Está aqui

9 medidas para mudar a forma como as crianças comem nas escolas de Lisboa

Queremos dar a garantia às famílias lisboetas que as refeições da escola pública são as melhores refeições que os filhos podem ter. Por Ricardo Moreira e Rodrigo Rivera.
O Vegi é a mascote do programa que leva caixas de fruta às escolas. Foto CML.

É na infância e adolescência que mais se desenvolvem e determinam hábitos alimentares que terão impacto direto em toda a vida adulta. Sendo nas escolas que as crianças fazem diariamente as suas principais refeições, são esses também os locais propícios para o desenvolvimento de preferências alimentares e estilos de vida mais saudáveis.

Infelizmente, nos últimos anos a alimentação escolar tem sido noticiada pelas piores razões. Um pouco por todo o país, do 1º ao 12º ano, as crianças e jovens queixaram-se da qualidade e até da quantidade de comida oferecida nas escolas. Este problema é consequência de uma política de vários anos de desmantelamento dos serviços públicos de confeção local nas escolas, num claro favorecimento do modelo de catering privado. 

Quando o Bloco de Esquerda assumiu o Pelouro da Educação e dos Direitos Sociais, a situação das refeições dos JI e 1º ciclo era problemática. Em grande parte das escolas, as refeições eram pouco saborosas, servidas em cuvetes de plástico descartável e em alguns casos até em quantidade insuficiente. As crianças tinham razão quando se queixavam e por isso o Bloco decidiu agir.

Aprendendo com o erro da externalização de serviços para o catering, feito por  governos passados, optámos por uma mudança importante de paradigma. A nossa opção é pela confeção local, pela abolição do plástico descartável, pelo serviço público em detrimento do privado, pela quantidade adequada, pela colaboração com várias entidades relacionadas com a saúde pública. Queremos dar a garantia às famílias lisboetas que as refeições da escola pública são as melhores refeições que os filhos podem ter.

9 medidas para mudar a forma como as crianças comem nas escolas de Lisboa:

  1. Eliminação das modalidades de catering e aposta no sistema de confeção local. O presente ano letivo já se iniciou com melhorias imediatas no sistema de refeições, eliminando as modalidades de catering e substituindo-as pelo modelo de confeção local, em que as refeições são confeccionadas nas cozinhas das escolas, refeições elaboradas nesse mesmo dia, com produtos frescos e com mais sabor. Em resultado desta alteração, a satisfação de crianças com o sabor e a textura dos alimentos já aumentou significativamente, assim como a confiança dos pais no sistema.
  2. Eliminação do plástico descartável, poupando-se mais 50 toneladas anuais de plástico. Não sendo aceitável que as crianças fizessem as suas refeições em cuvettes de plástico, eliminou-se completamente a sua utilização, assim como os talheres de uso único. Hoje, todas as crianças das escolas de Lisboa fazem as suas refeições com pratos de loiça e talheres de metal. Isto significa uma poupança enorme na pegada ecológica das escolas de Lisboa, uma medida de eficiência económica essencial e um passo para uma escola mais sustentável.
  3. Alteração do Caderno de Encargos na contratação pública das refeições. Em vez de dar prioridade ao preço, o que acontecia antes, decidimos alterar as regras do jogo. As condições e critérios de seleção do atual Caderno de Encargos foram melhoradas, determinando que a adjudicação é feita à proposta economicamente mais vantajosa para o município, mas tendo em conta a relação qualidade-preço, onde a qualidade do serviço tem a ponderação de 60% e o preço das refeições de 40%. A qualidade do serviço tem também em conta as condições laborais e formação do pessoal de cozinha e pessoal de apoio às refeições e a origem biológica dos iogurtes naturais, bem como dos hortícolas disponíveis nas refeições. Neste CE elege-se ainda o Padrão Alimentar Mediterrânico, constituindo uma dieta nutricionalmente adequada, diversa em cores, sabores e texturas e promotora da saúde, bem como da sustentabilidade ambiental.
  4. Almoço na escola… Todos em festa. Destinada a aproximar os pais, mães e encarregados de educação do sistema de refeições, e contribuindo para aumentar a sua confiança no sistema, já é possível a todos os encarregados de educação almoçarem com os seus filhos e educandos, partilhando com eles e os seus colegas a refeição. No final de cada refeição serão recolhidos questionários de satisfação, para posterior tratamento pela Equipa Técnica Municipal da alimentação escolar.     
  5.  “Fruta e água – sempre disponível”. Para melhorar a oferta e aumentar as alternativas nas escolhas das crianças enquanto estão na escola, todas as escolas passarão a ter disponível, em lugares estratégicos da escola, fruta (“Caixa de Fruta do VEGI”) e água, que poderão ser consumidos quando a criança está disponível (ou curiosa) para tal e não apenas quando está “na hora” de comer.
  6. Promoção de circuitos curtos e dinamização da economia local. Garantindo melhor qualidade, rastreabilidade, segurança e autenticidade dos produtos, e produtos mais frescos e saudáveis, mais baratos e diversificados, e provenientes de agricultura menos poluente, promovemos circuitos agro-alimentares curtos, com benefícios ao nível da qualidade das refeições e confiança no sistema de refeições escolares, mas também no plano económico, cultural e ambiental.
  7. Diminuição do desperdício alimentar. O aumento da satisfação dos alunos com os alimentos e um acompanhamento personalizado das doses servidas contribui para a diminuição do desperdício alimentar. Esta área é objecto de monitorização, sendo acompanhada de ações de sensibilização, tanto das crianças, quanto do pessoal de cozinha e pessoal de apoio no refeitório.
  8. Política de proximidade e envolvimento das Juntas de Freguesia. Considerando-se que a gestão das cozinhas/refeitórios das escolas de 1º ciclo e jardins-de-infância deve ser de proximidade e adequada à população, integrando a cultura, diversidade e história de cada área e de cada população, bem como promovendo circuitos agro-alimentares curtos, promovemos a celebração de contratos de delegação de competências com as Juntas de Freguesias.
  9. Criação de uma Equipa Técnica Municipal exclusivamente dedicada à monitorização e avaliação da implementação e da qualidade do Plano Municipal de Alimentação Escolar Saudável (PMAES). Todo este trabalho é monitorizado regularmente por uma equipa técnica municipal de especialistas, que envolve profissionais de várias áreas, nomeadamente nutricionistas e engenheiros alimentares.  
(...)

