Está aqui

Francisco Alves

Dirigente sindical

Artigos do Autor(a)

19 de Fevereiro, 2017 - 09:39h

Precisamos de continuar a dar passos certos e seguros para não estagnarmos no caminho da mudança à esquerda.

4 de Janeiro, 2017 - 22:55h

Em 2017 a esquerda precisa de fazer mais e melhor para retirar da legislação laboral “as marcas da troika e da direita”, entre as quais a redução dos dias de férias.

12 de Dezembro, 2016 - 13:46h

Dia 19 de dezembro é a red line para os patrões tirarem as ilusões quanto a um acordo de concertação alargado que inclua aumento insignificante do Salário Mínimo Nacional.

4 de Setembro, 2016 - 22:56h

Precisamos de agir para avançar, e isso faz-se na luta e concretiza-se no campo institucional, revendo as normas do Código do Trabalho que desregulamentaram as relações laborais a favor do capital.

2 de Agosto, 2016 - 21:25h

Vencida esta primeira batalha contra a aplicação de sanções, não podemos baixar a guarda, porque as diversas instituições da UE vão manter e exercer todo o tipo de pressões para que as políticas austeritárias voltem a estar presentes no Orçamento de Estado para 2017.

19 de Abril, 2016 - 14:01h

Passados cinco anos de extrema austeridade, vamos celebrar o próximo 25 Abril e o 1º de Maio sem a “canga da troika” em Portugal.

23 de Março, 2016 - 15:00h

Aprovado o Orçamento do Estado para 2016, importa aos trabalhadores saber como devem atuar os sindicatos neste novo ciclo político, dum governo PS, suportado pelos partidos à sua esquerda na Assembleia da República.

25 de Outubro, 2013 - 00:10h

Vamos estar também no dia 26 de Outubro na manifestação promovida pelo Que Se Lixe a Troika. Não desistimos de trabalhar e construir caminhos de unidade que mais cedo que tarde, nos tragam os resultados por que lutamos.

1 de Outubro, 2013 - 00:10h

Comemoramos o 43º Aniversário da CGTP-IN com um novo ciclo para juntar forças à esquerda sem exclusões, onde a exigência da demissão do governo PSD/CDS e a realização de eleições antecipadas estarão certamente presentes.

17 de Julho, 2013 - 00:06h

Em tempos de austeridade global, a resposta popular tem assumido cada vez mais expressão nas ruas em todo o mundo. Em Portugal é fundamental exigir que a democracia não fique refém dos mercados.

Páginas