades de Gestão Florestal (EGF), ao induzir que os pequenos proprietários delas integrantes percam o direito de influenciar diretamente a gestão do espaço florestal, facilitam tendencialmente a concentração da propriedade, mas não necessariamente a continuidade geográfica. Por seu turno, a projeto do BE em torno da Unidades de Gestão Florestal (UGF), exigindo continuidade territorial, agregam a gestão da propriedade, sem que os proprietários percam o direito de participar nas decisões sobre o espaço florestal conjunto que integram. Não obstante as diferenças entre as duas propostas, as negociações ocorridas no âmbito parlamentar permitiram a sua aprovação, beneficiando ambas as figuras jurídicas de apoios para a sua constituição.

4. Algumas conclusões e recomendações

O flagelo nacional dos incêndios rurais não é certamente uma fatalidade nem um destino nacional. Num primeiro momento, o que parece evidente é que manter a situação de desorganização só favorece quem dela retira lucros e rendas (grandes proprietários, empresas de celulose e alguns madeireiros sem escrúpulos). Por outro lado, pretender nacionalizar a propriedade rural, nomeadamente a florestal, pode seduzir mentes coletivistas de horizontes mais urbanos, mas esbarra com a realidade do país rural minifundiário no Norte, no Centro e no Algarve. Perante a ausência de políticas nacionais para a pequena agricultura familiar – que, perante inexistência de apoios reais da política nacional e da PAC, se vê obrigada também a recorrer à produção de espécies mais rentáveis de curto prazo – a estrutura minifundiária, com média de 2000 m2 por parcela e dispersas, com vários herdeiros, bastantes emigrados ou em eventual litígio de partilhas, não se desfaz por decreto. Para estas pessoas e famílias a terra, além de eventual fonte de subsistência, é o eixo de ligação à aldeia e suas memórias.

A propósito da floresta, os defensores da situação atual, sem propostas de lei e sem vontade política, dirão hoje que a atual legislação é suficiente ou não se pode legislar à pressa e sem qualidade. Porém, o que ninguém pode ignorar é que, sob razão ou pretexto de terras abandonadas para as quais importa procurar uma solução, há todavia estratégias por parte de determinados grupos económicos ligados aos negócios dos eucaliptos e das celuloses que pretendem aumentar o eucaliptal e concentrar para o efeito a propriedade através da compra a saldo de terras abandonadas, de resto já incentivados pela legislação saída do governo PSD/CDS. As posições de inércia ou omissão – que também é uma forma de política favorável ao statu quo – por parte das entidades responsáveis vão ao encontro de certos grupos económicos, acabando por manter o desordenamento territorial, enquanto pasto explosivo para novas catástrofes de incêndios rurais.

Vários estudos sobre as comunidades rurais concluem serem necessárias políticas públicas firmes para intervir nos territórios rurais. Políticas indicativas mas eficientes, em que seja possível a participação dos produtores e se incentive a criação de unidades de gestão (associativas ou cooperativas) e eventual emparcelamento e/ou intervenção em escala com recurso a financiamento público (fundos nacionais e europeus). No que concerne a floresta, a alternativa realista que se impõe consistirá, portanto, em enveredar por uma via de intervenção estatal em conjugação com entidades associativas, societárias ou cooperativas de produtores através de uma das figuras jurídicas existentes, desde que essa intervenção seja aprovada pelos próprios proprietários sob o princípio de um voto por proprietário e com redistribuição de custos e ganhos conforme as parcelas possuídas. Donde, impõe-se:  

(i) Definir um registo dos proprietários, um programa de ordenamento, aproveitamento, tratamento e gestão coletiva e equilibrada da floresta, em termos de protagonistas (Estado, autarquias, associações/cooperativas e proprietários em UGF’s);

(ii) Ter em conta a biodiversidade de espécies a reflorestar, com prioridade às autóctones, na base duma planificação estatal-municipal negociada com os pequenos produtores/proprietários;

