Está aqui

Memórias: Jacques Brel

No dia 8 de abril de 1929 nasceu Jacques Brel, em Bruxelas (Bélgica). Foi um cantor, compositor, ator e diretor de cinema belga francófono. As suas músicas atravessaram o tempo e as fronteiras. Por António José André.
Jacques Brel, 1962 – Foto de Jac. de Nijs / Anefo - Edited version of Nationaal Archief, https://commons.wikimedia.org/
Jacques Brel, 1962 – Foto de Jac. de Nijs / Anefo - Edited version of Nationaal Archief, https://commons.wikimedia.org/

Jacques Brel nasceu a 8 de abril de 1929, em Bruxelas (Bélgica). Em 1935, entrou na Escola Primária. A partir de 1941, frequentou o Colégio Saint-Louis e começou a interessar-se pelas artes. Em 1944, colaborou na criação de um grupo de teatro.

Em 1946, Jacques Brel aderiu a uma organização de solidariedade católica, a Franche Cordée, de ajuda a doentes, pobres, órfãos e idosos. Em 1953, mudou-se para París, onde conheceu o gerente do cabaret "Les Trois Baudetes", que o ajudou na produção do primeiro disco.

Em 1957, a sua canção "Quand on n'a que l'amour" impressionou o público. Até 1967, Jacques Brel continuou com êxitos: "La valse à mille temps" (1959), "Ne me quitte pas" (1959), "Les Bourgeois" (1961) e "Amsterdam" (1965).

A 17 de maio de 1967, deu o último concerto num pequeno cinema de Roubaix. Mort Shuman adaptou algumas das suas canções para o espetáculo: "Jacques Brel is Alive and Well and Living in Paris".

Jacques Brel compôs uma ópera, "L'homme de la Mancha", que se estreou no Teatro Real de la Monnaie de Bruxelas (1968). Entre 1967 e 1973, apareceu em vários filmes sem êxito.

Depois de quinze anos e mais de vinte milhões de discos vendidos, Jacques Brel decidiu abandonar a carreira de cantor, afirmando que era tempo de enfrentar novos desafios.

Em meados da década de 70, Jacques Brel comprou um barco e deu uma volta ao mundo. No final da viagem, aportou na Polinésia e instalou-se numa casa nas ilhas Marquesas.

A 9 de outubro de 1978, o mundo recebeu a notícia da morte de Jacques Brel. Falleceu com cancro de pulmão no Hospital de Bobigny (París). Como última vontade, Brel pediu para ser enterrado nas Ilhas Marquesas.

Jacques Brel foi um marco fundamental na música francesa, juntamente com os seus contemporâneos Georges Brassens, Léo Ferré, Edith Piaf e Yves Montand. As suas músicas atravessaram o tempo e as fronteiras.

Pode escutar aqui "Amsterdam":

Jacques Brel: Amsterdam. {1966 Olympia}

Termos relacionados Memórias, Cultura
(...)