Está aqui

Bielorrússia: sobre as mobilizações e as diferenças com o "Maidan ucraniano"

Se o nosso objetivo for compreender e esclarecer o que está a acontecer na Bielorrússia, devemos fazer uma comparação cuidadosa, em vez de nos contentarmos com rótulos. Por Volodymyr Ishchenko.
Manifestação contra Lukashenko a 16 de agosto em Minsk.

No domingo, 23 de Agosto de 2020, no final da manhã, milhares de manifestantes reuniram-se na Praça da Independência, em Minsk, apesar dos avisos das autoridades emitidos por altifalantes potentes. O afluxo de manifestantes não parou de crescer. Dezenas de milhares de pessoas ocuparam a praça e as ruas circundantes. Foi notada a presença de uma das três mulheres que lideraram a campanha eleitoral "concluída" a 9 de Agosto: Maria Kolesnikova. Desde manhã, camiões militares e policiais foram destacados para delimitar os locais "oficiais" que seriam “poupados” pelos manifestantes. No final do dia, as imagens de Alexander Lukashenko a dirigir-se para a sua residência com uma arma na mão deveriam, pelo contrário, validar o discurso do regime sobre as intenções de subversão violenta da oposição. No sábado, 22 de Agosto, em Grodno, o autocrata Lukashenko reuniu os seus apoiantes, que eram bastante numerosos entre os funcionários do setor público. Salientou o perigo da perda de postos de trabalho em empresas estatais. Também insistiu no suposto destacamento de forças da OTAN para a fronteira e nas intenções da UE em relação ao "derrube" do Estado da Bielorrússia.

A 23 de Agosto, Sergei Viktorovich Lavrov, Ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, declarou a necessidade de uma revisão constitucional - que tem a vantagem de fazer ganhar tempo à liderança de Putin face a uma situação que não estava propriamente prevista no Kremlin - e salientou, de acordo com a retórica habitual, as manobras "vindas do estrangeiro" no desencadeamento dos atuais tumultos.

Deixamos aqui uma análise da situação a 21 de Agosto. Ela estende os resultados de contributos anteriores publicados online e dá a conhecer histórias que traçam uma linha de semelhança entre a revolução ucraniana de 2014 e o atual movimento social e político na Bielorrússia. (Redação "A l'Encontre")


1.- Provavelmente nunca saberemos como votou o povo da Bielorrússia a 9 de Agosto. Ninguém duvida que os resultados eleitorais foram falsificados, mas também ninguém provou que Alexander Lukashenko tenha realmente perdido as eleições. Tentativas de extrapolar os votos com base em amostras não aleatórias de distritos eleitorais produziram estimativas que variam entre 30 a 60% para Svetlana Tikhanovskaya. Por conseguinte, os resultados disponíveis, incluindo os resultados oficiais, não nos permitem estabelecer quem ganhou.

Contudo, Lukashenko não quer proceder a uma recontagem ou a uma nova votação, uma vez que isso levaria a deserções do regime. De facto, se ele concordasse com tal coisa, isso significaria que teria admitido a sua própria derrota, como Viktor Yanukovych fez após a Revolução Laranja, na Ucrânia, em 2004.

Até agora, a posição de Lukashenko tem sido categórica: ele apenas insinua a possibilidade remota de novas eleições, na sequência de alterações constitucionais, que enfraqueceriam os poderes do próximo presidente. Isto dar-lhe-ia tempo e permitir-lhe-ia obter certas garantias. No entanto, os manifestantes estão unidos na exigência da demissão imediata de Lukashenko. A radicalização violenta terminou na semana passada, mas a intransigência aumenta as hipóteses de um novo ciclo.

2.-.Como previ, a violência juvenil descentralizada e descoordenada na primeira noite após as eleições falhadas não evoluiu para algo comparável à revolta armada na Ucrânia, em 2014. Isto requer não só indivíduos indignados, mas também organizações mais fortes com formação em violência e estratégia violenta.

Na Bielorrússia, a utilização de cocktails Molotov ou qualquer outro instrumento violento tem sido muito rara, as tentativas de barricadas foram muito hesitantes e não surgiu qualquer formação paramilitar. A polícia de choque estava bem preparada e, quando estavam em menor número, parece que algumas unidades do exército também foram destacadas. Em proporção, o número de agentes policiais feridos é inferior ao da Operação Maidan na Ucrânia e o número de manifestantes detidos na Bielorrússia é superior. Os manifestantes não conseguiram ocupar e defender com barricadas qualquer espaço específico ou mesmo estabelecer uma pequena zona autónoma que perturbaria a ordem do Estado, o que poderia servir de ponto de encontro para atividades de mobilização.

