Está aqui

Durão Barroso afirma que “fez tudo por Portugal” e que Grécia é um “caso de sucesso”

A Zona Euro já ultrapassou a crise e a Grécia é um exemplo deste sucesso, avançou Durão Barroso esta sexta feira, durante um encontro do Partido Popular Europeu (PPE), em Dublin. O presidente da Comissão Europeia afirmou ainda que fez "tudo o que podia por Portugal", pelo que deixará o cargo com "a consciência absolutamente tranquila".
Foto de GEORGES BOULOUGOURIS/LUSA

O presidente da Comissão Europeia, citado pelo Ekathimerini, elogiou os esforços do primeiro-ministro grego Antonis Samaras e observou que, sob a sua liderança, o país conseguiu produzir um saldo primário positivo.

Para Durão Barroso, a Grécia, que foi empurrada para uma crise humanitária sem precedentes, e conta com uma taxa de desemprego de 27,5%, é um "exemplo de sucesso" na Zona Euro.

O empobrecimento da população, o aumento do número de crianças mal nutridas, da população de sem abrigo e do número de suicídios, o encolhimento da economia, em um quarto, durante quatro anos, ou a delapidação de serviços públicos básicos como a saúde aparentam ser, para Durão Barroso, a receita para um “caso de sucesso”.

Barroso tem "a consciência absolutamente tranquila" em relação a Portugal

O ex primeiro ministro do PSD afirmou ainda que, o facto de estar à frente da CE, contribuiu para que existisse uma maior preocupação social na implementação do programa da ‘troika' em Portugal.

"Se não fosse um português à frente da Comissão Europeia a orientação [para Portugal] teria sido muito mais no sentido do rigor, sem a dimensão social, sem a dimensão do equilíbrio entre a consolidação e o apoio ao crescimento", frisou.

Durão Barroso garantiu ainda que fez "tudo o que podia por Portugal", pelo que deixará o cargo com "a consciência absolutamente tranquila".

"Devo dizer que os momentos que mais sofri não foram tanto com a crise do euro, mas com o que se passava no nosso país, e agora aqui na Irlanda têm reconhecido o que fiz pela Irlanda, na Grécia também acabaram de me distinguir com outra condecoração, se os outros países reconhecem que fiz por eles o máximo que podia fazer, será que não o faria pelo meu próprio país?", interrogou Durão Barroso em declarações à agência Lusa e à TVI.

O presidente da Comissão Europeia apoiou Jean-Claude Juncker como seu sucessor, considerando-o "uma pessoa com grande experiência" política a nível europeu e "um excelente candidato".

Termos relacionados Política
Comentários (1)