Resto dossier

Lisboa: o que mudou com o Bloco na vereação

O acordo pós-eleitoral com o PS na Câmara de Lisboa permitiu ao Bloco ter pela primeira vez responsabilidades executivas na gestão da capital nas áreas da Educação e Direitos Sociais. O que foi feito e o que mudou na primeira metade deste mandato? Dossier organizado por Luís Branco e Rodrigo Rivera.

Políticas de saúde: Câmara e SNS já não estão de costas voltadas

Quando o Bloco chegou à CML deparou-se de imediato com um Plano de Saúde que havia sido feito pelas duas vereações antecedentes, durante 5 anos, mas que não estava aprovado nem em implementação. Por Nuno Veludo.

pré-escolar

Pré-escolar, dois anos de mandato

A escola pública precisa de todos. Porque é com todos que garante aquilo que colégio algum conseguirá: ser um pilar de uma sociedade coesa, inclusiva, em que as oportunidades não dependem única e exclusivamente de coisas fortuitas como a família em que se nasceu ou caraterísticas fisiológicas ou neurológicas. Por Rita Gorgulho e Mariana Avelãs.

autocarro da Carris

Mais transportes públicos e mais ambiente para melhorar a cidade

Uma cidade para ter futuro não pode desprezar a emergência climática em que vivemos. O sistema de transportes é determinante na qualidade de vida e ambiente de uma cidade. Lisboa tem de ser verde nas ações. Por Nuno Veludo e Ricardo Moreira.

A luta pela habitação em Lisboa

Na Câmara de Lisboa e na rua, o Bloco continuará a lutar para que sejam aplicados os vários instrumentos que a lei já consagra para garantir o direito à habitação como um pilar do direito à cidade e da dignidade. Por Fábio Salgado e Ana Júlia Filipe.

 

prédio

Novo Regulamento para o Alojamento Local

Apesar de não ser a proposta do Bloco de Esquerda, provámos mais uma vez que é possível chegar a acordo para garantir um Regulamento de Alojamento Local estabilizado e uma ferramenta indispensável para combater a grave crise na habitação que se vive em Lisboa. Por Ana Júlia Filipe.

Cartaz manuais escolares gratuitos

Manuais escolares gratuitos: mais um passo para a escola inclusiva

O acordo do Bloco com o PS na Câmara Municipal de Lisboa previu a atribuição de manuais escolares gratuitos aos alunos da capital. Esta medida abriu caminho para o alargamento a nível nacional, estendendo-se até ao 12.º ano e a todos os tipos de ensino: vocacional, artístico e profissional. Por Filipa Gonçalves e Ricardo Moreira.

 

Vegi

9 medidas para mudar a forma como as crianças comem nas escolas de Lisboa

Queremos dar a garantia às famílias lisboetas que as refeições da escola pública são as melhores refeições que os filhos podem ter. Por Ricardo Moreira e Rodrigo Rivera.

 

de mão dada

Construir políticas LGBTI coletivamente

Empenhamo-nos para que, a nível local, sejam criadas condições para garantir os direitos LGBTI mas também para desenvolvê-los. Por Ricardo Fuertes.

escadas rolantes

Direitos das pessoas migrantes e refugiadas - do papel à prática

Este ano será construído um novo Programa Municipal de Acolhimento de Refugiados,  com a participação das pessoas que já acolhemos e das associações que connosco trabalham, que nos permita dizer com franqueza que a integração é real. Por Joana Teixeira.

811 dias de resposta a quem vive na rua

Lisboa apresenta nesta área trabalho local, um percurso nacional e internacional onde a cidade já constitui um reconhecido modelo de boas práticas. Por Teresa Bispo.

banco de jardim

Cumprir os direitos sociais para um envelhecimento com dignidade

O apoio à população idosa de Lisboa é dificultado pela divisão de responsabilidades por várias instituições com agendas e ideologias próprias. A falta de recursos humanos e as burocracias tornam tudo mais lento. Mas muita coisa começou a mudar nos últimos dois anos. Por Nuno Veludo.

unidade móvel de consumo vigiado

Drogas: desbloquear avanços esperados nos últimos 20 anos

A implementação da primeira Sala de Consumo Assistido contou com o apoio de moradores, das associações locais, das Juntas de Freguesia e das forças de segurança. Esta implementação tranquila e participada foi já valorizada como boa prática pelo Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência. Por Ricardo Fuertes.

 

Manuel Grilo

“Investimento em habitação pública é a única forma de sair da crise em que Lisboa se encontra”

Nesta entrevista, o vereador bloquista Manuel Grilo faz o balanço do trabalho feito na primeira metade do mandato e fala das tensões com o PS no executivo, do plano para as novas creches que "está há mais de um ano na gaveta de Fernando Medina" e da sua apreensão com a falta de preparação dos socialistas quanto à transição de competências do Estado para a autarquia lisboeta nas escolas do 2º, 3º ciclo e secundário.