Está aqui

Luís Farinha

Ex-Diretor do Museu do Aljube Resistência e Liberdade. Investigador no Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa

Artigos do Autor(a)

19 de Outubro, 2021 - 16:11h

A “Noite Sangrenta”, episódio ocorrido entre o dia 19 e a madrugada de 20 outubro de 1921, encheu de horror a opinião pública nacional e internacional e marcou o futuro da I República de forma irreversível. Por Luís Farinha.

17 de Outubro, 2021 - 19:10h

A Seara Nova afirmou-se desde o início como a face visível de um projeto cultural e político que balizava a sua ação pela construção de um pensamento crítico, inspirador para as elites que governavam o país e escola de civismo para a nação republicana. Por Luís Farinha.

9 de Julho, 2021 - 09:05h

Óscar Carmona ascendeu à chefia do Governo da Ditadura Militar em 9 de julho de 1926, na sequência de um golpe militar dirigido pelo general Sinel de Cordes e por si próprio contra a chefia do general Gomes da Costa. Por Luís Farinha.

28 de Maio, 2021 - 14:01h

O poder político democrático foi entregue pelo Presidente Bernardino Machado ao almirante Mendes Cabeçadas, um liberal que acreditava na regeneração da República, mas que não reuniu as condições político-militares para realizar o projeto político a que se propôs – “uma ditadura temporária regeneradora”. Por Luís Farinha.

17 de Maio, 2021 - 20:28h

Um Colóquio e um debate promovido pelo Observatório da Extrema Direita e pela CULTRA, no passado dia 14. Entre os participantes, um elo comum: a preocupação perante a crise de representação dos sistemas democráticos atuais. Por Luís Farinha.

3 de Abril, 2021 - 18:15h

Uma questão ideológica e doutrinária ou uma disputa de poder no interior do partido? Por Luís Farinha.

16 de Março, 2021 - 22:10h

A propósito de mais um esclarecimento (com ciência em barda) da historiadora Maria de Fátima Bonifácio à edição nº 759 do “Nascer do Sol” do azarento dia 13 de março do corrente ano.

9 de Março, 2021 - 15:02h

Os democráticos, liderados por Afonso Costa e por uma elite militar onde avultava a figura do general Norton de Matos, foram os principais responsáveis pela intervenção de Portugal na Primeira Grande Guerra. Por Luís Farinha.

22 de Fevereiro, 2021 - 13:31h

Um livro “proibido” do general António de Spínola com parecer favorável do general Costa Gomes. A publicação de Portugal e o Futuro, em 22 de fevereiro de 1974 – a dois meses do “25 de Abril”, desencadeou um terramoto no regime. Por Luís Farinha.

21 de Fevereiro, 2021 - 22:54h

“Os portugueses foram “vítimas” ou “cúmplices” da PIDE?” O que há dizer sobre este título de um artigo do Público - P2, 14.2.2021 da autoria de Duncan Simpson?

Páginas