Os confrontos já pareciam estar em declínio na terceira noite. Depois, a meio da semana, as atividades de protesto mudaram para um repertório não-violento, com mulheres vestidas de branco e acorrentadas com flores a pedir o fim da violência. As marchas e comícios foram decididamente não perturbadores, nem perturbaram geralmente o tráfego rodoviário, nem mesmo nos casos em que muitas pessoas participavam e por isso deparavam-se com pouca repressão. Os comícios não violentos atingiram o seu auge no domingo, 16 de Agosto, o mais importante na Bielorrússia pós-soviética.

As entrevistas às pessoas que participaram mostram que as eleições roubadas, a violência policial, as detenções em massa e a tortura são as principais motivações para que as pessoas tenham ido às manifestações. Parece que a violência policial excessiva na primeira noite se voltou contra o poder, como aconteceu em muitos outros protestos, e alimentou a mobilização dos opositores a Lukashenko. Contudo, parece que os manifestantes não foram capazes de colmatar a lacuna e atrair um número significativo de apoiantes de Lukashenko ou pessoas indecisas para o seu campo.

3.- A agitação laboral em importantes fábricas bielorrussas foi um acontecimento importante. Realmente sem precedentes no contexto dos protestos e revoluções anti-governamentais pós-soviéticas, onde as greves dos trabalhadores atomizados na região não desempenharam um papel significativo.

No caso do grande setor público na Bielorrússia, as greves sustentadas das grandes empresas estatais poderiam infligir um rude golpe ao governo. Já se tornaram uma inovação e não um repertório de protestos políticos nesta região. Ao contrário da violência, este é um problema para o qual o governo não estava preparado e provavelmente contribuiu para a mudança no sentido da desescalada na semana passada.

No entanto, a magnitude dos movimentos sociais está ainda longe de ser uma greve geral. Francamente, a maioria destas atividades nem sequer podem ser chamadas greves, no sentido estrito. São sobretudo petições, reuniões com a direção e reuniões em pátios e locais de trabalho ao ar livre. Por vezes, grandes grupos de trabalhadores juntaram-se às manifestações de uma forma organizada. Há apenas relatos contraditórios de que a produção parou efetivamente, mesmo que apenas parcialmente, e neste caso apenas nalgumas fábricas.

É possível que esta agitação operária esteja a crescer. Contudo, ainda não é claro até que ponto será duradoura e verdadeiramente perturbadora, se for coordenada apenas por comités de greve que aparecem espontaneamente e por uma oposição de classe média e de elite igualmente inexperiente, que está bastante distante da vida dos trabalhadores.

Como era de esperar, os sindicatos oficiais são pró-governamentais e até mobilizaram pessoas para manifestações a favor de Lukashenko. Em princípio, há muitas formas de dividir os trabalhadores e quebrar as greves. O dinheiro dos empresários e da diáspora, o financiamento coletivo organizado pelas redes de Telegram ligados à oposição e ao comité de solidariedade, está longe de poder apoiar [a perda de salários] de milhares de trabalhadores durante uma greve suficientemente longa, e só pode desacreditar as greves, se forem entendidas como corruptas.

Outra preocupação é a ausência de exigências socioeconómicas na maioria das exigências da greve, a maioria das quais se concentra exclusivamente nas exigências políticas da oposição. Neste caso, é pouco provável que os muitos trabalhadores que não votaram em Tikhanovskaya tenham vergonha de não se juntarem às greves. Os trabalhadores entram na política não como uma classe consciente dos seus diferentes interesses, mas como cidadãos anti-Lukashenko que por acaso se encontram em posições estratégicas de produção económica.

Isto levanta novamente a questão de saber por que razão mesmo uma tão limitada agitação laboral não ocorreu noutras revoluções pós-soviéticas, especialmente durante o caso Maidan, na Ucrânia. Aí, a oposição convocou greves a partir do dia zero. Contudo, o que realmente se materializou durante os três meses da campanha foram os comícios não perturbadores organizados pelas autoridades locais pró-oposição nas regiões ocidentais ou por algumas administrações universitárias.

