Ator de Empire é espancado em ataque racista e homofóbico

30 de janeiro 2019 - 14:50

Na madrugada de segunda, Jussie Smollett foi espancado por dois homens apoiantes de Trump. Com uma costela partida, teve alta na manhã de terça-feira.

PARTILHAR
Smollett no PaleyFest 2016/pt.wikipedia.org
Smollett no PaleyFest 2016/pt.wikipedia.org

A agressão ocorreu pelas duas da manhã, altura em que, nas ruas de Chicago, a caminho do metro, Smollett foi abordado por dois homens, que lhe terão perguntado “Não és aquele gay preto de Empire?”.

Os agressores, brancos e com máscaras, agrediram o ator, partindo-lhe uma costela. De seguida, puseram-lhe uma corda à volta do pescoço, tentando enforcá-lo, como a Ku Klux Klan costumava fazer durante o período em que assassinava negros impunemente. Atiraram-lhe lixívia para cima e, ao saírem, gritaram “Este é o país do MAGA” (“Make America Great Again”, slogan de Trump).

A comunicação social norte-americana afirma ainda que o ator recebeu ameaças há cerca de uma semana: “Vais morrer, preto filho da puta”.

A polícia de Chicago encontra-se, por isso, a investigar o episódio como um crime racial e homofóbico: “Dada a gravidade das alegações, estamos levando essa investigação muito a sério e tratando-a como um possível crime de ódio”, afirmou em comunicado.

Na série da Fox, Smollett interpreta o músico Jamal Lyon, filho de Lucious (Terrence Howard) e Cookie (Taraji P. Henson). Além de ser um jovem negro, a personagem é gay. O ator afirmou também ser gay nma entrevista dada a Ellen DeGeneres, em 2015, tendo ainda afirmado preferir manter a sua vida pessoal longe dos olhos do público.

Bernie Sanders já reagiu à agressão, considerando-a um "exemplo horroroso da emergente hostilidade para com as minorias pelo país" e dizendo que é necessário "erradicar o preconceito e a violência".