(iii) Promover e valorizar os múltiplos recursos da floresta e remunerar os serviços ambientais prestados, designadamente o seu contributo para a redução dos GEE e para o comprimento dos Acordos de Paris, sobre o Ambiente;

(iv) Implementar medidas de prevenção estrutural e contenção de fogos (aceiros, corredores ecológicos, estradões florestais, faixas corta-fogos), compensando justamente os pequenos proprietários afetados;

(v) Apresentar e promover uma abordagem e política integrada a médio-longo prazo que corrija a dualidade entre litoral e interior, diminua a desigualdade estrutural do país, que   preserve o ambiente, a natureza e os ecossistemas florestais, que valorize as energias renováveis e as economias locais, nomeadamente a agrícola e florestal, o artesanato e o turismo, estimulando o regresso e repovoamento dos territórios rurais.

(vi)  Reforçar o apoio técnico de proximidade aos agricultores e produtores florestais, transferindo para o terreno os resultados da investigação e do saber científicos.

 

 

Manuel Carlos Silva ( mcsilva2008@gmail.com )

António Cardoso ( amfc2008@gmail.com )

Carlos Matias ( carlos-matias@sapo.pt)

 

Bibliografia

ALMEIDA, João Ferreira de (1986). Classes sociais nos campos. Camponeses parciais numa região do noroeste. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

BAPTISTA, Fernando O. (1986). Trabalhadores Agrícolas e Agricultores Familiares: dez anos de factos, debates e projectos. In Revista Crítica de Ciências Sociais, nºs 18-20. Coimbra: CES, pp. 411-450.

CABRAL, Manuel Villaverde (1986). Etat et paysannerie. Politiques Agricoles et Strategies Paysannes au Portugal depuis la Seconde Guerre Mondiale. In Sociologia Ruralis, vol. XXVI, 1:6-19.

LENINE, Vladimir [1977 (1899)]. The Development of Capitalism in Russia. Collected Works III, Moscovo: Progress Publishers.  

MARX, Karl [1974a (1867)]. O Capital, I e II. Lisboa: Delfos.

PINTO, José Madureira (1985). Estruturas sociais e práticas simbólico-ideológicas nos campos. Porto: Afrontamento.

PORTELA, José (1986). Trabalho cooperativo em duas aldeias de Trás-os-Montes. Porto: Afrontamento.

SCOTT, James (1976). The Moral Economy of the Peasant: Rebellion and Subsistence in Southeast Asia. New Haven e Londres: Yale University Press.

SHANIN, Theodor (1973). The Nature and Logic of the Peasant Economy: a Generalisation, I. In The Journal of Peasant Studies, vol I, 1:63-80.

SILVA, Manuel Carlos (1987). Camponeses nortenhos: ‘conservadorismo’ ou estratégias de sobrevivência, mobilidade e resistência. In Análise Social, vol XXIII, 97:407-445.

SILVA, Manuel Carlos (1998). Resistir e Adaptar-se. Constrangimentos e Estratégias Camponesas no Noroeste de Portugal. Porto: Edições Afrontamento.

SOBRAL, José Manuel (1999). Trajectos: O Presente e o Passado na Vida de uma Freguesia da Beira. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

WEBER, Max (1978). Economy and Society. California: University of California Press.

WOLF, Eric (1966), Peasants. Nova Jersey: Prentice Hall, INC

 
(...)

Resto dossier

Em tempos de crise, uma nova abordagem das temáticas da água

Texto de apoio à intervenção de João Bau no painel do Fórum Socialismo 2018 "Como evitar o dia em que a água deixe de correr nas torneiras?"

“De fundação em fundação o ensino vai ao chão”, protesto de estudantes de março de 2017 – Foto de Filipa Bernardo, Lusa (arquivo)

Financiamento do ensino superior e ciência

Texto de Luís Monteiro, introdutório ao debate, com o tema do título, que terá lugar no domingo, 2 de setembro, às 14.30h no Fórum Socialismo 2018, que tem lugar este fim de semana em Leiria, na Escola Superior de Ciências Sociais.

