Está aqui

Ambientalistas invadem EDP em busca dos “Donos da Energia em Portugal”

Após o anúncio de invasão do “Ministério da Energia”, o grupo Climáximo invadiu a EDP “em busca do verdadeiro Ministério da Energia”. O grupo exige medidas que permitam cortar 50% das emissões de gases com efeito de estufa até 2030.
Fotografia: Climáximo/Facebook
Fotografia: Climáximo/Facebook

Após ameaça de invasão do Ministério da Energia, o Climáximo invadiu a sede da EDP, de forma a “enfrentar os verdadeiros Donos da Energia em Portugal”.

O grupo pertence ao movimento internacional Extinction Rebellion, que durante esta semana protestou por ações governamentais com ocupações, bloqueios e protestos por todo o mundo. “Não contarão mais com inação da nossa parte. Estamos aqui para vencer, pela civilização e pela Humanidade”, afirmou o Climáximo através de um comunicado divulgado esta quinta-feira, após a invasão à sede da EDP “em busca do verdadeiro Ministro da Energia, António Mexia, para exigir que encerrem as centrais a carvão de Sines e de Aboño e que treinem os trabalhadores para a transição para uma economia só com energias renováveis”.

"Esta empresa privada controla há décadas todas as políticas públicas, domina todo o sistema eléctrico com o favor ininterrupto de todos os governos, escreve as leis que governam o país, manobra as rendas para viver à conta do dinheiro de todos e é a principal responsável por emissões de gases com efeito de estufa em Portugal.", acusa ainda o Climáximo através do referido comunicado.
 

O mesmo documento refere que "Tanto a EDP como os seus porta-vozes não-oficiais, João Pedro Matos Fernandes e João Galamba, escondem-se em mentiras para prolongar cada vez mais o funcionamento das centrais a combustíveis fósseis e das rendas garantidas à EDP. Fechar estas centrais não vai deixar nenhuma parte do país às escuras e enquanto se mantiverem em funcionamento as alternativas energéticas ficam paradas. É possível fechar Sines muito rapidamente, a central já devia ter fechado em 2017 mas continua a bater recordes de emissões todos os anos e é responsável por mais de 10% das emissões de todo o país. É possível preparar os trabalhadores que hoje aí trabalham para um emprego nas energias renováveis, preparando o seu futuro e o futuro de todos nós."

Assim, "Precisamos cortar 50% das emissões de gases com efeito de estufa até 2030 e isso significa fechar as grandes centrais emissoras e transformar a energia num direito público com uma produção e distribuição eficiente, com base em fontes descentralizadas e democratizadas.", afirmam os ativistas.

Na terça-feira passada, o mesmo grupo invadiu os estúdios da CMTV durante um programa matinal em direto como crítica “ao silêncio de grande parte da imprensa face ao maior desafio que enfrentamos enquanto civilização”.

 

Termos relacionados Sociedade
Comentários (1)