Está aqui

Flotilha judia vai tentar quebrar o cerco de Gaza

Uma organização de judeus alemães prepara uma flotilha para se opor ao bloqueio de Gaza por Israel. «Os militantes estão com medo, mas não do Hamas» diz um membro da organização. Artigo de Aviel Magnezi, da Ynews.
«O nosso navio pode abrir uma janela entre Israel e os habitantes de Gaza,» diz. uma das organizadoras da viagem. Foto MarkusR/Flickr

A organização judia alemã, Uma Voz pela Paz no Médio Oriente, prepara uma  flotilha judia para a faixa de Gaza.

«Tencionamos partir em Julho», indica Kate Leitrer, um membro da organização, a Ynet. «Por enquanto possuímos um pequeno navio em que embarcarão entre 12 a 16 pessoas, principalmente judias.» 

Leitrer, igualmente judia, diz que há grande interesse em juntar-se a eles. Diz que «Obter outro navio significa mais despesas e discutimos esta eventualidade» e «Devido ao espaço limitado, apenas transportarão material escolar, rebuçados e sobretudo material musical, encontrar-se-ão músicos a bordo para ensinar as crianças de Gaza. Estas crianças precisam de ver que os judeus não são semelhantes à imagem que se fizeram deles.» 

Leitrer afirma igualmente que Israel agiu de forma criminosa com o seu raide mortífero contra a flotilha de Gaza na passada segunda-feira 31 de Maio.

«A direcção da UNRRA ( A Administração das Nações Unidas para o socorro e reabilitação) pediu ao mundo de enviar navios devido à  importante penúria de mantimentos em Gaza» diz. 

«Ao parar a Flotilha, Israel cometeu um acto criminoso. Israel não deve agir como piratas.» Diz-nos que os militantes sentem medo, mas não é do Hamas.  «Judeus foram a Gaza no passado e foram tratados amigavelmente», continua Leitrer. «Recentemente conversámos com eles e estão entusiasmados de saber da nossa vinda. Sentimos medo com o que se passou no Marmara, mas quando estamos comprometidos numa boa acção, devemos agir. Também houve pessoas que morreram na luta contra o fascismo.»

Desmente os receios de Israel de que houve contrabando de armas para Gaza nos barcos humanitários. Diz: «Não ouvimos nada sobre contrabando de armas na última flotilha e pessoas foram alvejadas e mortas.»

«Contactámos personalidades de Israel e dissemos-lhes que eram bem-vindas a bordo para revistar os navios, mas pedimos-lhes de nos deixar perseguir rota até Gaza. Tratam-se das águas territoriais de Gaza e Israel não as deve controlar»

«Abrir uma janela para Gaza »

Edith Lutz, judia alemã, membro da organização disse a Ynet que o navio já se encontrava ancorado em águas do mediterrâneo e que a organização tinha recebido os pedidos de inúmeros judeus e não-judeus para participar na flotilha.  
«Começámos na Alemanha» diz, « mas muita gente nos contactou desde Inglaterra, Suécia e Estados Unidos. É possível que outro navio nos acompanhe para levar principalmente jornalistas.»
Lutz explica que a flotilha tem como objectivo transmitir uma mensagem : levantar o cerco.  «O nosso navio pode abrir uma janela entre Israel e os habitantes de  Gaza,» diz. «Há dois anos atrás, participei na flotilha Free Gaza ; tinha posto a estrela de David e as crianças diziam, - Olha, ela é judia – e todos me aceitaram. Quando nos encontrámos com Ismail Haniyeh (dirigente Hamas) e lhe dissemos quem eu era, virou-se para mim e disse-me que não tinha nada contra os judeus, nem contra Israel, mas que estava contra a ocupação.»


6 Junho 2010 - YnetNews - tradução : Info-Palestine.net
Tradução do francês por Ana da Palma.

Termos relacionados Internacional
Comentários (1)