Debate “Que Forças Armadas para Portugal no Século XXI?” terá lugar no Fórum Socialismo 2018, no sábado de manhã, às 10h, no Instituto Politécnico de Leiria

Que Forças Armadas para Portugal no Século XXI?

Texto de João Vasconcelos de apoio ao debate com o mesmo título, que terá lugar no Fórum Socialismo 2018, no sábado 1 de setembro às 10h, no Instituto Politécnico de Leiria.

Texto de Isabel Pires e Manuel Loff de apoio ao debate “A esquerda e a autodeterminação dos povos”, que terá lugar domingo, 2 de setembro, às 14.30h

A esquerda e a autodeterminação dos povos

Texto de Isabel Pires e Manuel Loff de apoio ao debate com o nome do título, que terá lugar domingo, 2 de setembro, às 14.30h, com a presença de Isabel Pires.

Debate “Saúde Mental em Portugal” terá lugar no domingo 2 de setembro às 11.45h, no Fórum Socialismo 2018

Saúde Mental: Organizar os serviços para servir as pessoas

Texto de Rita Oliveira, que participará no debate “Saúde Mental em Portugal”, com Ana Matos Pires, no domingo 2 de setembro às 11.45h, no Fórum Socialismo 2018, que se realiza no Instituto Politécnico de Leiria.

Debate “Como evitar o dia em que a água deixa de correr nas torneiras?” terá lugar no sábado, 1 de setembro, às 14.30h - Foto de Paulete Matos

Uso Eficiente da Água em Contexto Urbano-Desafios e Perspetivas

Texto de José Saldanha Matos, professor do IST-UL, que participará no debate “Como evitar o dia em que a água deixa de correr nas torneiras?” com João Bau, que tem lugar sábado, 1 de setembro às 14.30h no Fórum Socialismo, no Instituto Politécnico de Leiria.

Greve feminista 8M: quem a convoca?

Greve feminista 8M: quem a convoca?

Ana M. Martín estará este fim de semana no Fórum Socialismo, em Leiria, para falar sobre a experiência de organização da Greve Feminista do 8 de março em Espanha e sobre as suas reivindicações políticas que a sustentaram.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.  

“A gente não quer só comida”. Por que incomoda tanto o direito à arte?

Alguns meses depois da lamentável “resposta aberta à cultura” com que tentou diminuir as manifestações a propósito dos concursos da Direcção-Geral das Artes, António Costa promete agora “o maior orçamento de sempre” para a cultura em 2019. Por Pedro Rodrigues e Luísa Moreira, que estarão no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Do abandono do mundo rural aos incêndios florestais como oportunidade de concentração fundiário-florestal

Por Carlos Matias, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Fotografia de Esquerda.net

A oficina da canção (I): ideias a partir da prática

Com este texto, inicia-se uma série sobre o processo de produção das canções, desde a sua invenção até que chegam aos ouvidos e às mãos das pessoas. Por José Mário Branco, que estará no Fórum Socialismo 2018, que se realiza no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Fotografia: Pedro Soares

Escravatura e tráfico humano – mais vale prevenir…

“A noite de ontem foi melhor do que as anteriores para os 23 nepaleses que o SEF resgatou em Almeirim, em estufas de morangos. Dormiram em casas de abrigo onde lhes foi devolvido o estatuto de pessoas que lhes fora negado pelos traficantes que os trouxeram para Portugal”. Por Alberto Matos, que estará no Fórum Socialismo 2018, que se realiza no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

As rendas da energia

Por Adelino Fortunato, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Cidades Amigas dos Animais

Por Maria Manuel Rola, Alexandra Pereira e Jorge Gouveia Monteiro, que estarão no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.  

