Bloco promete luta contra a mineração em Boticas

08 de junho 2023 - 15:34

Em comunicado, a Comissão Coordenadora Distrital do Bloco de Esquerda de Vila Real repudia o aval para o início da mineração no Barroso e promete ações de luta contra a exploração mineira junto das populações que foram desprezadas. Por Interior do Avesso.

PARTILHAR

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) publicou, recentemente, um relatório com um Estudo de Impacto Ambiental- EIA sobre a exploração de Lítio, nos territórios baldios envolventes das aldeias de Covas de Barroso, Romaínho e Muro, todas na freguesia de Covas de Barroso, concelho de Boticas.

Segundo a estrutura distrital do Bloco, “o conteúdo do parecer, ao fazer considerações de natureza económica relativamente à exploração daquele metal, mais parece um relatório de uma consultora pago pela Savannah, a empresa a quem o Estado português atribuiu concessão de exploração”.

O partido avança que “este relatório, quando muito, poderia vir do Ministério da Economia de um governo que regularmente vem protegendo, sem escrúpulos, os interesses das grandes empresas, sejam do sector industrial sejam da banca, bastando, para prova, a infeliz decisão do governo de se colocar ao lado da banca mais exploradora do nosso país no que diz respeito à atribuição de juros sobre depósitos a prazo”.

O Bloco de Esquerda local repudia assim o parecer, que foi elaborado, “com o sacrifício do modo de vida das populações que amiudadas vezes já afirmaram que lutarão de todas as formas para combater esta praga da mineração”. E considera que a APA vai mais longe: “assinala a probabilidade de o rio Covas não suportar os impactos negativos da exploração, 600 HA, a céu aberto, a proliferação de rebentamentos constantes de explosivos para a remoção de rochas e terras, a circulação constante e medonha de camiões no interior das aldeias acima referidas e a ainda a contaminação garantida dos lençóis freáticos das zonas de exploração incluindo o rio Beça”.

O Bloco de Esquerda de Vila Real termina o seu texto afirmando que “apoia e saúda a recusa intransigente das associações locais que mais não fazem do que garantir a preservação deste património considerado Reserva Agrícola Mundial” e garante que “avançará com ações de luta”.


Texto publicado originalmente no Interior do Avesso.