Está aqui

Alterações climáticas, temperaturas recordes e mortalidade humana

Quantas pessoas estão a morrer devido às mudanças climáticas? Como é que as alterações climáticas causam mortes e quais são algumas das omissões, enganos e confusões sobre combustíveis fósseis, mudanças climáticas e mortalidade? Por Judith Deutsch.
Greve Climática Estudantil. Foto de Ana Mendes.
Greve Climática Estudantil. Foto de Ana Mendes.

Nos Estados Unidos, as mortes relacionadas com o clima são classificadas de forma limitadora como relacionadas com o calor. Assim, uma pesquisa simples no Google sobre esta questão resulta em 106 mortes em 2022. Contudo, as doenças transmitidas por vetores que proliferam devido ao calor, como a malária, o dengue e o zika, são também responsáveis por 700.000 mortes/ano. George Monbiot escreveu que a queima das florestas tropicais da Indonésia para a produção de biocombustíveis (como alternativa ao carvão) a partir de plantações de cana-de-açúcar/óleo de palma causou poluição do ar, levando possivelmente a 15.000 mortes de bebés. E a guerra do petróleo dos EUA por combustíveis fósseis e o programa da ONU “petróleo por alimentos” no Iraque causaram milhões de mortes, incluindo cerca de cinco milhões de crianças.

Em 2021, o Guardian informou que as temperaturas extremas matam cinco milhões de pessoas por ano e que as mortes estão a aumentar. Há também a questão da precisão dos relatórios e a dificuldade da estimativa. O World Mortality Database descobriu que o número de pessoas que morreram na onda de calor egípcia de 2015 foi de 20.000 e não as 61 relatadas, e que, em 2022, as ondas de calor na Europa mataram mais de 61.600 pessoas. Duas décadas atrás, 71.000 mortes em excesso foram registadas na Europa devido à onda de calor de verão. Isto não foi suficiente para provocar mudanças fundamentais.

Em 13 de julho de 2023, James Hansen escreveu que a Terra está a caminhar para uma nova fronteira do clima global na qual “os extremos de humidade são mais importantes do que os extremos de temperatura”. Não está claro como isso afeta a humidade ao nível do solo e a vida humana; Hansen escreve que “a humidade absoluta mais alta e a penetração mais profunda da convecção húmida fazem com que uma parte maior da chuva ocorra em tempestades intensas”.

Raramente mencionadas nas notícias são as mortes inevitáveis e não evitáveis devido às condições de “bulbo húmido” que ocorrem quando a humidade relativa está acima de 95% e as temperaturas são de pelo menos 31,1°C (88°F), uma temperatura de bulbo húmido de 35°C. Quando a temperatura de bulbo húmido atinge 35°C, ela ultrapassa um limite no qual os seres humanos têm dificuldade de perder calor interno do corpo para se resfriar. Mas investigações mostram que mesmo temperaturas de bulbo húmido inferiores a 35°C podem ser fatais. Este foi o caso em 2010, quando a Rússia passou por uma onda de calor mortal, em que as temperaturas de bulbo húmido não passaram de 28°C. No Irão, “uma combinação de calor e humidade na semana em que este exto foi escrito elevou o índice de calor no Aeroporto Internacional do Golfo Pérsico para 152° graus Fahrenheit (66° Celsius), com um ponto de orvalho acima de 90°”. Isto está próximo do limite do no qual o corpo humano pode sobreviver, mas não há informações sobre mortes.

Os impactos humanos e ecológicos do aquecimento

O Fórum Humanitário Global, sob o comando de Kofi Annan, durou apenas de 2007 a 2010, quando o Departamento Federal de Relações Exteriores da Suíça anunciou que estava sobre-endividado e precisava encerrar as suas atividades. Publicou o Relatório de Impacto Humano: Mudanças Climáticas para a reunião climática de Copenhaga em 2009, declarando que esse era apenas o início da abordagem do impacto humano das mudanças climáticas. O Relatório estimou que, desde 1991, os países em desenvolvimento sofreram 99% das perdas e que, com as atuais políticas globais projetadas para resultar num aquecimento de cerca de 2,7°C acima dos níveis pré-industriais, havia uma necessidade urgente de lidar com perdas e danos.

“No entanto, se não revertermos as tendências atuais até perto de 2020, talvez tenhamos fracassado. O aquecimento global ultrapassará o nível de perigo amplamente reconhecido de dois graus, já que há um atraso de aproximadamente 20 anos entre as reduções de emissões e a interrupção do seu efeito de aquecimento.”

Este é um dos muitos factos omitidos no orçamento de carbono. Em 2009, o Relatório indicou que 315.000 vidas/ano foram perdidas devido à mudança climática, principalmente devido à desnutrição, diarreia, malária e desastres relacionados ao clima causados pela mudança climática. O relatório informa que as mulheres representam dois terços dos pobres do mundo. Citava muitas pessoas pobres e sem instrução no local que estavam bem cientes das mudanças climáticas e das suas consequências.

