Está aqui

Bielorrússia: os protestos que abalam o regime

A paciência dos bielorrussos parece ter-se esgotado após a resposta irresponsável de Lukashenko à pandemia da covid-19 e à crise do modelo económico sustentado por Moscovo. A gota de água foram as eleições presidenciais viciadas pelo regime, que prendeu os candidatos e em seguida, após a inédita mobilização da campanha da oposição, anunciou uma vitória retumbante. Dossier organizado por Luís Branco.

Já passaram quase dois meses das eleições de 9 agosto e a Bielorrússia continua a assistir a manifestações com dezenas de milhares de pessoas todas as semanas contra a fraude eleitoral. O autocrata que dirige o país há 26 anos diz que as eleições foram limpas e deram-lhe mais uma vitória esmagadora com 80% dos votos. Mas ao contrário da pompa habitual das tomadas de posse presidencial, desta vez Lukashenko foi empossado quase em segredo. Enquanto isso, o KGB trata de prender ou empurrar para o exílio as principais figuras da oposição.

As manifestações nas ruas têm sido pacíficas e com forte presença de jovens e mulheres, mas poucos imaginam Lukashenko a ser capaz de ceder o lugar pacificamente, dado que é quase refém de um sistema político que criou à sua imagem, acumulando quase todos os poderes até se tornar num Presidente absoluto. Neste dossier, Jorge Martins resume a história e o contexto político do país, da idade Média aos dias de hoje. Olhamos também para a ascensão política de Lukashenko desde os tempos da URSS e a forma como conseguiu consolidar um regime presidencialista, neutralizando quase por completo a oposição.

A reação da esquerda europeia aos protestos na Bielorrússia e à perseguição dos opositores de Lukashenko é abordada no artigo de Luís Fazenda, que critica o facto de alguns setores da esquerda se sentirem na obrigação de apoiar os interesses de Putin e da Rússia, colocando pretensas razões geopolíticas acima da vontade democrática dos povos.

Com as mulheres a aparecerem na primeira linha dos protestos dos últimos dois meses, a ativista feminista Irina Solomatina analisa a forma como a pandemia afetou a credibilidade do regime em vésperas de eleições. E opõe-se a quem veja no protagonismo feminino das líderes da oposição um virar de página em relação aos preconceitos e mitos patriarcais do país.

As violações dos direitos humanos na Bielorrússia não começaram com a prisão dos candidatos presidenciais ou na violência contra os manifestantes nos primeiros dias dos protestos. A estes episódios recentes, a União Europeia deu uma resposta contraditória, com o Chipre a bloquear até esta semana as sanções ao círculo próximo de Lukashenko e o Conselho da Europa a demorar um mês até emitir palavras de condenação, relata Kanstantsin Dzehtsiarou, académico da área da Legislação de Direitos Humanos.

Por seu lado, o investigador da Universidade de Dresden Volodymyr Ishchenko defendia logo após as eleições que as comparações da situação bielorrussa com a revolta de Maidan na Ucrânia devem ser cuidadosas e resistirem à tentação da colagem de rótulos, dadas as diferenças evidentes entre as duas sociedades e os seus contextos. Na mesma altura, dois militantes da esquerda bielorrussa, Ksenia Kunitskaya e Vitaly Shkurin, alertavam também para as interpretações erradas do descontentamento social, descrevem o ambiente nos primeiros dias de protestos e explicam como o país chegou a este ponto de saturação.

Acompanhe aqui os conteúdos publicados no esquerda.net sobre a situação na Bielorrússia.

política: 
Bielorrússia
(...)

Resto dossier

Bielorrússia: os protestos que abalam o regime

A paciência dos bielorrussos parece ter-se esgotado após a resposta irresponsável de Lukashenko à pandemia da covid-19 e a crise do modelo económico sustentado por Moscovo. A gota de água foram as eleições presidenciais  viciadas pelo regime, que prendeu os candidatos e em seguida, após a inédita mobilização da campanha da oposição, anunciou uma vitória retumbante. Dossier organizado por Luís Branco.

Lukashenko, o autocrata da Bielorrússia

Ao fim de 26 anos à frente da Bielorrússia, Aleksandr Lukashenko sempre conseguiu neutralizar quem lhe fazia frente, à medida que endurecia o autoritarismo do regime. Agora enfrenta nas ruas o maior desafio ao seu poder.

Bielorrússia grita por liberdade

A larguíssima maioria dos partidos da Esquerda Europeia e o próprio "Partido" em si condenaram a fraude eleitoral, a repressão e manifestam-se a favor de uma solução pacífica que corresponda à autodeterminação democrática do povo da Bielorrússia. Isso não quer dizer validar sanções da União Europeia, que, aliás, no seu seio tem muito com que se preocupar com o avanço da extrema-direita e dos Orbán. Artigo de Luís Fazenda.

Bandeira da Bielorrússia

A história política de um país em ebulição

Neste artigo, Jorge Martins resume a história e o contexto político da Bielorrússia do início da Idade Média até à independência, com enfoque especial nas últimas três décadas dominadas pelo regime de Lukashenko.

Polícia prepara-se para deter participantes num protesto pacífico nas ruas de Minsk a 19 de setembro.

Mulheres e feminismo na Bielorrússia: a verdade por detrás do “poder das flores”

Entrevista com Irina Solomatina, ativista feminista e participante frequente nas manifestações. Solomatina é a Chefe do Conselho da Organização das Mulheres Trabalhadoras da Bielorrússia (desde Maio de 2019) e co-autora do livro “Ativismo das mulheres na Bielorrússia: Invisível e Intocável" (em russo), juntamente com Victoria Schmidt.

Marija Pejcinovic Buric

Lentidão da resposta internacional mostra limites do regime mundial dos direitos humanos

A reação das instituições internacionais e europeias de direitos humanos não tem sido proporcional à magnitude da crise. Artigo de Kanstantsin Dzehtsiarou.

Manifestação contra Lukashenko a 16 de agosto em Minsk.

Bielorrússia: sobre as mobilizações e as diferenças com o "Maidan ucraniano"

Se o nosso objetivo for compreender e esclarecer o que está a acontecer na Bielorrússia, devemos fazer uma comparação cuidadosa, em vez de nos contentarmos com rótulos. Por Volodymyr Ishchenko.

Manifestação da oposição na Bielorrússia. Agosto de 2020. Foto de YAUHEN YERCHAK/EPA/Lusa.

Esquerda bielorrussa luta para colocar reivindicações sociais no centro dos protestos

Dois representantes da esquerda bielorrussa mostram uma imagem mais complexa daquilo que se está atualmente a viver no seu país do que os relatos dos liberais pró-ocidente e dos defensores do regime que falam num “Maidan em Minsk”. Uma entrevista de Volodymyr Artiukh a Ksenia Kunitskaya e Vitaly Shkurin.