Florestas prestadoras de serviços públicos

Para além dos bens com valor de mercado, a floresta está na base da prestação de um vasto conjunto de serviços essenciais à manutenção de todas as formas de vida. Desta forma, cabe a todos os cidadãos a responsabilidade de a conservar e proteger. Por Paulo Pimenta de Castro, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Foram diferentes os Maios

Por Joana Lopes, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Luís Leiria apresenta aqui o tema da sua sessão no Fórum Socialismo 2018, que tem lugar no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Avanços e retrocessos dos governos “progressistas” na América Latina

Luís Leiria apresenta aqui o tema da sua sessão no Fórum Socialismo 2018, que tem lugar no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Fotografia: website da Câmara Municipal de Pombal

Habitats seminaturais da mata nacional de Leiria - que futuro?

A Mata Nacional de Leiria foi, até ao incêndio de outubro de 2017, a maior e mais emblemática floresta litoral de Portugal continental, constituída maioritariamente por pinheiro-bravo. Por Sónia Guerra, que estará no Fórum Socialismo 2018, em setembro, na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Fotografia: página de Facebook de Ricardo Paes Mamede.

Motivos para cancelar contratos de prospeção e exploração de petróleo

Três motivos pelos quais o Estado deve cancelar os contratos de prospeção e exploração de petróleo e gás em Portugal. Postado em Ladrões de Bicicleta por Ricardo Paes Mamede, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.  

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Criação monetária endógena e o nexo poupança investimento

No que à relação de causalidade entre poupança e investimento diz respeito, um enorme fosso continua a dividir os economistas. Por Paulo Coimbra, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.  

Pelo direito à morte assistida

Texto de Bruno Maia, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Mais guerras, menos armas? Hummm...

 José Manuel Rosendo apresenta aqui o tema da sua sessão no Fórum Socialismo 2018, que tem lugar no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

A democracia líquida e a estratégia Matrioska: será que os russos determinam as eleições por todo o lado?

Francisco Louçã apresenta aqui o tema da sua sessão no Fórum Socialismo 2018, que tem lugar no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

O Fórum Socialismo 2018 realiza-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.  

História do movimento LGBTI – uma encruzilhada de oportunidades

Preferimos não falar da homofobia. Preferimos ignorar que sair à rua de mão dada com alguém, não é o mesmo para mim, gay, ou para ti, heterossexual. Que sair do armário em Lisboa é diferente de sair do armário em Leiria. Por Bruno Maia, que estará no Fórum Socialismo 2018.

Fotografia: TV KLELE, televisão comunitária na Guiné-Bissau.

Televisão comunitária como meio de desenvolvimento

A TV Comunitária é uma alternativa e, porque não, um complemento, às emissões feitas pelas estações de TV comercial e pública. Por Andrzej Kowalski, que estará no Fórum Socialismo 2018, a realizar-se no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Fotografia: Esquerda.net

A oficina da canção (IV): o sofisma da oposição forma-conteúdo

A música não permite escapar à concretude da matéria sonora. Por José Mário Branco, que estará no Fórum Socialismo 2018, que se realiza no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Fotografia: Esquerda.net

A oficina da canção (III): no canto não há neutralidade

As canções são, como qualquer forma de arte, um meio de expressão de sentidos e de emoções. Na música, como em qualquer linguagem, o descompromisso leva à solidão e ao embrutecimento. Por José Mário Branco, que estará no Fórum Socialismo 2018, que se realiza no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Fotografia: Esquerda.net

A oficina da canção (II): criação partilhada em diferido

As condições materiais da gravação de canções em disco determinam decisões estéticas, técnicas e éticas. É um tripé que cai fatalmente se lhe faltar um dos pés. O produtor (“producer”) decide, através do ‘como’, ‘o quê’ passa para o lado de lá. Por José Mário Branco, que estará no Fórum Socialismo 2018, que se realiza no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.

Fotografia: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa.

Um exemplo de arte e resistência: mulheres fotógrafas na Palestina

Sofia Roque estará no Fórum Socialismo 2018, que se realiza no primeiro fim de semana de setembro na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria. A fotografia e a Palestina serão o pretexto para dar a conhecer cinco mulheres artistas, cuja obra é exemplo de uma conciliação emancipatória: a que reúne o poder da imagem e a experiência de um corpo que resiste num território ocupado.