Uma explicação poderia ser que, ao contrário de outros líderes pós-soviéticos, Lukashenko reteve mais a indústria soviética e as suas caraterísticas específicas. Concentrados em cidades de uma única indústria ou distritos industriais, os trabalhadores trazem para o seu local de trabalho os problemas da comunidade face à violência policial e descobrem espontaneamente o poder que obriga a direcção a entrar em diálogo com eles. Devemos também recordar as importantes e perturbadoras greves dos trabalhadores soviéticos do final dos anos 80, durante a era Perestroika, que não se repetiram imediatamente após o colapso industrial.

O início descentralizado e sem líderes dos protestos bielorrussos pode fornecer outra explicação. Na Ucrânia, os líderes dos partidos da oposição, milionários representando bilionários, bem como os ativistas das ONGs da classe média e pró-ocidental, não eram exatamente o povo que se esperaria que inspirasse as greves dos trabalhadores, principalmente porque as restantes grandes indústrias soviéticas estavam concentradas nas regiões maioritariamente pró-russas do sudeste.

Por último, mas não menos importante, e isto pode explicar porque mesmo os trabalhadores ucranianos da região ocidental não se juntaram aos protestos de forma organizada, a oposição ucraniana aparentemente apostou com bastante antecedência na crescente pressão exercida pelo Ocidente sobre Victor Yanukovych (presidente de 25 de Fevereiro de 2010 a 22 de Fevereiro de 2014, o chefe pró-russo do Partido das Regiões) e numa tomada violenta do poder, o que pode não ser uma opção para a oposição bielorrussa.

4.- A contestação, inicialmente descentralizada, está em vias de ser estruturada. Estão a surgir várias iniciativas dos meios de comunicação social, médicas, de solidariedade e do comité de greve. Contudo, se alguém pode reclamar a liderança do movimento neste momento, é Tikhanovskaya (refugiada em Vilnius) e a sua equipa eleitoral.

Isto levanta a questão de saber em que medida se adaptaram à evolução dos protestos e quem irá realmente tomar o poder depois de Lukashenko, e quais são os seus interesses e ideias. As aspirações dos manifestantes de base são um mau indicador das consequências do protesto. O que é muito mais importante é quem será realmente capaz de concorrer às possíveis novas eleições e quem será capaz de exercer pressão para estas "mudanças reais" após a mudança de poder.

Neste contexto, é preocupante que o Conselho de Coordenação para a Transferência de Poder, de Tikhanovskaya, seja composto principalmente por intelectuais, empresários e ativistas de partidos de oposição marginais e ONGs com estranhas agendas neoliberais e nacionalistas, que parecem ser um corte e cola do desenvolvimento da Ucrânia, após 2014.

Hoje, a oposição está a tentar distanciar-se do programa do pacote de reformas para a Bielorrússia, que tem sido apoiado por algumas ONG e alguns partidos no Conselho de Coordenação. Cada revolução é uma exigência de mudança verdadeiramente “revolucionária”. A questão importante é saber quem terá autoridade e recursos suficientes para preencher este vazio e com que ideias.

5.- Apesar de algumas deserções de baixa patente e curta escala entre polícias, jornalistas pró-governamentais e alguns funcionários, não há sinais de deserção de alto nível entre a elite, a polícia e o exército. Em revoluções, temos visto frequentemente provas de brechas que ocorrem nos bastidores semanas ou mesmo meses depois, graças a reportagens de jornalistas de investigação. Contudo, o estilo menos conflitivo e orientado para o diálogo de algumas autoridades e funcionários locais pode refletir não uma mudança de lealdade da sua parte, mas uma estratégia geral de desescalada, o que faz Lukashenko ganhar tempo.

É também interessante notar que estão a ser mobilizados comícios bastante grandes para apoiar Lukashenko em todo o país. Os participantes em comícios pró-Lukashenko parecem ser mais pobres e mais velhos, em média, do que os que participam em comícios da oposição. Mesmo de acordo com jornalistas da oposição, a manifestação pró-governamental em Minsk reuniu cerca de 30.000 pessoas.

Foi mais pequena do que a manifestação da oposição no mesmo dia, e o transporte para Minsk ou outras cidades foi organizado por estruturas pró-governamentais. No entanto, os participantes pareceram sinceros e entusiastas no seu apoio a Lukashenko e expressaram receios racionais de perda de empregos, crise para a indústria e a estabilidade, bem como receios de violência.

