Está aqui

Uma auditoria "para tornar claro o que é opaco"

Um grupo de 274 cidadãos convocou para 17 de dezembro uma Convenção em Lisboa para instituir um processo de Auditoria Cidadã à Dívida Pública. "Auditar a dívida é urgente. É em nome da dívida que está a ser imposto o declínio à sociedade portuguesa", disse o economista José Maria Castro Caldas no lançamento da iniciativa.

Esta terça feira foi publicamente apresentado o apelo que convoca a Convenção de Lisboa para formalizar uma Auditoria Cidadã à Dívida, subscrito por 274 pessoas. Para além de Castro Caldas, estiveram presentes na conferência de imprensa Ana Benavente, António Carlos Santos, José Guilherme Gusmão, Manuel Carvalho da Silva, Ramiro Rodrigues e Raquel Freire.

"Se o Estado incumpre com os pensionistas e os trabalhadores, por que deve cumprir escrupulosamente e até à exaustão todos os compromissos com os credores?", perguntou Castro Caldas, citado pelo Jornal de Negócios, defendendo que "estes credores não se devem sobrepor a todos os outros".

Esta Convenção terá como objetivos apresentar aos cidadãos os instrumentos de fiscalização, debater as alternativas para resolver o problema da dívida pública e tornar transparente o processo de endividamento do Estado português.

Os subscritores deste apelo querem que a Convenção de 17 de dezembro estabeleça a organização do processo de auditoria cidadã, através da análise de experiências semelhantes noutros países e articulando-se com elas, "nomeadamente as da Grécia e Irlanda". Estes cidadãos querem ainda  "procurar o apoio técnico junto das organizações que à escala internacional têm vindo a acumular conhecimento no domínio das auditorias" e encontrar formas de financiar o processo da auditoria cidadã à dívida portuguesa.
 

ESQUERDA.NET | Apresentação - Iniciativa pela Auditoria à Dívida

Termos relacionados auditoria à dívida, Sociedade
(...)