Está aqui

Amigos de Valentim à conquista do Porto

Algumas figuras da rede de poder autárquico montada por Valentim Loureiro encontraram no executivo de Rui Moreira um verdadeiro porto de abrigo a partir de 2013, quando a lista encabeçada pelo delfim do major foi impedida de concorrer a Gondomar.
Fernando Paulo
Fernando Paulo, atual vereador da Habitação, Coesão Social e Educação da CM Porto, esteve 20 anos na vereação da CM Gondomar. e

Logo no primeiro mandato de Rui Moreira houve quem notasse a “gondomarização” da Câmara do Porto. Nessa eleição, em 2013, Fernando Paulo devia ter encabeçado a lista “Gondomar no Coração”, de Valentim Loureiro, então impedido de se recandidatar por ter atingido o limite dos mandatos. Mas a lista não conseguiu ir às urnas, devido a irregularidades detetadas pelo Tribunal Constitucional.

Num artigo da revista Visão publicado no fim de 2018, o repórter Miguel Carvalho conta o que se passou a seguir. Fernando Paulo aproveitou para reclamar a subvenção vitalícia a que tinha direito desde 2005, aos 37 anos, ao abrigo do estatuto então em vigor para os eleitos locais, que lhes permitia contar os anos no cargo a dobrar para efeito de aposentação. Aos 20 anos na vereação gondomarense, o delfim de Valentim Loureiro somava então mais quatro anos como autarca na freguesia de Fânzeres.

Segundo a nota biográfica apresentada no site do movimento criado por Rui Moreira, em 2014 Fernando Paulo “é convidado por Rui Moreira para diretor da Presidência”. E de facto tudo indica que assim terá sido, embora a concretização desse “convite” tenha assumido contornos de escândalo. O cargo de diretor da Direção Municipal da Presidência funciona na dependência do Presidente da Câmara, mas é preenchido através de um concurso público. A mudança nas regras do concurso para valorizar os anos de experiência em cargos dirigentes ou executivos da Administração Pública e para exigir uma licenciatura “em Filosofia e áreas afins” encaixou como uma luva no perfil de Fernando Paulo. As denúncias do Bloco de Esquerda na sequência da publicação dos contornos do concurso pela Visão não tiveram seguimento por parte do Tribunal de Contas e ainda aguardam pronúncia por parte da Inspeção-Geral de Finanças.

Na Câmara do Porto, Fernando Paulo foi encontrar um amigo e velho conhecido das lides autárquicas de Gondomar. Nuno Nogueira Santos tinha sido o responsável pela comunicação da campanha eleitoral de Moreira em 2013 e seu adjunto ao longo do primeiro mandato, tornando-se o diretor de campanha na sua reeleição em 2017. Uma experiência semelhante à que tinha tido com Valentim Loureiro: depois de três anos à frente do gabinete de imprensa da Câmara de Gondomar, este antigo jornalista dirigiu a comunicação da campanha de Valentim Loureiro em 2005, tornando-se depois seu adjunto. Desses anos reuniu algumas recordações no livro intitulado “A Varinha Mágica de Valentim Loureiro: Méritos, truques e habilidades populistas”. Uma prática a que regressou no novo cargo, desta vez em co-autoria com Rui Moreira no livro “TAP - Caixa Negra” para denunciar “um caso paradigmático de centralismo” e enaltecer a ação do autarca contra a “estratégia de abandono do aeroporto do Porto. Em julho saiu do cargo de chefe de gabinete de Rui Moreira, prometendo um “adeus definitivo à política”. Ainda segundo a Visão, a mulher de Nuno Nogueira Santos tornou-se adjunta de Fernando Paulo assim que o antigo delfim de Valentim chegou à vereação, acumulando com a presidência da empresa municipal Domus Social.

Antes disso, de acordo com a mesma reportagem, outra figura da máquina autárquica da gestão Valentim Loureiro tinha dado entrada na Câmara do Porto meses depois de Fernando Paulo vencer o polémico “concurso”. Trata-se de Otília Oliveira, cujos anos de serviço da autarquia de Gondomar, entre 1994 e 2013, coincidem com os de Fernando Paulo na vereação e sempre na dependência dos seus pelouros enquanto adjunta do vereador e chefe de divisão de Educação, Ação Social e Saúde. No Porto, tornou-se chefe da divisão de Ação Social e depois diretora municipal de Educação, cargo que mantém atualmente.