Isto contrasta fortemente com os comícios pró-Yanukovich, na Ucrânia, que apenas pareciam reforçar a ilusão dos manifestantes de que toda a cidadania consciente apoiava Maidan e que aqueles que não a apoiavam eram vendidos, desajustados e/ou traidores. Lukashenko explora intensivamente a retórica patriótica sobre a pátria ameaçada, enquanto a oposição ainda não encontrou uma forma de falar sobre a identidade bielorrussa e de não repetir as ideias e uma retórica nacional-democrática impopulares.

6.- As duas previsões opostas, nomeadamente: (1) uma invasão russa da Bielorrússia para salvar Lukashenko ou (2) a aceitação pela Rússia de todas as soluções de crise na Bielorrússia, porque a sua economia é tão dependente da Rússia, baseiam-se em duas comparações enganadoras com a Ucrânia e a Arménia.

Na verdade, a Rússia absteve-se de qualquer invasão em grande escala do sudeste da Ucrânia. O custo de anexar a Crimeia, uma península com uma população simpatizante e receosa da recente mudança violenta de poder na capital, é incomparavelmente inferior ao que seria causado pela ocupação da Bielorrússia, um país muito maior onde já estão a ter lugar grandes manifestações de oposição.

A Arménia, por seu lado, é um pequeno país enclausurado entre dois Estados mais poderosos e hostis (Azerbaijão e Turquia) que bloqueiam a maior parte das suas fronteiras. O que determinou a tolerância de Vladimir Putin para com a revolução arménia há dois anos foi mais do que o simples facto de a sua economia estar dependente da Rússia.

Por outro lado, a fraqueza de qualquer divisão nacional-identitária na Bielorrússia, ao contrário da Ucrânia, torna mais difícil a legitimação do apoio à repressão. Se Putin na Ucrânia podia reivindicar a legitimidade de salvar a nossa população de língua russa dos “banderitas” [referência a Stepan Bandera, um nacionalista ucraniano que colaborou com os nazis, que foi preso por estes últimos após as suas declarações de independência, antes de voltar a colaborar com eles em 1944] estrangeiros das regiões ocidentais, na Bielorrússia todo o povo “é nosso”, e não apenas uma parte dele.

Nem é “legítimo”, aos olhos da população russa, apoiar o governo de Lukashenko, que está a atacar o “nosso” povo. Isto significa que o apoio russo é suscetível de ser limitado e secreto. No caso de Lukashenko eventualmente perder o controlo, a Rússia será provavelmente mediadora para assegurar os seus interesses num compromisso negociado. Uma mudança de poder na Bielorrússia deve ser verdadeiramente “liderada” pela Rússia, de modo a não ser vista como uma perda para Putin. Para tal, qualquer candidato sério para substituir Lukashenko teria de fazer mais pela Rússia do que simplesmente esconder as suas preferências geopolíticas, como a oposição está atualmente a fazer.

7.- Um último ponto, relativo às referências à Ucrânia nas atuais discussões sobre a Bielorrússia. Em primeiro lugar, declarações como “isto é Maidan” e “isto não se parece nada com Maidan” por parte do governo ou dos apoiantes da oposição são da mesma natureza que as declarações completamente típicas de legitimação/deslegitimação como “isto é um pogrom, não uma revolução”, ou ”somos partidários, não terroristas”, “não somos fascistas, apenas patriotas”. Se o nosso objetivo não é jogar este tipo de jogos, mas sim compreender e esclarecer o que está  a acontecer na Bielorrússia, devemos fazer uma comparação cuidadosa, em vez de nos contentarmos com rótulos.

Uma comparação com a Ucrânia pode não só ajudar a compreender a Bielorrússia, mas também o oposto. Agora podemos ver melhor como é um protesto verdadeiramente “espontâneo”, totalmente “nacional”, “sem líderes”, e que parece muito diferente do Maidan ucraniano. A impressão negativa deixada pelo alegado sucesso da revolta ucraniana de 2014 leva à negação de qualquer semelhança.

Além disso, a tendência para falar da Ucrânia apenas no contexto de nacionalistas radicais, divisões regionais e rivalidades geopolíticas - e assim concluir que “nada disto está a acontecer na Bielorrússia”, começa a dar a impressão de que a pessoa que diferencia uma situação da outra passou a apreciar as notícias muito negativas sobre Maidan típicas da Rússia de hoje em dia.

