Nicarágua: Liberdade para Dora María Téllez

21 de outubro 2022 - 10:24

Na Nicarágua, há atualmente mais de 200 presos políticos. Dora María Téllez tem 66 anos de idade, foi uma das comandantes da luta de libertação da Frente Sandinista, é uma das prisioneiras da ditadura chefiada por Daniel Ortega. Artigo de Matthias Schindler.

porMatthias Schindler

PARTILHAR
Retrato falado da comandante guerrilheira Dora María Téllez depois de permanecer 400 dias na prisão. (Foto: Reprodução | Brasil de Fato)
Retrato falado da comandante guerrilheira Dora María Téllez depois de permanecer 400 dias na prisão. (Foto: Reprodução | Brasil de Fato)

O ex-revolucionário Daniel Ortega é atualmente o chefe duma das ditaduras mais cruéis do mundo. Entre outro tem mais que 200 prisoneiros políticos na Nicarágua. Uma de elas é Dora María Téllez que tem 66 anos de idade. Ela é uma das comandantes mais importantes da luta de libertação da Frente Sandinista contra a ditadura de Somoza nos anos 1970 e dirigente da Revolução Sandinista nos anos 1980. Desde junho de 2021 tem sido mantida em condições desumanas e de tortura na prisão, juntamente com mais de 30 outros presos políticos. No total, há mais de 200 prisioneiros políticos nas diferentes prisões da Nicarágua. O único crime que tinha cometido é que chamou “ditador” ao ditador Ortega.

As condições em que Dora María Téllez, está presa não só violam os direitos humanos, como também põem em perigo a sua vida. Durante os 470 dias da sua detenção em isolação solitária, Dora María Téllez só pôde receber visitas da sua família a cada 45 dias, e os seus parentes testemunharam a sua dramática perda de peso. É mantida na escuridão constante, dia e noite, sem cuidados médicos e está a receber comida insuficiente. Em meados de setembro, ela iniciou uma greve de fome, um gesto extremo de protesto, para exigir o fim do regime de isolamento a que ela e os seus companheiros de prisão estão sujeitos.

Dora María Téllez é uma ativista política, intelectual e possui um mestrado em história da Nicarágua. É reconhecida nacional e internacionalmente pelas suas publicações e pelo seu ativismo político cívico em prol da democracia. A Université Sorbonne Nouvelle de Paris irá conceder-lhe um doutoramento honoris causa a 28 de novembro de 2022 em reconhecimento da sua “excecional trajetória política e científica, e pelas suas contribuições para o progresso social internacional”, de acordo com a carta que a universidade tinha entregado à sua família em maio de 2022.

O Coletivo de Solidariedade com o povo da Nicarágua da França CSPN tem iniciado uma campanha internacional para a libertação de Dora María e todos os prisioneiros políticos de Nicarágua. Exige que ela seja libertada e que lhe seja permitido viajar para Paris para receber pessoalmente o seu doutoramento.

Pedimos a todas e todos os leitores deste artigo que assinem a Carta Aberta que pede a libertação da Dora María Téllez! As Assinaturas podem ser efeituadas através da internet neste endereço:

https://www.ipetitions.com/petition/liberez-free-liberen-dora-maria-tellez

Artigo de Matthias Schindler

Matthias Schindler
Sobre o/a autor(a)

Matthias Schindler

Técnico de construção de máquinas reformado. Politógo.