Com o regresso de Fernando Paulo às lides da vereação, agora no Porto, abriu-se uma vaga no cargo de diretor da Direção Municipal da Presidência, que ocupava. Talvez devido à escassez de licenciados em Filosofia com experiência de gestão pública, as regras do concurso voltaram a mudar, agora sem especificar a área da licenciatura exigida. Mas o vencedor foi outra figura da órbita de Valentim e de Fernando Paulo, desta vez o quarto nome da lista “Gondomar no Coração”, chumbada pelo Tribunal Constitucional em 2013. Adolfo Sousa estava nos quadros da Câmara do Porto desde 2016 e já assumira o lugar em regime de substituição após a saída de Fernando Paulo.

(...)

Resto dossier

Rui Moreira - Prepotência política e gestão sob suspeita

Ameaçado pela justiça com a perda de mandato por causa do “caso Selminho”, Rui Moreira promete recandidatar-se após dois mandatos também marcados pela atitude prepotente face à oposição e o desprezo pela participação cidadã. Dossier organizado por Luís Branco.

Terrenos junto à Ponte da Arrábida no Porto

O que está em causa no caso Selminho?

Aconteceu no Porto. Mas podia ocorrer em qualquer outro ponto do país. Os dois ingredientes do caso Selminho estão presentes em todo o território nacional. Artigo de José Castro.

Arruada de campanha em 2017. Em primeiro plano, da esquerda para a direita: Filipe Araújo (Vereador do Ambiente e Vice Presidente da Câmara), Miguel Pereira Leite (Presidente da Assembleia), Rui Moreira, Cândido Correia (candidato à Junta de Campanhã) e Fernando Paulo (vereador Habitação, Coesão Social e Educação). Atrás de Rui Moreira está Nuno Santos, então diretor de campanha e mais tarde chefe de gabinete, do qual saiu em julho de 2020.

Rui Moreira: rei no xadrez

Apesar de não ter conquistado a maioria dos deputados municipais em 2017, Rui Moreira conseguiu alcançá-la ao cooptar a deputada do PAN e um deputado do PSD. Em seguida converteu a Assembleia Municipal do Porto numa caixa de ressonância da Câmara Municipal, negligenciando a importância daquele órgão e do seu pluralismo para a saúde da democracia local. Artigo de Susana Constante Pereira.

Rui Moreira.

Rui Moreira: Burguês, conservador e elitista

Rui Moreira é um lídimo representante da burguesia comercial e liberal da Foz, imagem que cultiva como se fosse um gentleman de boa cepa, mas que facilmente esbarra com a realidade. Artigo de João Teixeira Lopes.

Escritórios da Telles de Abreu no Porto.

Advogados do movimento de Rui Moreira faturaram mais de meio milhão à autarquia

A Câmara Municipal do Porto pagou pelo menos 525 mil euros à sociedade de advogados Telles de Abreu, onde é sócio o líder da bancada municipal e vários dirigentes do Movimento de Rui Moreira. O mesmo escritório representou esse Movimento numa queixa à CNE contra o Bloco de Esquerda.

Porto.

Boa governação, precisa-se

Boa governação implica evitar a tentação populista de agradar a maiorias desinformadas e vítimas de mera propaganda. Significa colocar o interesse das pessoas acima de interesses corporativos e de elite. Artigo de Sérgio Aires.

Rui Moreira

Processos judiciais são a arma de resposta às críticas

A intimidação de adversários políticos e jornalistas, através do recurso aos tribunais em ações pagas pelos munícipes, tem sido a imagem de marca da governação de Rui Moreira nos últimos anos.

Casa da Música

Menos montra e mais conteúdo

A cidade do Porto tem assistido à condução de uma política cultural baseada quase exclusivamente na programação dos espaços culturais do município e em opções ora avulsas ora alheias aos agentes culturais da cidade e ao que deveria ser uma estratégia sustentada e co-construída. Artigo de Mário Moutinho.

Fernando Paulo

Amigos de Valentim à conquista do Porto

Algumas figuras da rede de poder autárquico montada por Valentim Loureiro encontraram no executivo de Rui Moreira um verdadeiro porto de abrigo a partir de 2013, quando a lista encabeçada pelo delfim do major foi impedida de concorrer a Gondomar.