Vale a pena ler o Relatório e relembrar os fracassos de Copenhaga 2009, conforme relatado por Sara Flounders: “Com mais de 15.000 participantes de 192 países, incluindo mais de 100 chefes de Estado, bem como 100.000 manifestantes nas ruas, é importante perguntar: Como é possível que o pior poluidor de dióxido de carbono e outras emissões tóxicas do planeta não seja o foco de nenhuma discussão da conferência ou das restrições propostas?… [O] Pentágono tem uma isenção geral em todos os acordos internacionais sobre o clima.” [1] Essa isenção permaneceu na reunião da COP de Paris de 2015.

Medindo as alterações climáticas em número de mortes

E se o custo das mudanças climáticas fosse medido em termos de vidas humanas e não de dinheiro e se, usando as ferramentas de matemática, medição, estatística, algoritmos e mecanismos de busca, fosse possível determinar as mortes causadas por cada aumento de temperatura ou concentração de gases de efeito estufa (GEE)? Por exemplo, as pessoas poderiam descobrir quantas mortes custa um voo transatlântico (a aviação está isenta de acordo de Quioto); quantas mortes custa uma “missão” ou um jogo de guerra da Nato (as forças armadas estão isentas de acordo de Quioto); quantas mortes causa um navio que transporta aço ou laranjas (o transporte marítimo está isento de acordo de Quioto), ou comer carne e as suas emissões relacionadas de metano, como o desmatamento e o transporte? Quantas mortes causa a mineração de cobalto para veículos e dispositivos eletrónicos? Veja os relatos chocantes no livro recente, Cobalt Red, sobre a mineração americana, belga e chinesa no Congo.

E se a morte humana fosse levada a sério e centralmente? No início da epidemia de Covid, foram implementadas medidas drásticas: investimento em investigação farmacêutica, moratória na produção não essencial, na aviação internacional, moratória nas dívidas. Mas logo depois houve um total e insondável desfazer, um retrocesso. Desde o início da pandemia, “um novo bilionário [foi] criado a cada 26 horas, enquanto a desigualdade contribui para a morte de uma pessoa a cada quatro segundos”.

O famoso gráfico do taco de hóquei mostra a inclinação gradual para cima desde o início da revolução industrial, por volta de 1800, e depois as subidas íngremes e repentinas a partir de 1990, e os gráficos também podem ser usados para ilustrar o desaparecimento de florestas, corais, zonas húmidas, pássaros, insetos e mamíferos. Contudo, não há gráficos sobre a mortalidade humana. As imagens icónicas do clima são dos ursos a desaparecer, ou ecossistemas inteiros (corais), ou, às vezes, sociedades tradicionais a desaparecer. O desastre da mudança climática é retratado como uma abstração, como o “fim da civilização como a conhecemos”. Monetizar o “custo” da guerra ou o custo da mudança climática não atinge a morte de um ser humano inteiro, que muitas pessoas conhecem e sentem profundamente – e sem dúvida conhecem as causas: a resposta mundial ao ver o corpo sem vida do bebé Alan (Aylan) Kurdi que se afogou no Mediterrâneo, a resposta mundial à morte de George Floyd. Daniel Ellsberg expressa o seu próprio choque e incredulidade em relação ao descuido casual dos militares e do governo que ele entrevistou – a indiferença deles em relação às enormes mortes possíveis pelo uso de armas nucleares.

O sistema climático atual

Quais são os principais factos essenciais sobre o próprio sistema climático? Com base no registo paleoclimático, James Hansen descobriu que 350 partes por milhão (PPM) de CO2 na atmosfera foi o ponto de viragem da formação de gelo no planeta e que a adição de gases de efeito estufa na atmosfera causaria o derretimento de todo o gelo da Terra. A taxa de mudança é determinada por feedbacks positivos e negativos e pela taxa de adição de CO2 adicional à atmosfera. Nesta altura, a taxa sempre crescente não tem precedentes, o que dificulta a previsão de quanto tempo levará para que todo o gelo da Terra derreta. Os seres humanos nunca viveram sob esta condição. O nível pré-industrial total estava em torno de 275 partes por milhão. Em maio de 2023, o nível médio mensal era de 424 ppm de CO2. [2] Isto não inclui outros gases de efeito estufa que aumentam significativamente a força do aquecimento global para 550 ppm: vapor de água, metano e óxido nitroso.

Um determinante crucial é a potência crescente dos feedbacks positivos e a deterioração da capacidade da Terra de extrair CO2 através da absorção pelas florestas (por exemplo, incêndios, desmatamento) e pelos solos (por exemplo, perda da camada superficial do solo, dessecação e esterilização). Cada incremento adicional de CO2 produzido pelo homem gera feedbacks secundários amplificadores. Talvez seja comparável aos impactos da Covid-19 no sistema de saúde, em que uma cascata de efeitos secundários causa um colapso geral do sistema e a sua morte.