Houve muitos outros problemas graves com Maidan - o carácter vago das suas exigências, a sua incapacidade de construir instituições, a polarização das classes subordinadas, e a exclusividade do seu nacionalismo cívico - que são muito relevantes para a Bielorrússia. Parece que o entusiasmo cor-de-rosa pela Bielorrússia, porque “há trabalhadores envolvidos” é da mesma natureza que o ceticismo cínico sobre a Ucrânia, porque “lá havia fascistas”.

_____
*Volodymyr Ishchenko é Investigador do Instituto de Estudos Eslavos da Universidade Técnica de Dresden. A sua investigação centra-se em protestos e movimentos sociais, revoluções, política de esquerda e direita, nacionalismo, sociedade civil. Escreveu vários artígos e entrevistas sobre a política ucraniana contemporánea, o levantamento de Maidan e a guerra de 2013-14 para várias publicações ("The Guardian", "New Left Review" e "Jacobin"). Foi membro de varias iniciativas da nova esquerda na Ucrânia e editor/fundador da publicação intelectual de esquerda "Commons: Journal of Social Criticism". Artígo publicado no site "LeftEast" a 21 de Agosto de 2020; tradução pela editora A l'Encontre. Traduzido por António José André para Esquerda.net

política: 
Bielorrússia
(...)

Resto dossier

Bielorrússia: os protestos que abalam o regime

A paciência dos bielorrussos parece ter-se esgotado após a resposta irresponsável de Lukashenko à pandemia da covid-19 e a crise do modelo económico sustentado por Moscovo. A gota de água foram as eleições presidenciais  viciadas pelo regime, que prendeu os candidatos e em seguida, após a inédita mobilização da campanha da oposição, anunciou uma vitória retumbante. Dossier organizado por Luís Branco.

Lukashenko, o autocrata da Bielorrússia

Ao fim de 26 anos à frente da Bielorrússia, Aleksandr Lukashenko sempre conseguiu neutralizar quem lhe fazia frente, à medida que endurecia o autoritarismo do regime. Agora enfrenta nas ruas o maior desafio ao seu poder.

Bielorrússia grita por liberdade

A larguíssima maioria dos partidos da Esquerda Europeia e o próprio "Partido" em si condenaram a fraude eleitoral, a repressão e manifestam-se a favor de uma solução pacífica que corresponda à autodeterminação democrática do povo da Bielorrússia. Isso não quer dizer validar sanções da União Europeia, que, aliás, no seu seio tem muito com que se preocupar com o avanço da extrema-direita e dos Orbán. Artigo de Luís Fazenda.

Bandeira da Bielorrússia

A história política de um país em ebulição

Neste artigo, Jorge Martins resume a história e o contexto político da Bielorrússia do início da Idade Média até à independência, com enfoque especial nas últimas três décadas dominadas pelo regime de Lukashenko.

Polícia prepara-se para deter participantes num protesto pacífico nas ruas de Minsk a 19 de setembro.

Mulheres e feminismo na Bielorrússia: a verdade por detrás do “poder das flores”

Entrevista com Irina Solomatina, ativista feminista e participante frequente nas manifestações. Solomatina é a Chefe do Conselho da Organização das Mulheres Trabalhadoras da Bielorrússia (desde Maio de 2019) e co-autora do livro “Ativismo das mulheres na Bielorrússia: Invisível e Intocável" (em russo), juntamente com Victoria Schmidt.

Marija Pejcinovic Buric

Lentidão da resposta internacional mostra limites do regime mundial dos direitos humanos

A reação das instituições internacionais e europeias de direitos humanos não tem sido proporcional à magnitude da crise. Artigo de Kanstantsin Dzehtsiarou.

Manifestação contra Lukashenko a 16 de agosto em Minsk.

Bielorrússia: sobre as mobilizações e as diferenças com o "Maidan ucraniano"

Se o nosso objetivo for compreender e esclarecer o que está a acontecer na Bielorrússia, devemos fazer uma comparação cuidadosa, em vez de nos contentarmos com rótulos. Por Volodymyr Ishchenko.

Manifestação da oposição na Bielorrússia. Agosto de 2020. Foto de YAUHEN YERCHAK/EPA/Lusa.

Esquerda bielorrussa luta para colocar reivindicações sociais no centro dos protestos

Dois representantes da esquerda bielorrussa mostram uma imagem mais complexa daquilo que se está atualmente a viver no seu país do que os relatos dos liberais pró-ocidente e dos defensores do regime que falam num “Maidan em Minsk”. Uma entrevista de Volodymyr Artiukh a Ksenia Kunitskaya e Vitaly Shkurin.