Serão todos estúpidos e "anti-semitas"?

18 de dezembro 2017 - 23:52

Nem sequer houve abstenções. Catorze países do Conselho de Segurança da ONU aprovaram uma resolução que condena o reconhecimento unilateral (feito por Donald Trump) de Jerusalém como capital de Israel. A resolução não passou porque os Estados unidos, tal como todos os outros quatro países com assento permanente no Conselho de Segurança, têm poder de veto. Artigo de José Manuel Rosendo.

PARTILHAR
Nem sequer houve abstenções. Catorze países do Conselho de Segurança da ONU aprovaram uma resolução que condena o reconhecimento unilateral (feito por Donald Trump) de Jerusalém como capital de Israel. A resolução não passou porque os Estados unidos, tal como todos os outros quatro países com assento permanente no Conselho de Segurança, têm poder de veto. E Os Estados unidos vetaram. E a embaixadora norte-americana, Nikki Haley, disse que a votação da resolução "é um insulto e um desprezo que não vamos esquecer". A vitimização depois da asneira é algo que se não fosse tão triste daria uma boa gargalhada. Assusta esta forma de ver as coisas e este tipo de reacção ameaçadora. Infelizmente, estamos a falar da maior potência mundial. A forma como os Estados Unidos estão a tratar uma questão tão melindrosa como é o caso do estatuto de Jerusalém, revela uma de três coisas: 1 - absoluta ignorância; 2 - desprezo absoluto pelos direitos dos palestinianos (e de todos os muçulmanos e cristãos) e simultânea cedência ao interesse do Governo de Israel; 3 - factura a pagar pelos votos que colocaram Donald Trump na Casa Branca.
 
Detesto os maniqueísmos que colocam bons de um lado e maus do outro. Nunca é assim nas Relações Internacionais, mas dos Estados Unidos acumulam-se exemplos e casos que permitem questionar as decisões daquela que não se cansa de se autoproclamar como a maior democracia do mundo. Três exemplos: o bloqueio imposto a Cuba que acabou na Assembleia Geral da ONU com os próprios Estados Unidos e Israel a serem os únicos a oporem-se à condenação do bloqueio; a invasão do Iraque em 2003, baseada numa mentira levada ao Conselho de Segurança por Colin Powell, então Secretário de Estado; e, agora, a questão de Jerusalém. Nem é preciso falar no Pacto do Clima nem do acordo nuclear com o Irão.
 
O desprezo referido por Nikki Haley é uma completa falácia porque o verdadeiro desprezo foi aquele que os Estados Unidos revelaram pelas resoluções das Nações Unidas, nas quais está muito bem estabelecido o estatuto de Jerusalém e onde está também prevista a base de quaisquer negociações entre os directamente envolvidos: israelitas e palestinianos. E de nada os Estados Unidos se podem queixar, porque essas resoluções - pelo menos dez, aprovadas entre 1967 e 2016 - tiveram a sua aprovação ou, pelo menos, não mereceram o seu veto. Portanto, se de algum desprezo é possível falar, é dos Estados Unidos, por tudo o que o Conselho de Segurança tem decidido sobre este conflito. O embaixador de Israel, após a votação desta segunda-feira (18 de Dezembro) disse algo que não é novo, mas é revelador: "os membros do Conselho (de Segurança) podem votar e voltar a votar centenas de vezes. Isso não mudará o facto de que Jerusalém é, foi, e será sempre a capital de Israel". Isto é, o embaixador israelita na ONU revela absoluta indiferença por um fórum que, é suposto, ponha alguma ordem no mundo. Está assim o Direito Internacional.
 
Por agora, o realismo político norte-americano está na sua expressão mais dura. O poder militar e o poder económico ditam as regras. Quero, posso e mando, é a máxima destes realistas que há muito fazem escola nos Estados Unidos e têm seguidores um pouco por todo o mundo. O multilateralismo, única via para acordos e decisões sustentáveis a médio e longo prazo, está a ser atirado às urtigas. O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, que admitiu pretender trabalhar precisamente para fazer regressar o multilateralismo como forma de solucionar os conflitos, e de os evitar, tem agora trabalhos dobrados.
 
Negociar é a única via. Cedências de todas as partes envolvidas é a única solução.
 
Não é normal que a "maior democracia do mundo" fique isolada, até perante aqueles que são os seus principais aliados no Conselho de Segurança, como é o caso do Reino Unido e de França. 
Já agora para que conste, os actuais dez membros eleitos (não permanentes) são: Egipto, Senegal, Angola, Japão, Malásia, Uruguai, Venezuela, Nova Zelândia, Espanha e Ucrânia. Todos contra Donald Trump e o reconhecimento unilateral de Jerusalém como capital de Israel.
 
Artigo publicado em Meu Mundo Minha Aldeia.
Termos relacionados: Internacional