Muitos dos prognósticos atuais sobre soluções climáticas confundem e enganam: as datas-alvo e as datas de referência para atingir “emissões zero” são arbitrárias e inconsistentes de país para país. Conforme explicado acima, é imprevisível a quantidade de feedback que qualquer quantidade de CO2 produzido pelo homem gerará. Além disso, representar a mudança climática com a temperatura média da superfície global simplifica demais o impacto muito mais significativo e complexo das diferenças regionais contrastantes (por exemplo, a diferença decrescente entre os trópicos e o Ártico), as interações das camadas e da circulação oceânica (circulação regional, hemisférica e global; as camadas de água salgada e água doce), os efeitos da circulação atmosférica (por exemplo, os efeitos climáticos na troposfera e na estratosfera), as diferenças entre as temperaturas da superfície terrestre e da superfície do mar.

As reivindicações por soluções justas e sustentabilidade são cruciais, mas não refletem, por si só, a urgente emergência da vida humana cooptada pelo atraso, pela distração e pelo engano. Até mesmo os esforços mais minuciosos são muitas vezes perdidos no acompanhamento ou tratados como projetos-piloto. As reduções imediatas de emissões não exigem apenas a mudança para energias renováveis ou o abandono de combustíveis fósseis no solo – as atividades não essenciais de alta emissão devem ser eliminadas imediatamente ou reduzidas substancialmente até que a concentração efetiva de gases de efeito estufa seja reduzida para 350 ppm.

Está claro que imensas áreas da Terra se estão a tornar inabitáveis. Os atuais desastres climáticos sem precedentes estão a ocorrer em temperaturas médias inferiores a 1,5°C e refletem concentrações muito inferiores aos atuais 424 ppm devido à inércia do sistema climático. Baseando a política na noção de um orçamento de carbono, alguns economistas neoclássicos, os principais defensores da economia capitalista, acreditam mesmo que um aumento de 6°C na temperatura é seguro para os americanos, uma vez que o trabalho pode ser feito em edifícios com ar condicionado. Esta afirmação convida ao rótulo de crime contra a humanidade global e é comparável às revelações de Ellsberg sobre os planificadores da guerra nuclear. [3]

Do ponto de vista da prevenção da morte, todo o quadro político climático exige ações urgentes que vão além do desinvestimento, da manutenção dos combustíveis fósseis no solo e das energias renováveis. Deve-se incluir a abertura das fronteiras, a eliminação das forças armadas e de todo o setor de armamentos, a eliminação da dívida do terceiro mundo e a reparação nacional e internacional, o financiamento dos corpos de bombeiros e dos socorristas, a construção de reservas de cereais, a substituição da agricultura industrial pela agricultura regional e a tomada de decisões. E, de facto, conversar e ouvir as pessoas, não apenas sondagens. Esta é uma questão de vida ou morte para a maioria da população e não se pode evitar o rompimento com o próprio sistema económico capitalista.


Judith Deutsch é membro do grupo Independent Jewish Voices e ex-presidente da Science for Peace. É psicanalista em Toronto.

Texto publicado originalmente no Socialist Project. Traduzido pela revista Movimento. Editado para português de Portugal pelo Esquerda.net.


Notas:

[1] Ver a investigação de Neta C. Crawford, autora de The Pentagon, Climate Change, e iniciadora do projeto "Costs of War" na Universidade de Brown. Neta Crawford escreve sobre a isenção militar ao abrigo de Quioto, as emissões tanto das próprias forças armadas como da produção industrial de equipamento militar e a longa história americana de guerra de terra queimada, como a desfoliação no sudeste asiático. Atualmente, o Pentágono está também a enquadrar as alterações climáticas no âmbito da “segurança” militar.

[2] Por exemplo, faz muita diferença para compreender a rapidez das alterações climáticas se o aumento de 1°C for simplesmente medido a partir de 1780, como se fossem necessárias várias centenas de anos para aumentar a temperatura em 1°C. A Organização Meteorológica Mundial registou um aumento de 0,2°C entre 2001 e 2010, acima da média anterior de 1991-2000. Esta aceleração parece indicar que não há qualquer hipótese de manter o aumento da temperatura média em 1,5°C. Ver: James Hansen, Storms of My Grandchildren: The truth about the coming climate catastrophe and our last chance to save humanity. Nova Iorque: Bloomsbury, 2009.

[3] Steve Keen, The New Economics: a manifesto, Cambridge: Polity, 2022, pp. 112 e ss. Este texto é uma crítica contundente aos economistas neoclássicos e às suas perigosas conceções erradas sobre economia e alterações climáticas.

Termos relacionados Alterações climáticas, Ambiente
(...)