Está aqui

Dirigente dos Sem Terra assassinado a tiro no Paraná

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra exige a investigação do sequestro e morte de Ênio Pasqualin, dirigente estadual da organização. Depois da eleição de Bolsonaro, cresceram as ameaças de despejo e a violência na região do Paraná.
Ênio Pasqualin
Ênio Pasqualin. Foto de Deputado Marcon | Facebook

Foi assassinado a tiro no interior da região do Paraná, no Brasil, no passado fim de semana, o dirigente estadual do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Ênio Pasqualin, depois de ter sido sequestrado em casa, divulga o Instituto Humanitas Unisinos (IHU).

A presidente do PT e deputada federal, Gleisi Hoffman, afirmou que “há tempo a violência no campo é realidade no Paraná. Com a eleição de Bolsonaro e Ratinho Jr as coisas só pioraram” e acrescenta que “as ameaças de despejo são frequentes na Justiça e contra a vida de militantes, por parte de fazendeiros”.

Segundo um comunicado do MST, Ênio Pasqualin foi de coordenador de base a dirigente estadual do MST Paraná, participando em atividades e ocupações de terra na região de Rio Bonito do Iguaçu, local onde foi assassinado. Vivia no assentamento Ireno Alves dos Santos.

A nota relata que “Ênio foi retirado de sua casa por sequestradores na noite deste sábado, e seu corpo foi encontrado na manhã deste domingo nas proximidades do assentamento, com claras evidências de execução”.

O líder dos MST tinha cumprido 48 anos, no dia 15 de outubro e de acordo com a Direção Estadual do MST “tiraram a vida de um pai, de um marido, deixando suas duas filhas, o filho e a esposa com uma dor inexplicável e inaceitável”.

Ênio deu início a sua militância no MST em 1996 em Saudade do Iguaçu e no mesmo ano mudou-se para o acampamento Buraco, em Rio Bonito do Iguaçu, fazendo parte de uma das maiores ocupações de terra do MST, no dia 17 de abril de 1996. Neste dia, 3 mil famílias Sem Terra ocuparam o latifúndio da Giacomet Marodin, atual madeireira Araupel.

O MST refere que Ênio esteve sempre envolvido na luta pela Reforma Agrária, “seja no âmbito da produção e na organização dos assentados quando foi Presidente da Central de Associações Comunitárias do Assentamento Ireno Alves dos Santos (Cacia), ou quando ajudou os filhos e filhas dos assentados e assentadas a se organizarem para continuar a luta pela na extensa área da Araupel”.

A Direção Estadual exige “o esclarecimento dos fatos, a investigação e prisão dos envolvidos”.

Termos relacionados Internacional
(...)